Pular para o conteúdo principal

NEM SÓ DE PAN VIVE O HOMEM


É finda a luta quadrienal que são os jogos pan-americanos. É tempo de contabilizar os ganhos, deduzir as perdas, enfim, fechar o comitê para balanço. Em clima de festa, louva-se o recorde de medalhas brasileiro (thanks, Tio Sam, por não enviar seus principais atletas), a engenharia das arenas esportivas (obrigado, Lula, por transferir os 2 bilhões a mais do orçamento do PAN para a conta da Viúva).

É tempo também de aprender que:
O Pan do Brasil é uma mulher: a despeito das braçadas recordistas de Tiago Pereira (não vale comparar com Mark Spitz, por favor), e das pernas velozes e resistentes de Franck Caldeira e Hudson Fonseca, o Pan tomou a forma feminina. O que marcou mesmo foi o surgimento de novas estrelas – Jade, Fabiana, Yanne, Keila, - a consolidação de outras – Marta, Maurreen, Ednanci, - o ocaso de algumas – Daniele Hipólito, Janete. Até mesmo quando perdiam, como as meninas de vôlei, perdiam com destaque e afã de vitória.

O brasileiro só é patriota no esporte: o hino toca, a bandeira sobe, a garganta seca, as lágrimas caem. Essa seqüência se repetiu nas 54 vezes em que os atletas nacionais receberam a medalha de ouro. Aquele choro incontido pode inquietar, principalmente quando se leva em conta que nossas autoridades costumam aproveitar a euforia da conquista para faturar alguns pontinhos junto aos eleitores. Quando Pelé, Tostão e cia. ganharam a Copa de 70, o povo celebrava o Tri nas ruas, enquanto os porões da ditadura se refestelavam na tortura. Exaltava-se o Brasil Grande, as verdes matas, o céu anil, o verdadeiro “espetáculo do crescimento” pré-Lula, o “ame-o ou deixe-o”, a flâmula verde-amarela, enquanto os militares verde-oliva escondiam a Transamazônica, o endividamento sem lastro, a censura deslavada, a corrupção nas estatais, os governantes biônicos e a perseguição a rodo.

Rejeita-se o ufanismo americano como símbolo de uma alienação imposta via colonização econômico-cultural. A bandeira tremulando nos finais de filmes de guerra cheira a patriotada para vender a imagem do americano xerife global. E o povo norte-americano, vendo toda a pujança econômica e poderio cultural de seu país, adota uma postura sinceramente patriota, exagerada até.

Mas, e nós do lado de baixo do Equador? Há razões que nos tornariam nacionalistas contumazes? Seria porque o país é belo e gigante pela própria natureza? Seria porque o brasileiro é um forte e não desiste nunca? Chega de ironia. Somos patriotas só no esporte porque as conquistas esportivas são os únicos momentos onde se percebe integridade nas atitudes. O brasileiro nota quando os atletas procuram fazer de sua façanha individual uma realização da coletividade nacional. Pudera muitos dos políticos aprendessem a fazer de suas ações particulares uma conquista nacional em vez de extrair dividendos privados de suas efetivações públicas.

Desculpe, mas eu vou chorar: a frieza dos anglo-saxões e seus descendentes é ressaltada como sinal de controle emocional diante da prova. Já o brasileiro chora a bandeiras despregadas, o que é visto como prova de despreparo psicológico e submissão ao colonizador, um "complexo de vira-latas" tardio.
Nada disso. Toda vez que vejo uma american girl (ou uma meninota canadense) equilibrar-se impassível numa trave de 10 cm, ou então um nadador anglófono imperturbável na sua raia dourada, lembro que o caminho da glória desses vencedores, em geral, é acarpetado desde a infância.

Como cobrar domínio dos sentimentos quando uma ginasta teve uma criação desastrada, quando um judoca passou fome, quando uma corredora enfrentou a seca, quando um corredor foi vítima de racismo, quando uma jogadora de futebol foi estigmatizada preconceituosamente?

Por isso, eles choram. Choram durante e depois da disputa. Quando ganham, choram e riem na cara do destino cruel que lhes assombrava desde a meninice.

No Pan, o Rio é uma Zurique: se, antes dos jogos, a cidade carioca estava uma Bagdá, se o Rio vivia todo dia um capítulo de 24 Horas, durante o Pan, os tiros ouvidos eram só pra dar a largada de competições. A idéia é realizar um Pan anualmente em cada grande cidade a fim de zerar as taxas de insegurança urbana.

Mulher, onde estão os teus agressores?: se o Rio virou Zurique, o Brasil tomou a forma de um imenso Maracanã, uma arena poliesportiva onde a glória dos vencedores escondeu os agressores da doméstica, encobriu as vacas milionárias do Calheiros e, tristemente, se não fosse pela maior tragédia da aviação brasileira, o caos aéreo estaria fadado a ser uma cotidiana e repetitiva nota jornalística.

Nem só de Pan vive o homem: a cobrança é justa e de direito e perguntar não ofende: Senador, onde estão os comprovantes fidedignos? Senhores do apagão aéreo, de quem (de quantos) é a responsabilidade pelas tragédias? Sr. Nuzman, e o amparo pós-Pan aos nossos atletas? Cabral (o Sérgio), o Rio voltará a tudo como dantes?

Comentários

edson br disse…
é isso mesmo. o pan passa, a euforia também e os problemas permanecem.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta