Pular para o conteúdo principal

a religião de todos os dias

Noutro dia vi o seguinte slogan: Mais Deus e menos religião.

Talvez quisessem dizer que:

1) A religião tem um currículo de perseguições e intolerância, o que permitiria às pessoas atacarem-na como o pior dos males que afligem o homem. Deus, ao contrário, não estaria presente na religião, pois sendo Deus amor, e a religião o oposto do amor, logo Deus é melhor que religião.

2) A religião estaria reduzida ao ritualismo formal, o que obstrui a aproximação do indivíduo desejoso de ser mais amigo de Deus. O formalismo impede o contato mais íntimo, mais caloroso, mais emocional com a divindade e, sendo Deus o Pai de todos, o ritual só apresenta Deus em símbolo abstrato, nunca como o Pai que abraça o filho.

A toada queixosa contra a religião pode ocupar todos os megabytes do Gúgol e ainda vai faltar espaço. Acontece que a noção de religião passou a ser confundida com a noção de igreja. Acontece que os lobos e lobistas em pele de cordeiro andam aos bandos iludindo quem quer e quem não quer ser iludido com falsos milagres e promessas de prosperidade. A religião passou a receber os epítetos de “vã, falsa, ilusória, autoritária, cega, antiquada, enganadora, covil de ladrões, castradora, repressora, raiz de todos os males”.

Ora dizem que a religião é manca, ora dizem que ela é uma muleta. Quando lhe pespegam dois predicados excludentes como esses é que algo está errado ou com a religião ou com seus críticos (ou pelo menos com a formulação de suas frases). Se a religião é manca, ela não pode ser a muleta. Ela na verdade precisa é de uma. Se ela é muleta, então ela é própria para nós, coxos pecadores.

Nem Javé escapou, aliás, nunca escapou, dos reclamos e acusações de autoritarismo e logo atribuíram a Ele mesmo a culpa pelo pecado do lado de baixo e do lado de cima do Equador. Daí para atacá-lO é só uma vírgula. E atacam-nO como se acreditassem que Deus existe. Vestem o Criador com as podres carapaças da criatura caída, veem maldade onde há um plano misterioso e belo de redenção.

Para tirar Deus dessa “enrascada”, então os próprios religiosos passam a pregar menos religião e mais Deus. Eu, porém, nos recomendo outro slogan: Mais Deus NA religião.

Cristo, e não a religião, é o caminho, a verdade e a vida. Não se chega ao Pai por meio da religião, mas por Cristo. No entanto, não devo mandar o cristianismo para o purgatório de Dante. Não é necessário recriminar a religião por causa dos maus cristãos, muito embora sempre tenhamos o conveniente hábito de elogiar o cristianismo quando vemos as boas aparências de um bom cristão na sã doutrina.

Insisto: Mais Deus na religião. Mais Deus no cristianismo. Não preciso abandonar a igreja porque dou de cara com hipócritas na saída do templo. Preciso primeiro enxergá-los quando me olho no espelho antes de sair de casa para o templo.

Necessitamos urgentemente praticar a única religião pura e sem mácula para com Deus: confortar os órfãos e as viúvas em suas tribulações e guardar-se incontaminado do mundo (Tiago 1: 27 – aproveite e experimente ler desde o versículo 19, com o título de “a prática da palavra de Deus).

Hoje, quinta-feira 21, é o de Dia da Religião. Praticar a palavra de Deus é a religião de todos os dias. Confortar os necessitados e manter-se incontaminado da corrupção do mundo é a religião que traduz um Deus que é amor.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta