Pular para o conteúdo principal

Fábulas menores de moral mínima - 5

Há tempos que não escrevo novas Fábulas Menores de Moral Mínima, embora o ambiente esteja inspirador. Mas é que até o Chávez anda se comportando direitinho... ou esquerdinho.
O homenageado da vez é John Cage, o compositor que libertou a música das amarras da partitura com sua obra 4'33 (uma peça em que os músicos entram no palco, abrem as partituras e não tocam nada por 4 minutos e 33 segundos - o som ficaria por conta da reação da platéia ao silêncio). Mas ele também transformou a experiência musical em mero happening, aquele tipo de evento que acha que a banalidade é genial.


COMO ENCHER UM SILÊNCIO SELVAGEM

Os músicos entram, se sentam, abrem as partituras e... Após os 4 minutos e 33 segundos de silêncio naquela sala de concerto, um distinto cavalheiro, temendo romper o clima pós-moderno, cochicha num discreto tom menor:
- É bonitinho! Mas é arte?
Um mancebo de penteado dodecafônico e cacófato perfume, que nunca tinha ficado calado por 4 minutos e 33 segundos na vida, se exalta glorioso como num finale beethoveniano:
- Repete isso, que eu duvido!
- Não repito nada porque eu não falo em ritornello, mauricinho vanguardista!
Ao ouvirem a palavra “vanguarda”, duas veneráveis assinantes de carnês de concerto agarram-se uma a outra esperando o pior, esperando Godot ou simplesmente esperando, esperando, esperando...
No ato, uma garota se levanta dizendo que tinha feito o curso de formação de platéia e que aquela algazarra toda não era comportamento de gente civilizada e que paga doze reais a hora do estacionamento.
- Tire ao menos o fone do iPod dos ouvidos, minha filha – avisam à moça queixosa.
- Só tiro quando o concerto começar.
Nesse instante, todos os olhares se voltam para a moçoila dos fones. São olhares cruéis, mais cruéis do que aqueles olhares dirigidos violentamente a quem aplaude entre os movimentos de uma sinfonia.
Tentando salvar a moça, um senhor de idade e meia:
- Já fui moço e agora sou velho. Mas se era pra ouvir o som do silêncio num concerto antes tocassem The sound of silence, de Simon e Garfunkel.
- Senil e gentil homem, você não sabe o que é arte. Arte não é para entender. O silêncio é um manifesto contra os ditames da massa sonora estupidificante que alicerça a corporalidade pós-orgânica contemporânea inserida na contextualização disfórica das mutações sócio-culturais da pólis.
Ao ouvirem tantos polissílabos de uma só vez, as duas veneráveis assinantes de carnês de concertos agarram-se uma a outra esperando...
- Meu senhor, dou um boi pra ter silêncio, mas dou uma boiada pra não sair de uma discussão sobre estética.
- Cai dentro.
A confusão é total, a baderna come solta, o violoncelista aproveita e sai correndo pra casa a fim de assistir o episódio de Lost que esquecera de deixar gravando. Logo irrompem nas salas dois seguranças estupefatos.
- Que discussão é essa? – pergunta o estupefato segurança A.
- É porque você não entende o que é arte. Arte não é para entender. O silêncio é um manifesto contra os ditames...
O estupefato B não consegue completar a frase do folder do concerto que já tinha decorado porque é atingido pelo próprio companheiro iletrado.

Moral mínima da fábula menor: “O silêncio vale ouro, mas a ideologia estética não tem preço”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta