Pular para o conteúdo principal

De Bach em Bach


O que é um homem sem sua peruca barroca, não? Desprovido desse acessório, Johann Sebastian ficou parecendo o carroceiro da praça em frente da igreja onde tocava. Sem nenhum demérito aos valorosos e anônimos carroceiros de Leipzig.

Na reconstituição do rosto de Bach (confira mais detalhes aqui), parece que o compositor ganhou mais melanina, o que o torna um tanto moreno demais para os padrões germânicos desde sempre. Já pensou, o pai da música erudita-ocidental-cristã não ser tão branco como pintaram? Se isso for verdade, o processo de ‘branqueamento’ dos ícones culturais já vem de longe mesmo. Não faz muito tempo que aqui no Brasil se tinha retratos de Carlos Gomes e Machado de Assis (há outros e muitos) “lavados e enxaguados” em Omo progress do tipo sua pele nunca mais será a mesma.

Também se conta que a Globo embranqueceu Chiquinha Gonzaga naquela minissérie em que a maior compositora popular brasileira foi vivida pelas “morenas” Regina e Gabriela Duarte.

Branco ou moreno, feio ou bonito, também consta que Bach preferiu não seguir a tradição de casar com a filha do werkmeister e organista da Marienkirche de Lübeck para poder assumir esse que era um dos cargos mais concorridos do país. O organista era o grande Buxtehude e, se a filha de Buxtehude pareceu não suscitar em Bach grandes admirações, talvez fosse porque Johann Sebastian já estivesse comprometido com alguém (ou com outro plano profissional), ou não quisesse mesmo se comprometer com tal figura.

Bem, melhor mesmo é procurar ouvir a obra musical de Bach, sem dúvida, um dos cumes do Himalaia artístico e cultural da humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta