Pular para o conteúdo principal

os mitos do rock in africa


Durante muitos anos, a comunidade evangélica ouviu sermões e palestras anti-rock que argumentavam que:


- o diabo é o pai do rock;
- o rock mata plantas;
- o rock leva os ouvintes ao frenesi sexual.


Esses itens, originários de declarações de roqueiros (Raul Seixas dizia que satã gerou o rock) e de experimentos científicos ainda controversos, fazem parte das objeções moralistas em relação ao rock. Mas o que há de verdade nisso tudo?

Sou dos que concordam que o rock e suas tantas variações não cabem no louvor congregacional dos templos, mas acredito que são necessários melhores argumentos para criticar seu uso como ferramenta evangelística ou até como entretenimento evangélico.

Começo com a primeira objeção, a demonização do rock.

Os detratores do rock continuam a contar uma historinha que já virou mais uma lenda urbana evangélica. Se você ainda não conhece: “Em alguma região da África, o filho de um missionário estava certo dia escutando um disco de rock. Um nativo daquela tribo, visivelmente aterrorizado, correu a perguntar ao pastor como ele permitia que seus filhos ouvissem uma música usada para invocar demônios em rituais de vodu”.

Segundo descobriu Al Menconi (citado por Steve Miller em Christian Music Debate), a gravação era “uma produção do início dos anos 1970 que incluía canções como ‘He’s everything to me’ e ‘When the roll is called up yonder’” – este último é o hino “Quando for chamado”. Menconi concluiu que, se essas músicas são demoníacas, “ou os nativos se confundiram ou milhões de cristãos estão adorando com música de possessão satânica – o que não é possível” (Today’s music, p. 40).

Apesar dos diversos furos no roteiro, esse conto folclórico é tido como “a prova” de que o rock é coisa do capeta, sendo um meio inviável de transmitir o evangelho. “Rock gospel” seria, então, uma contradição,  um oxímoro, isto é, uma junção de termos inconciliáveis tipo “suaves prestações”.

Noutra história, um missionário fez uma experiência musical numa "incivilizada" região da África. Quando seu aparelho de som tocava música clássica, os homens da tribo sorriam e indicavam em seu idioma que o som era agradável para eles. Mas quando ouviram rock, os nativos reagiram empunhando suas lanças como se fossem lutar e pegaram pedras para destruir o aparelho.

Não demorou para que os contadores dessas histórias fossem acusados de preconceito racial. Sua rejeição ao rock incluiria também, além das objeções morais, o odioso racismo. Eles consideravam a música dos povos africanos (geralmente enxergados como uma massa continental única e sem variações étnicas e culturais) como primitiva, selvagem, pagã, demoníaca, inspirada pelo vodu.

Fato: em várias culturas africanas tradicionais, os tambores também são usados em outras atividades como o trabalho ou o lazer. Pergunta: por que o cristão ocidental associou os tambores unicamente aos cultos religiosos africanos? 

Acostumados à sofisticação harmônica e contrapontística da música clássica europeia, os oponentes do rock opunham-se por tabela à música de raiz africana, demonstrando ignorar que a complexidade dessa música era de outra ordem. No caso, de ordem rítmica. Fingiam ignorar ainda a bonita simplicidade melódica daquela música, cuja base frequentemente serviu às apreciadas melodias de black spirituals e canções gospel do final do século XIX.

Os povos africanos também reagem, segundo essas histórias, somente de acordo com um estágio primário de comportamento musical. Ouvem uma música e reagem gostando. Ouvem outra e reagem brigando. Assim, se até os “pagãos incivilizados” reconhecem o suposto mal inerente do rock, como os civilizados cristãos ocidentais poderiam negá-lo? Essa conclusão soa como música para os ouvidos dos religiosos apreciadores da música erudita europeia.

Se somarmos a questão de que a batida quadrada do rock nada tem a ver com a intricada teia percussiva do vodu, aí é que fica mais difícil saber o que é fictício nessas histórias: se as conclusões ou as próprias histórias.

Então, num exercício ficcional, vou tentar adivinhar quais as músicas que o missionário usou no experimento:

Ele pode ter tocado um disco dos Beatles. Mas que música? "Hey Jude"? "Yesterday"? Não, ou os nativos poderiam sair apaixonados direto para suas tendas. "Eleanor Rigby" ou "A day in the life"? Não, elas têm orquestração muito sofisticada, iria parecer música clássica e os nativos poderiam ficar elogiando o arranjo para o naipe de cordas. Bem, certamente aqueles não eram nativos que amavam os Beatles e os Rolling Stones.

Será que eles condenariam os deuses do mau-gosto ao ouvir o "aê-aê-ô-ô" do axé? Também não creio que a vitrola desse experimento tocou "I will survive", hit da disco music; seria muita irresponsabilidade científica!

Mas o missionário pode ter tocado a 5ª Sinfonia de Beethoven ou o "Dies Irae" do Réquiem de Verdi. Hum, não, as notas iniciais espantariam os pobres ouvintes selvagens. Melhor tocar um concerto de Mozart, dos mais calmos. Talvez a tapeçaria orquestral de alguma música de Debussy – seus delicados mas dissonantes acordes levariam os nativos às lágrimas ou às armas? (clique nos exemplos sublinhados para ouvi-los).

E se depois ele tocou um punk do Sex Pistols ou um metal do endiabrado Ozzy Osbourne? Penso que só a menção desses nomes já faz desmaiar de horror muita gente, incluindo este escriba. Nesse caso, quase dá para acreditar que as tribos-cobaias do experimento iriam ficar em pé de guerra. A menos que algum nativo engraçadinho gritasse “Toca Raul!”.

leia mais:

Comentários

Vanessa Meira disse…
Muito bom.
Eu já tinha essas suspeitas "desde o princípio" heheh

"Toca Raul" ao final foi hilário.
Georges disse…
E o Ilariê, hein...
Anônimo disse…
Devo entender que o articulista defende o rock como linguagem apropriada para comunicar as riquezas de Cristo através do evangelho....
O rock de;
- Raul Seixas
-Elvis Presley
- Metallica
-Guns'n Roses
-Marilyn Manson

Se a música é uma expressão artística que surge como reflexo do interior humano, poderíamos dizer que esses "personas non gratas" não servem como difusores de uma obra compatível ao evangelho.


Evanildo Carvalho
joêzer disse…
evanildo, meu caro,
você pulou essa parte do texto?: "Sou dos que concordam que o rock e suas tantas variações não oferecem uma adequada serventia ao louvor congregacional, mas acredito que precisamos de melhores argumentos para criticar seu uso como ferramenta evangelística e como entretenimento evangélico".

viu lá? digo que o estilo não é apropriado, mas discuto os argumentos falaciosos contra o rock.
lembre-se que mozart, richard wagner, tchaikovsky, paganini, liszt, chopin, nenhum destes, tirante sua genialidade musical e ressaltando apenas os lados "sombrios" de suas personalidades, não seriam referências musicais para a difusão do evangelho também.
segue o debate
abraço
Victor Meira disse…
Viva o Rock!
André Reis disse…
põe lá no nosso esquema...
"- o diabo é o pai do rock;"
Não, são os próprios cristãos. Se estavam sobre influencia de satanas ou nao, ai é outra questão.

"- o rock mata plantas;"
Mythbusters - Os Caçadores de Mito mostraram que não. Pelo contrário, quanto maior a vibração, mais as plantas se desenvolvem.

"- o rock leva os ouvintes ao frenesi sexual."
Depende da música. E não que levam, mas sugerem, provocam.
"- o diabo é o pai do rock;"
Não, são os próprios cristãos. Se estavam sobre influencia de satanas ou nao, ai é outra questão.

"- o rock mata plantas;"
Mythbusters - Os Caçadores de Mito mostraram que não. Pelo contrário, quanto maior a vibração, mais as plantas se desenvolvem.

"- o rock leva os ouvintes ao frenesi sexual."
Depende da música. E não que levam, mas sugerem, provocam.
Vale também lembrar que rock não é uma patente.

"as notas de algo que foi rock" será eternamente rock.
Tudo depende da orquestração, interpretação, estilo da apresentação etc.

Tem gente que acha que pegar a melodia de algum rock e tocar num piano... ops e já é coisa do D.
joêzer disse…
evandro,
eu não conhecia essa experiência dos MythBusters, vou procurar. valeu!
Caro Joêzer,

Muito bacana sua forma de escrever. Light e fundamrntada.
Sou apaixonada por rock in roll (tenho minhas preferências obviamente) e tudo que refere-se à música e a rock me prende. Seu blog tem muita qualidade. Também, fazer doutorado em música deve ser "massa né"? Já viu, sou baiana (rs).... Mas não fiquei ofendida com a referência ao axé não viu? rs - é isso! Pra não perder o velho e bom costume: Toca Raul!
joêzer disse…
valeu, lucy...,
o doutorado é bom, mas pena que eu não posso escrever lá do jeito que eu escrevo no aqui blog. rsrs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta