Pular para o conteúdo principal

a fábula de Sir Ney

Trabalhei em São Luís por alguns anos e vi de perto o sentimento de “gratidão” que os ludovicenses têm pelos governantes que deram continuidade aos índices mais baixos de desenvolvimento do país (e olha que o Estado do Maranhão era a 4ª potência econômica no Brasil Império). Depois do recente caso do senador que utilizou helicóptero da Polícia Militar para passear com a família, depois "de tanto ver prosperar a injustiça", resta-nos contar mais uma fábula menor de moral mínima.

As fabulosas façanhas do fidalgo Sir Ney

Em tempos imemoriais, vivia o fidalgo Sir Ney, barão das províncias de Big Maranha, lorde de MacApah. Sir Ney jamais foi visto com o péssimo hábito de criticar a realeza. Tal cousa espantosa se dava pelo simples fato de que Sir Ney sempre estava ao lado de quem detinha o cetro, amparando os monarcas, ele que monarca já havia sido, com suas academicamente imortais palavras de philantropia e lealdade.

O apreço de Sir Ney era tido em alto preço entre os membros da nobreza, cada qual desejando auxiliá-lo desinteressadamente em suas necessidades de locomoção, às vezes por meio do empréstimo de uma singela carruagem movida à hélice.

Com o nobre dever de assegurar a sobrevivência de sua nobre casta, Sir Ney tinha o nobiliárquico costume de partilhar cargos e terras. Um castelo para o mais moço, uma ilha para a princesa herdeira, uma corte para o genro mais chegado que um irmão.

Por causa disso, alguns de seus detratores dizem que vem daí o termo nepotismo, do original “neypotismo”.

Entretanto, estimado webleitor, não caia em tais artimanhas que ensejam apenas e tão-somente o opróbrio de tão rico homem. Pois veja que, em louvor às incontáveis benfeitorias à população, os logradouros públicos receberam o privilégio de ostentar o brasão e o nome da casa de Sir Ney. Em muitas terras cristãs, mantêm-se a tradição de rezar em nome do Pai, do Filho e do Espírito. Nas terras de Sir Ney, porém, reza-se em nome do pai, do filho, da filha, do irmão, do genro...

Mas isso não passa de ironias afônicas dessas deturpadas invenções modernas, como a internet e a imprensa, que andam a espalhar que Sir Ney fez muito para a pobreza, mas pouco pelo pobre.

Moral mínima: ouviste que os antigos falavam em “dar a César o que é de César”. Pois desde os antigos já se fala em “toma lá o que não é meu, dá cá o que é de César”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta