Pular para o conteúdo principal

a terra santa e os homens de má vontade

Imagine que sua família esteja morando num condomínio há três gerações. Imagine que, embora o espaço seja pequeno, sua família tenha que, de uma hora para outra, dividir o condomínio com um grupo de famílias que morava em outra cidade. Imagine, então, que as novas famílias recebam um grosso financiamento do governo. E que agora você e sua família tenham que sair de onde moram porque vocês não são dignos de habitar no condomínio dos ancestrais das novas famílias. Imagine que na parte do condomínio em que você mora não entra comida, remédios e roupas. Multiplique sua família por 1,5 milhões de pessoas. Esse é o número de pessoas enjauladas em Gaza, a maior prisão a céu aberto do mundo.

Desde sua fundação arbitrária em 1948, o Estado de Israel jamais trabalhou pela paz ou teve boa vontade para com os palestinos. Ao contrário, acusa-se Israel de usar os meios mais vis para exterminar uma população inteira, para levar adiante um projeto que não pode ter outro nome a não ser o da limpeza étnica (?!). Parece inacreditável que o governo israelense venha atacando os palestinos da Faixa de Gaza quando, não faz muito, o povo judeu foi cruelmente atacado pelos nazistas. Construção de muro de segregação, bombardeio de escolas e universidades, impedimento da entrada de imprensa e até de ajuda humanitária.

Se fosse o contrário, palestinos cometendo uma chacina em Belém, o clamor internacional ressoaria por todas as rádios e TVs do mundo. Mas, infelizmente, o que se vê até agora é uma imprensa silenciosa, coadunada com a opinião calcificada de que qualquer crítica a Israel é mostra de anti-semitismo.

Os palestinos do Hamas decerto cometeram e cometem assassinatos, são adeptos do vil terrorismo e não se pode concordar jamais com o lançamento de mísseis sobre cidades israelenses. O Hamas nem sequer reconhece a existência do Estado de Israel. Porém, o governo de Israel (reforço que não se trata de medidas do povo judeu, mas de uma orientação oficial histórica do seu governo) já expulsou 750 mil palestinos, convertendo-os em refugiados e impedindo o retorno deles, apesar das resoluções da ONU.

No artigo “Israel e suas bombas nunca quiseram a paz”, Haim Bresheet, professor da Universidade de East London, afirma que “desde 1967, Israel fez tudo que algum Estado poderia fazer para tornar impossível qualquer solução política: colonizou por vias ilegais territórios ocupados por via ilegal e recusou-se a acatar os limites de antes das invasões de 1967; construiu um muro de apartheid; e tornou a vida impossível para a maioria dos palestinos. Nada, aí, faz pensar em esforço de paz. Antes, é operação continuada e sistemática para a limpeza étnica dos territórios palestinos ocupados ilegalmente”.

Para o veterano jornalista israelense Uri Avnery, autor de uma carta aberta a Barack Obama, o governo de Israel rejeitou a negociação da paz e prefere agir militarmente porque se tornou um Estado militarista, dotado de uma arrogância típica de uma potência ocupante.

A Bíblia conta a história de Sansão, líder hebreu que esqueceu as atribuições de liderança outorgadas por Deus e foi fazer intriga com os filisteus que habitavam em Gaza. Suas peripécias contra seus inimigos retratam a imagem de um homem distante de Deus: táticas terroristas como queimar plantações e demonstrações de força como arrancar o portão de uma cidade revelaram a ineficácia das ações do homem mais forte do mundo.

Prepotência, auto-suficiência e sujeição aos instintos eram os males de Sansão. Arrogância, preconceito e inimizade são os males do Israel contemporâneo.

E nós, os ocidentais, cujos líderes exigem o cessar-fogo em Gaza como quem pede um favor ou uma pizza? Nós, cujos presidentes fecham os olhos para o genocídio em nações sem petróleo e sem filosofia judaico-cristã, como Ruanda, Somália e Palestina? Nós, que nos emocionamos com os filmes sobre o terrível Holocausto perpetrado contra os judeus e não nos comovemos quando se trata do massacre israelense contra os palestinos? Nós que esquecemos rapidamente dos terríveis ataques palestinos aos judeus?

Há ainda aqueles que utilizam a Bíblia como um documento cartorial que concede sesmarias aos donatários judeus, fazendo com que a outrora terra prometida se torne uma terra pró-sionista. Enquanto a tragédia for encoberta com o véu da grande e da pequena mídia, enquanto os líderes de um lado e de outro estiverem cegos pelo olho por olho, enquanto ambos os povos não trocarem a guerra santa pelo santo diálogo, enquanto as outras nações ficarem paralisadas assistindo a morte de crianças, não haverá possibilidade de coexistência pacífica.

Só haverá a imagem de uma terra santa sem paz e a aterradora presença de homens de má vontade.

Acima, foto tirada por celular. Enviada pelo prof. Said Abdelwahed, de Gaza, Palestina para o blog Moments of Gaza .

Comentários

viveuda w araujo lima disse…
Isto me deixa triste, pois sabemos que eles nao se em portam com as vidas das pessoas que vivem lá.
E pensar que esta guerra toda é so por causa da riqueza do lugar. Em que o homem se tornou...Deus deve ficar muito triste ao ver a humanidade!!!!!!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta