Pular para o conteúdo principal

o ministro de louvor segundo o coração de Deus

De 1910 a 1930, Homer Rodeheaver era o diretor musical do pregador itinerante Billy Sunday. Trinta minutos de música antes do sermão, músicas animadas e de fácil aprendizado, grupo de cantores junto com o regente de louvor: Rodeheaver cunhou um formato litúrgico-musical que não perdeu fôlego até hoje. Ele também foi pioneiro na gravação de música cristã. 

O ministério de música foi criado bem antes de Homer Rodeheaver. E o rei Davi foi um ministro de música. Ele era compositor, poeta, harpista e ainda recebeu a missão divina de organizar a música do templo que viria a ser construído por seu filho Salomão.

Imagine alguém que possa comandar um exército em batalhas campais e também dedicar-se a escrever versos de beleza perene. Pois esse era Davi, um guerreiro-poeta. Sem se descuidar das ovelhas que guardava na juventude, ele também passava horas com sua harpa. Quem sabe fabricando suas primeiras canções. Não sobrou nenhuma canção sua para ouvirmos hoje. Mesmo assim, elas deviam ser boas e agradáveis, pois chamaram a atenção dos assessores do rei Saul.

Quando Saul precisou de um músico que lhe acalmasse os ânimos, Davi foi recomendado sem restrições. Veja que antes de ser guerreiro e rei, Davi foi também o primeiro musicoterapeuta de que se tem notícia. Mas não foram só as qualidades musicais de Davi que o recomendaram. Até porque Davi era só um jovem iniciante, um músico do campo, sem intimidade com os corredores de palácios.

Em I Samuel 16:17, Saul pede apenas que lhe tragam “um homem que saiba tocar bem” uma harpa. No versículo seguinte, há uma descrição das características do futuro ministro de música de Israel: “Conheço um filho de Jessé que sabe tocar, é forte e valente, homem de guerra, sisudo em palavras e de boa aparência; e o Senhor é com ele”.

Houve um tempo em que ser o solista ou o pianista não era suficiente. Tinha que ter coração valente e ser senhor das armas. Se bem que, considerando o “boa aparência” do currículo, nem tudo mudou.

Davi era visto como um jovem sensato no falar, alguém que usava as palavras com prudência. Isso pode se referir a sua fala comum, mas também poderia se referir ao trato judicioso e sábio com as letras e versos que colocava em suas canções. Além de poemas e canções, o ministério musical requer canções e poemas sensatos.

Por fim, o mais importante: o Senhor era com ele. Como sabiam que Deus era com Davi? Por sua música, pelos atos de Deus na sua vida, por seu caráter? As pessoas reconhecem essa característica em nós que lidamos com a música nos cultos? Para que as pessoas de sua comunidade religiosa não venham apenas a elogiar sua habilidade musical (“ele/a toca/canta bem”), nem somente sua competência poética (“ele/a escreve bem”), os dirigentes de louvor e músicos cristãos precisam andar em humildade com Deus. Precisam pedir, como na canção de Lineu Soares e Mário Jorge Lima: “usa-me conforme o Teu querer, meu Deus  (...) dá-me a tempo e a hora o que deverei dizer / vem limpar o meu coração”.

Ministrar a Palavra é para os pastores, ministrar a Palavra cantada é para os ministros de louvor. Para ser de fato um ministro, não basta entender da teoria musical e da organização da liturgia, mas sobretudo é preciso coragem e sensatez para ministrar músicas de ânimo e de reflexão, canções de alegria e de contrição, hinos que quebrantem o espírito, lembrem da salvação e nos motivem a seguir a jornada cristã.

Isso tudo pode ser feito por qualquer pessoa bem-intencionada e educada musicalmente. Mas só de um ministro de louvor segundo o coração de Deus poderão dizer o que realmente importa ao céu: “o Senhor é com ele”.

Comentários

Felipe Silvestre disse…
Se Deus é por nós, quem será contra nós? Deus era com Davi, então essa"Graça" já era mais que suficiente, sem contar com as outras qualidades mencionadas a respeito de Davi. Hoje o musicista, instrumentista, cantor, deveria buscar ser como Davi. Não só o louvor, mas a espiritualidade ia crescer em graça. Belo post Joezer!
Ká e Sam disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ká e Sam disse…
Olá..... tomo aqui a liberdade colocar um posto publicado pelo Pr.Neumoel Stina no facebook:

"Neumoel Stina
Este é um princípio que deve, juntamente com alguns outros, nortear a adoração, tendo a pessoa de Cristo como centro.
O importante da música de adoração é que ela nos conduza ao mais nobre e melhor, que é Jesus.
A música de adoração deve ter um equilíbrio entre os elementos espirituais, intelectuais e emocionais.
A música deve nos conduzir aos pés da cruz.
Tenham todos um ótimo dia."

Um Bom Dia!!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta