Pular para o conteúdo principal

retromania e a depreciação da música

"O passado não só não morreu, como ainda não passou", teria dito o escritor James Joyce. A moda de reviver os estilos musicais e performances do passado, o famoso "revival", confirma o que disse o autor irlandês. 

No Brasil, posso citar o atual revival da música sertaneja, que agora experimenta o sucesso popular que teve na virada dos anos 80 para os 90. Nos EUA, tem a Jennifer Lopez regravando uma antiga lambada do grupo Kaoma (Chorando se foi...) em ritmo de dance music. Só falta a Beyoncé gravar Pense em mim, chore por mim pra consolidar a globalização do brega!  

Por que temos a impressão de que um sucesso novo se parece com um sucesso antigo? O crítico de música Simon Reynolds acredita que todo movimento musical foi na fonte do passado buscar inspiração. Só que agora estaríamos num momento em que a inspiração é buscada num passado cada vez mais próximo. 

Reynolds também se mostra preocupado com a cultura digital, no sentido em que essa cultura facilita o acesso à música de graça. E o problema com a música grátis é que, na medida em que não há uma disposição física e financeira para conseguir ouvi-la, o ouvinte teria menos preocupação com o valor cultural da música.

Essas questões são levantadas no livro Retromania - Pop Culture's addiction to its own past, lançado recentemente por Simon Reynolds nos EUA, em que o autor examina o museu de grandes novidades da cultura pop, e vê essa cultura obcecada com seu passado. Reynolds comentou o assunto na entrevista concedida à Folha de S. Paulo (20/08/11, no caderno Ilustrada, por André Barcinski):

A escuta desatenta do público: "O problema de ouvir música via computador ou iPhone conectado à Internet é que o mesmo portal que está conectando você à música é também capaz de, simultaneamente, conectá-lo a milhões de outras coisas. Então, há uma tentação irresistível a clicar em outra coisa e fazer mais de uma coisa ao mesmo tempo – checar e-mails, baixar mais música, etc. Então você raramente está imerso apenas na música.

Publicações na web são criadas para desestimular o leitor a terminar de ler qualquer artigo, porque elas têm uma série de links coloridos e que chamam a atenção. As publicações não querem que você termine o artigo, porque querem o maior número possível de cliques. Quanto mais você pular de uma parte a outra, melhor para eles".

A depreciação da música: "A equação é simples: se você gastou dinheiro num bem cultural, seja um livro, revista, disco, etc., você vai gastar tempo tentando extrair o máximo dele. Se você gasta dinheiro com um CD, vai prestar atenção nele quando tocá-lo, e vai tocá-lo mais vezes. Se você obtém um CD de graça, na forma de downloads, você fica mais propenso a ouvir poucas vezes e de uma forma mais distraída. Você vai ouvir a música enquanto faz outras coisas no computador (chamam a isso de “síndrome de atenção parcial”), e você muitas vezes nem vai ouvir o disco todo.

Além disso, se você vive baixando muita música, como as pessoas tendem a fazer quando conseguem música de graça, é matematicamente mais provável que você ouça cada canção menos vezes. E muitos discos só começam a se revelar totalmente depois de repetidas audições.

[...] eu diria que a cultura digital se fundamenta na facilidade, e que a facilidade de acesso e o custo mínimo de aquisição têm levado a uma depreciação no valor da música e à degradação da experiência audiófila".

Comentários

Alessandra Dias de Oliveira disse…
ahhh espero que essa "síndrome de atenção parcial", seja o motivo que meus vizinhos, as pessoas q. passam de carro, nas lojas ... estejam ouvindo músicas de um ritmo tão constante e letras repetitivas e vazias. Espero que o dia q. elas pararem para ouvir, possam perceber o quão ruim é aquilo q.elas chamavam de "música".
Alessandra disse…
Ainda no mesmo assunto: o pior é q. tais pessoas realmente acreditam q. todos gostem daquilo q. ouvem. Principalmente as de fones no ouvido nos ônibus, naquela altura, nem precisava de fone....
joêzer disse…
alessandra, parece que a pior música é aquela que nos obrigam a ouvir.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta