Pular para o conteúdo principal

telenovela, medo e a religião dos outros

O site exercitouniversal.com.br, criado por adeptos da Igreja Universal, lançou uma campanha pela internet contra a novela da Globo “Salve Jorge”. Segundo o site, essa novela promove a adoração a Ogum, entidade espiritual que, no sincretismo católico, representa São Jorge. Por isso, os evangélicos devem boicotar a novela global. A campanha também agregou imagens com o slogan "Queima o Jorge".

Sem querer perder a audiência da fatia evangélica que assiste suas novelas, a Rede Globo afirma que a novela não vai enfocar as religiões afro-brasileiras ou o catolicismo, mas vai somente utilizar na trama o mito do guerreiro Jorge da Capadócia.

A semana de estreia da novela global marca também a reestreia da minissérie “Rei Davi”, na Rede Record, a TV do bispo Macedo. A contrapropaganda do site neopentecostal é mera coincidência?


Há muitos motivos para não assistir a telenovelas. Mas não assistir por causa do seu título é crer num mundo mágico que não tem nada a ver com a atitude racional do cristão. O cristão tem medo de fantasmas, é assombrado por mau olhado, encosto, simpatia, vodu, despacho? Só se for aquele crente que não canta o “rá-tim-bum” ao final do Parabéns a Você porque acha que é uma senha que atrai o diabo [a expressão “rá-tim-bum” é a onomatopeia do final das músicas das bandas e fanfarras do começo do século XX]. Ou então é aquele que compra toalha abençoada com o suor de tele-exorcistas!  

Três questões me chamam a atenção na campanha que pede o boicote dos evangélicos à novela “Salve Jorge”:

1 – A novela anterior, como de praxe nas novelas, exibia violência, assassinato, traição, sequestro e, segundo os jornais, teve picos de audiência quando um marido bateu na esposa que o traíra por vários anos. Os espectadores achavam justa a agressão física contra a mulher. 
Alguém lembra de uma campanha evangélica de tamanha repercussão contra a novela “Avenida Brasil”? Talvez isso queira dizer que assistir noite após noite o deprimente espetáculo da maldade glamourizada é algo aceitável para muitos evangélicos. Porém, se o título de uma novela exibir uma saudação típica de outra religião, aí assim, o evangélico não deve assistir. Vai entender...

2 - O site dos fiéis da Universal assegura que "com a chegada de outro espírito [Ogum], o Espírito de Deus se ausentará". Nesse sentido, Deus é que sai correndo quando outros supostos espíritos se aproximam? Não seria exatamente o contrário?

3 – Uma das imagens da campanha que pede o boicote diz “Queima o Jorge”. Eles querem dizer: queima o santo guerreiro dos católicos? Se for assim, esse é o tipo de preconceito que leva muita gente a satirizar e ofender a fé muçulmana. Pedir a fogueira para a religião dos outros revela o mesmo tipo de rancor e ódio que levou Bin Laden a explodir as Torres Gêmeas. E desse tipo de crente, que não tolera a religião alheia, eu confesso que tenho medo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta