Pular para o conteúdo principal

o curioso caso do delegado mãos-de-tesoura


O delegado Protógenes foi ao cinema ver um filme sobre um ursinho de pelúcia. E levou seu filho de 11 anos. Como acontece com 90% dos espectadores, ele não se informou sobre a história do filme e só lá dentro foi descobrir que o ursinho não tinha nada de pelúcia. Era, na verdade, um ursinho de malícia. O ursinho fuma, bebe, fala palavrões, cai na gandaia. Ou seja, não deve morar com os Ursinhos Carinhosos.

Tem crítico de jornal vendo o filme como uma fábula sobre a adolescência sem fim dos adultos de hoje, que casam com a irresponsabilidade e o hedonismo até que a maturidade os separe. Não sei se o filme é bom ou ruim, mas acho que não vale a pena descobrir. O que todos sabem é que o delegado Protógenes levou seu filho de 11 anos para ver um filme qualificado como não recomendado para menores de 16 anos, e que saiu do cinema esbaforido pedindo pelo Twitter a censura do filme em todo o território nacional.

Essa é a história do Delegado Mãos-de-Tesoura. Parece uma fábula, mas o que se segue é inteiramente baseado em minhas especulações.

Ao chegar em casa, foi direto para o laptop. Para você ver que não importa a patente, todos são mordidos pela vontade de falar da vida pessoal aos 4 ventos e às 100 redes sociais. O delegado queria proibir o filme. Mais tarde, pensou melhor (leia-se: os internautas discordaram veementemente da vontade do delegado) e disse que iria sugerir aos órgãos competentes a mudança de faixa etária apropriada para o filme, de 16 para 18 anos.

O caso tomou proporções nacionais e o delegado se viu no papel de paladino da moral e dos bons costumes. Pelo jeito, ele crê que as diabruras de um ursinho de malícia que não trabalha, não estuda e se diverte é um mau exemplo para os espectadores em idade escolar. Disso, nenhum pai vai discordar. [Considerando que cada pai, por ter sido adolescente, lembra muito bem a distância entre o que o pai recomendava e o que o filho fazia].

É claro que o “Seu” delegado deve achar que a roubalheira da classe política, o sucateamento da escola pública e a glamourização dos astros da TV e do futebol não são bons estímulos para nossa linda juventude. Mas ele prefere não comentar.

É claro que o “Seu” delegado também prefere não comentar o que raios estava pensando quando entrou, junto com seu filho de 11 anos, num cinema que exibia um filme impróprio para menores de 16 anos.

É claro que o honorável delegado não imaginava que a repercussão desse caso iria aumentar o número de curiosos que foram ver o tal "filme que o delegado quer proibir". Nada como um escândalo para promover um filme. Melhor para os produtores do filme que não gastaram um dólar furado. Marketing involuntário e gratuito: só as autoridades indignadas são capazes de fazer.

Moral mínima: se for zelar pela moral e pelos bons costumes, tenha o cuidado de não servir de marketing. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta