Pular para o conteúdo principal

assim na fé como na vida

Os problemas da África não podem ser resovidos só com ajudas financeiras, mas os africanos precisam conhecer a Deus, diz Matthew Parris, jornalista que se declara ateu no jornal britânico The Times. Ele afirma estar "convicto da enorme contribuição que o evangelismo cristão faz na África: bastante distinta do trabalho das ONGs seculares, projectos governamentais e esforços de ajuda internacional”.

Nascido em Johannesburgo, África do Sul, e atualmente residindo na Inglaterra, Parris diz que “na África, o cristianismo muda o coração das pessoas. Ele produz uma transformação espiritual. O renascimento é real. A mudança é boa.”

Quando esteve no Malawi, ele impressionou-se com o cristianismo de alguns membros da Pump Aid, uma instituição inglesa secular que trabalha com o saneamento da água dos poços das aldeias. “Estaria de acordo com os meus desejos, acreditar que a sua honestidade, diligência e optimismo no seu trabalho não tinham relação com a sua fé pessoal”, admite Parris. “O seu trabalho era secular, mas certamente afetado por aquilo que eles eram, (…) influenciado por uma concepção do lugar do homem no universo que o cristianismo tem ensinado.”

Aquilo o fez recordar-se do trabalho de missionários cristãos e da forma como os africanos convertidos que ele conheceu quando era menino “eram sempre diferentes.” Parris assegura que a sua nova religião não os confinava, mas parecia libertá-los e relaxá-los.
Ele acrescenta que o cristianismo pós-Reforma ensina uma “relação direta, pessoal e nos dois sentidos entre o indivíduo e Deus”, que elimina a mediação pelo grupo, ou por qualquer outro ser humano, oferecendo uma organização de vida social para aqueles que querem “abandonar uma mentalidade tribal asfixiante”.

O jornalista vê no cristianismo algo que só se passa nos sonhos mais fervorosos dos combalidos marxistas ou sociais-democratas: a capacidade de libertar os africanos da mentalidade comunal e supersticiosa que reprime a individualidade. Parris critica a “mentalidade rural tradicional” por alimentar “‘manda-chuvas’ e gangsters políticos” em cidades africanas que ensinam “um respeito exagerado” por um “líder presunçoso” que não deixa espaço para a oposição.

Antepondo-se a um relativismo falso e pernóstico, ele encerra o texto dizendo que somente os bens materiais e conhecimento não são capazes de propiciar o desenvolvimento e a mudança de que a África necessita: “Todo um sistema de crenças tem primeiro de ser suplantado”. Sabedor de que qualquer cultura será afetada pelo conhecimento de novos códigos morais, ele adverte que retirar o evangelismo cristão da “equação africana” poderá “deixar o continente à mercê de uma fusão maligna da Nike, do feiticeiro, do celular e da catana [um tipo de espada].”

Adaptação de reportagem de Ethan Cole (Christian Post)

*****

Pedras não apenas rolam. As pedras falam, clamam e gritam pelo verdadeiro cristianismo: a religião do amor em prol da liberdade intelectual, moral e espiritual. Matthew Parris é um ateu tocado pelo testemunho pessoal de vidas que espelhavam o Cristo genuíno. Costumamos separar estranhamente a fé da vida. Reservamos a fé para os momentos de comunhão e a vida para tudo o mais, quando deveríamos, em tudo, pôr a nossa fé. Nós proclamamos a liberdade quando, na verdade, aprisionamos a fé numa cela devocional e saímos para uma vida que não reflete a fé que outorgamos. Aliás, uma vida assim não expressa o tamanho da fé, mas a negligência com que a consideramos.

O cristianismo não nos liberta para o pecado, não nos liberta para a comercialização da fé. O cristianismo nos liberta para a transcendência do ambiente cultural, para a superação das hostilidades regionais e para a realização da obra divina que restaura a dignidade em cada ser humano. Liberta-nos, até mesmo, do "ismo" do cristianismo.

O cristão declara sua fé não pela força dos mísseis, não pelo fogo inquisitório, não pelos decibéis gospel. Mas pela fé gentil e consciente, pelo caráter de retidão moral e de justeza e pela compreensão do elevado papel daqueles que aceitam ser discípulos de Cristo na Terra e herdeiros da eternidade.

Comentários

Marcelo disse…
Quando Deus entra em nossas vidas o mundo fica diferente, as nossas prercepçõe mudam, existe uma alegria em nosso ser,nos tratamos as pessoas difrerente e recebemos melhor os impactos da vida.

eu ouvi um sermão hoje onde o irmão dizia "você já vive hoje do mesmo jeito que vai viver no céu? do mesmo jeitinho que enoque viveu, 300 anos com Deus, e Deus o tomou para sí? com a mesma mansidão de coração que Moises aprendeu a viver?"
Anônimo disse…
O "Marcelo" disse no comentário:

"Quando Deus entra em nossas vidas o mundo fica diferente, as nossas prercepçõe mudam, existe uma alegria em nosso ser,nos tratamos as pessoas difrerente e recebemos melhor os impactos da vida."

Incrível, o álcool causa as mesmas sensações, essas mesmas aí descritas acima. Uau!

O que me pergunto é se as pessoas estão procurando a virtude para viver com Deus, elevar o espírito através da fé, da razão e da ação, ou apenas se embriagando de religião para esquecerem os seus problemas. Aliás, no céu vai tá tudo resolvido, isso é lindo!

Alcoólatras! Isso é um problema!

Raulison Mendonça!
joêzer disse…
raulison,
se você quiser comparar os efeitos do álcool sobre a mente e o corpo com o impacto de uma mudança real causada pelo cristianismo, isso fica a seu critério.

você já se preocupou se as pessoas que assistem a innexo querem ouvir suas letras ou estão lá para dançar e esquecer seus problemas?
pois é. alguns querem ouvir as letras, outros o som, outros esquecer os problemas por um instante. viu como é fácil simplificar e fingir que não entendemos?

abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta