Pular para o conteúdo principal

o sensacionalismo nosso de cada manchete

Quando algo de extraordinário acontece é porque sempre há um editor de manchetes por perto. Todo ano, milhares de pessoas morrem por obra de motoristas bêbados, mas a manchete mais destacada será para o motorista que ocupa um posto público ou para quem é celebridade. O anônimo terá que estar envolvido em acidente gravíssimo, logo, extraordinário, para ser manchete. Dessa forma, ele se torna um anônimo que virou exceção.

Milhares de pessoas assistiram ao filme Avatar e voltaram para casa, jantaram, dormiram e foram trabalhar nas manhãs seguintes, talvez comentando com um e com outro sobre os efeitos visuais do filme mais espetacular de todos os tempos da semana.

Mas, eis que, como demorou tanto?, o noticiário avisa: Homem morre depois de assistir Avatar em 3-D. O caso, acontecido na China, é triste e trágico para o homem e para a família, acreditamos. De outro lado, sites (eu soube pelo Yahoo! Notícias), blogs, jornais, revistas se fartarão de leitores que se espantarão com o fato. Os mais precipitados julgarão o feito técnico do diretor-produtor James Cameron como um caso típico de assassinato culposo. O Extra! Extra! correrá o globo. Mas esse corre-corre não passa de lero-lero.

Continue lendo

Comentários

Evanildo Júnior disse…
esse sensacionalismo dá nojo e irrita, muito!
Anônimo disse…
Sensacionalismo é a ditadura das sensações. Das sensações de busca pela satisfação, apego à especulação, uma paixão desmedida e quase esotérica pelo desconhecido, ou semi-conhecido...
Realmente é campo fértil para muitos com mentalidade de escritor de livro estilo Ágatha Christie, Sherlock Homes...no campo cristão-adventista isso impede muita influência sadia de se desenvolver plenamente...


Evanildo Ferreira de Carvalho
joêzer disse…
puxa, evanildo,
logo a Agatha Christie e o Conan Doyle. rsrs
Rsrsrsrsrs... Adorei o Agatha Christie e o Arthur Conan Doyle, Joêzer. O seu tato é tocante!

Só vou tentar mais uma vez abrir o link do "continue lendo" pra tentar entender o porquê de o sensacionalismo nosso de cada manchete ser sensacional. Tô completamente por fora das fofocas do mundo.
joêzer disse…
vivi, o link do site Outra Leitura está com outro título lá: o leitor de manchetes

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta