Pular para o conteúdo principal

a casinha de bonecas do Bial

Janeiro é o tempo das dietas e chuvas de verão. Até que as águas de março rolem por baixo da ponte, muito big brother vai despontar para o anonimato, como o cro-magnon Kleber Bambam, ou alterar o nome de guerra, como Grazi Massafera, agora Grazzi com dois "Z", de zapear de canal, de zero talent ou de zzzz. Pra mim tanto fazz como tanto fezz.

Eles e elas suportarão vergonhas e vexames estoicamente. Mesmo porque vexame, inibição e senso de ridículo são vocábulos ausentes do idioma dos moradores da casinha de bonecas do Bial.

Pedro Bial, que trocou as acelaradas reportagens internacionais pelo piloto automático de mestre de cerimônias da encenação da realidade (esta é a tradução certa de reality show), revelou-se o anfitrião da casa de bonecas perfeito para narrar as fantásticas peripécias de acasalamento de anônimos, para alcovitar as estrepolias eróticas de desocupados, para realizar-se como Guia deste inferno dantesco que assola o verão. E paro por aqui, que estes adjetivos já estão parecendo com, sei lá, umas crônicas do Bial, e já estou até ofendendo a memória de Alighieri e sua comédia divina.

Mas, afinal? O que querem esses jovens belos sarados brincando de casinha na TV? Um milhão de reais? Duvido. Dê 10 reais por dia e peça troco que, ainda assim, estes mancebos e donzelas são capazes de ficar zanzando pela telinha por mais tempo que o Chaves. Eles só querem fama; dinheiro não traz felicidade. Pergunte à multidão de ex-BBBs: eles só queriam a aprovação do respeitável público.

Os concorrentes do venerável programa são atraídos pelo canto mavioso da sereia-fama, ainda mais se esta vier acompanhada da sereia-grana e, oh yes, da sereia-cama. Lembrando que a ordem das sereias não altera o produto: ou ele viverá a insuportável rotina de quem-é-esse-cara-mesmo?, ou eles animarão baile de debutantes ou ela aumentará a coleção de cartazes da borracharia.

Mas não se irrite! Os habitantes da casinha do Bial são meros mortais exibicionistas. O problema é que pra cada exibicionista há 1000 voyeurs. À certa altura, os geniais produtores do programa fazem o BBBexibicionista, com todo o afeto que se encerra, olhar nos olhos do voyeur-diante-da-TV, despir-se dos pecados cometidos e implorar o perdão salvador do telespectador.

É assim que os anônimos desocupados dos dois lados da tela ganham reconhecimento. A futura ex-BBB, que nem tendo nem sendo, vira celebridade porque parece "ser", e o "interativo espectador", que se sente reconhecido por ter escolhido e votado no exibido que lhe apetece.

republicação de postagem de janeiro de 2007, com leves alterações porque não há de novo debaixo do sol e dentro da tv.

Comentários

Victor Meira disse…
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Jael Eneas disse…
Perfeito e ao Ponto.

Mais uma "Casinha de Bonecas" para 15 models, sem inovações, pilotada pelo B, de Bial.

Para um BBB mais proveitoso, os personagens deveriam viver para transformar a realidade e, não fazer da realidade plataforma de encenação, pura e simplesmente.

Para tanto, o primeiro B seria de "Bom Senso", contracenando com o B da "banalidade". Caras e Bocas a serviço do banal "cult".

O segundo B, o da "Beleza", entraria em palco para se opor ao B, do "barato inconsequente". Na verdade, criar é perceber o belo pelas avenidas da alma.

E, por último, o B de "Brilho" atuaria contra o B de "babilonismo", loucura e escuridão existencial. Nas versões de TV a Cabo, muitas vezes o B de Baco reina absoluto, sob câmeras escondidas.

Oxalá, que nas próximas chuvas de janeiro mais pessoas optem em viver o Verdadeiro BBB: Brilho, Beleza e Bom Senso.

Só a Esperança Reluz.

Abraço

Jael Eneas
www.jaeleneas.blogspot.com
joêzer disse…
mister jael,
entre o belo e o Belo (aquele, humpf, cantor), as tvs têm preferido o segundo.
um B de bravo para seu comentário!
Victor Meira disse…
Fui censurado?
joêzer disse…
você, não, meu caro. suas ideias significativas sempre serão publicadas aqui.
fui fazer uma experiência na seção de comentários do blog e calhou de ser o seu comentário (como o seu comentário tinha uma palavrinha familiar, mas não-lá-muito-de-família para 99% dos meus leitores -rsrs- aproveitei pra fazer o teste).
tenho o comentário na minha caixa de e-mails, mas não consigo publicar com o seu nome de volta; coisas do analfaweb aqui.
Victor Meira disse…
Hahaha, tudo bem, numa boa.
Loren disse…
Tão triste acreditar que até a Unb já faz Doutores BBBs.
Como lingüista senti-me muuuuito mal representada e envergonhada!
O que pode haver de mais nocivo pra um povo que um pseudo-intelectual?
Como a competidora, eu reconheço ser fútil muitas vezes. (Não sou Doutora) mas que Doutor consegue viver numa casa daquelas sem começar a babar?! Ai!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta