Pular para o conteúdo principal

se eu quiser falar com Deus: MPB e canção cristã

A religião também está presente na música popular brasileira. Em suas músicas, os compositores revelam seu modo de entender os assuntos sagrados. Nos anos 90, Gilberto Gil escreveu a canção "Se eu quiser falar com Deus" e entregou ao cantor Roberto Carlos. Este se recusou a gravá-la alegando que não concordava com a maneira de se relacionar com Deus descrita na letra.  

Anos depois, Mário Jorge Lima, compositor e teólogo adventista, compôs "Se eu quiser falar com Deus", uma espécie de explicação doutrinária sobre a oração, sobre a comunicação com Deus, que também funciona como resposta elegante no campo musical e hermenêutico à canção de Gil. A diferença entre as canções está menos na parte estritamente melódica do que na parte teológica, isto é, na compreensão de cada compositor sobre a relação entre o homem e Deus. 

Enquanto a inegável força poética da canção de Gilberto Gil deixa entrever a dúvida e a ambiguidade e, ainda, uma visão de abandono e autossuplício como parte da caminhada para se chegar a Deus, Mário Jorge Lima utiliza versos de uma forma didática para explicitar uma maneira mais acolhedora e simples de relacionar-se com Deus. Ora, vejam: um compositor de excelência como Gil complica a relação do homem com Deus de um jeito que só certos teólogos eruditos conseguem; e o erudito Mário Jorge Lima simplifica esse relacionamento de um jeito que só certos compositores populares são capazes.

A revista de teologia Kerygma, do Unasp - campus 2 (Centro Universitário Adventista de São Paulo), publicou um artigo de minha autoria em que descrevo as distinções de pensamento e interpretação teológica dos dois compositores, Gilberto Gil e Mário Jorge Lima. Para entender melhor, você pode acessar o artigo nesse link da revista: 

Nota: no começo do artigo falo sobre a teomusicologia, tema e método da minha pesquisa no doutorado. Se quiser conhecer esse ramo de estudos, vá em frente. Se não, você pode saltar essa parte de justificativa metodológica e ler partes seguintes sem nenhum prejuízo ao entendimento geral do texto.


Comentários

Anônimo disse…
HI, I just joined this community. I m from pakistan. I like this forum.......hope to learn lot of things here ;-)





------------------------------------------------------------------------
My Online Poker Blog Online Poker For Poker details
Anônimo disse…
Hi thеrе, its fastiԁiοus post
on the toρic of mеԁіa pгint, we аll knоw media
is a imprеssiνe ѕouгce of facts.

Feel fгee to viѕit my ωеbρage classicmusicinfo.com
Anônimo disse…
Hello my familу member! Ι ωant to say that this article iѕ
awesome, great wrіtten аnd includе almoѕt all impοrtant infоs.
I'd like to look extra posts like this .

My site; BlackChipPoker Offer

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta