Pular para o conteúdo principal

meritocracia ou meriTEOcracia


"Mestre, o que devo fazer para ser salvo?"
Há pessoas que fazem a pergunta com a esperança de receber uma receita pronta de salvação. Elas perguntam, e pensam adivinhar a resposta. “O Mestre vai dizer que é preciso um tanto de amor ao próximo e dez tantos de mandamento”.

O problema é que achamos que Jesus não vai contar com nossa astúcia. A resposta Dele é sempre mais profunda do que esperamos: “Vai vende tudo o que tens, dá aos pobres e segue-Me”. Ou então: “Você tem que nascer de novo”. Ou ainda: “A Minha graça te basta”.

Nossa sociedade está tão obcecada com a meritocracia, com o pensamento de que apenas os mais esforçados merecem prêmios e troféus, que muitos chegam a acreditar que a salvação é uma questão de esforço pessoal e crédito na praça. Há quem se apegue a ritos, a indulgências compradas, a leis cumpridas, a cerimônias entediantes, a teologias liberalizantes para garantir seu troféu. Melhor dizendo, sua coroa.

Mas isso é meritocracia aplicada à salvação. É buscar a justificação por meio da observância a rituais, obras caridosas ou símbolos com o intuito de obter favores divinos. Isso é pensar que minha música, meu serviço ou minha adesão a alguma igreja vai sensibilizar algum deus iracundo.

Esse é um princípio das religiões de magia: fazer algo para a divindade para que esta faça algo por mim. Se isso fosse válido para a religião de salvação, nós teríamos um Deus em reação à nossa ação. No entanto, a redenção estava planejada como uma solução para o pecado antes mesmo que o pecado entrasse no mundo.

Se um ser humano comum, mesmo o mais puro de todos, morresse como expiação pelo pecado da humanidade, então qualquer um de nós poderia salvar-se a si próprio. Isso é meritocracia.

Mas Deus amou ao mundo de tal maneira que entregou seu Filho à morte para que todos os que Nele creem possam ter a vida. Isso é meriTEOcracia. Os méritos do Filho de Deus justificando nossa total ausência de mérito.

Na religião mágica, o homem age e a divindade reage. Na religião bíblica, Deus age antes do homem. A meritocracia é o ser humano trabalhando em favor de si. A meriTEOcracia é Deus atuando em favor do ser humano. Na meritocracia, o pecador se declara justo, mas sua justiça não passa de trapos imundos. Na meriTEOcracia, não há “nenhum justo, não nenhum”, e ainda assim ele pode receber as vestes do “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”.

Por fim, a meritocracia aplicada à salvação usa a obediência à lei para salvar os seres humanos, enquanto a meriTEOcracia é graça.  A obediência é um resultado do reconhecimento da graça, é uma resposta aos atos divinos de salvação.

Ao ser humano, não cabe decidir quem é justo ou não. A preciosa graça, a excelsa graça, é que decide. A nós, cabe simplesmente o arrependimento e aceitação da graça pela fé. A explicação poderia ser muito mais complicada. Mas a graça é simples assim. Perdão se recebe, se aceita e fim. Pecado não se explica, pecado se paga, e Cristo pagou por mim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta