Pular para o conteúdo principal

o ano em que não fomos mais os mesmos

Música, tecnologia, guerra, direitos civis, religião: de tempos em tempos, o modo de pensar e agir sobre isso tudo muda. Se alguém quiser saber quando foi que nossa sociedade começou a ser do jeito que é hoje, é preciso recuar até 1962. Há 50 anos, deixamos de ser os mesmos.

Em fevereiro de 1962, John Glenn tornava-se o primeiro astronauta americano cruzando a órbita da Terra. O próximo passo seria a chegada à Lua e o resto é história (ou uma tremenda "estória").

A corrida espacial disputada por americanos e soviéticos era acalorada. Enquanto a isso, a Guerra Fria também esquentava naquele ano. Em 14 de outubro, um avião espião dos Estados Unidos fotografou quatro lançadores de mísseis em Cuba, desde a época, uma ilha comunista rodeada de capitalismo por todos os lados. O mundo prendeu o fôlego por 13 dias esperando o Armagedom atômico.  Só no dia 28, o premiê soviético Nikita Kruschev declarou que as armas seriam desmontadas, encaixotadas e enviadas de volta à União Soviética.

Enquanto o mundo respirava aliviado, a construção do Muro de Berlim, iniciada em junho, seguia firme. O muro era o lado concreto da divisão da Europa em dois blocos antagônicos.

O mundo do cinema não deixou passar esse tema em brancas bilheterias. Em 1962, era lançado o primeiro filme da série 007. Em agosto, Marilyn Monroe tinha sido encontrada morta vítima de uma superdose de Nembutal. O cinema perdia uma estrela e lançava um astro:  o espião 007. Mesmo que você não tenha assistido a nenhum filme da série, você conhece a música-tema.

Falando em música, 1962 foi um divisor de águas. Em abril, Bob Dylan apresentava sua música folk politizada e poética em Nova York. Novos ventos sopravam. As mentes mais aguçadas entendiam o recado de Dylan.

Em 5 de outubro, quem entendia o recado eram os corações e pés dos mais jovens. A canção Love me Do, dos Beatles, estreava nas rádios e seu sucesso criava um novo código de comportamento. Uma introdução de gaita de bolso, um refrão simples e pegajoso, uma letra exaltando o amor e a música pop seria a tônica dominante da mídia.

Nem só de entretenimento e Guerra Fria vivia 1962. A luta dos negros pelos direitos civis não arrefecia, mesmo que, no dia 6 de agosto, Nelson Mandela estivesse sendo preso pelo regime do apartheid na África do Sul. Nos Estados Unidos, não sem ferrenha oposição racista, em 1º de outubro, o jovem James Meredith tornava-se o primeiro estudante negro a matricular-se na Universidade do Mississipi.


Para garantir que ele caminhasse com segurança até a universidade, foi preciso escolta policial federal e oficial de justiça (foto). Durante todo o trajeto, Meredith foi insultado por brancos que repeliam sua presença ali. 

A busca por maior liberdade de comportamento e o ativismo social estiveram presentes nas reuniões do Segundo Concílio do Vaticano. Convocado pelo para João XXIII, o concílio era um processo de atualização (aggiornamento) da Igreja. Houve orientações quanto a mudanças na liturgia e no compromisso social da igreja. Embora o futuro papa João Paulo II tenha recuado em algumas das propostas, a modernização da Igreja Católica teria impacto em várias esferas políticas, sociais e religiosas.

Por último, ao terminar de ler este texto na web, você pode ter certeza de que faz parte de uma revolução na mentalidade ocidental que teve impulso naquele ano. Até porque, foi em 3 de novembro de 1962 que o jornal New York Times estampou a notícia sobre um tal de “computador pessoal”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta