Pular para o conteúdo principal

Ética e estética nas Olimpíadas do espetáculo

Na primeira vez que vi e ouvi as cataratas do Iguaçu cheguei a gravar o som das águas com o intuito de fazer uma peça no estilo música concreta-eletro-acústica. Tinha até nome: Iguaçu Sound System. Mas outras prioridades (além da baixa qualidade da gravação) me fizeram esquecer do projeto. Me lembro de ver o sol nascendo na foz do Rio Amazonas. Todo aquele rio-mar, o esplendor daquela bola de fogo surgindo, e eu ali, na proa do barco. Mas são obras da natureza, que me fizeram desejar ser o salmista.

O espetáculo de abertura da olimpíada de Pequim foi uma cascata de surpresas, um rio de encantamento que, dirigido pelo mestre cineasta Zhang Yimou, foi capaz de emocionar gente de qualquer parte do planeta. Quem conhece a obra de Yimou sabe que ele é criador de cenas que parecem tableaux vivant. É só lembrar de filmes como Lanternas Vermelhas, Herói ou o belíssimo O Clã das Adagas Voadoras. Ele é um cineasta que compõe cenas em que os gestos, os movimentos e o figurino dos personagens se juntam às cores e aos enquadramentos de câmera para formar um mosaico de grande plasticidade.

Observando a movimentação e a composição de luzes, cores e gente, vi a imensa capacidade que a arte e a tecnologia (e a dinheirama pra providenciar tudo aquilo) têm de nos deixar embevecidos. Posso resumir minhas impressões em três pontos:

1) A tecnologia a serviço da grande arte chinesa: a projeção de imagens no centro do estádio Ninho de Pássaro, como se o campo servisse de tela de cinema, e na parte superior da arena, onde o ex-ginasta Li Ning (foto acima) dava uma volta olímpica espacial para acender a tocha dos jogos; os fogos de artifício desenhando pegadas no espaço; o formidável aparato de luzes projetadas sobre os corpos dos bailarinos; pessoas andando de cabeça para baixo no globo representando o planeta.

2) A harmonia das coreografias: barcos, remos, a pomba da paz, o próprio Ninho de Pássaro (foto),tudo formado por um mar de gente sincronizada (no Ocidente, nos perguntamos do rigor da disciplina a que teriam sido submetidos os participantes). Porém, aquela construção humana de tipos móveis, de movimentos tão perfeitos que se poderia julgar que tudo não passava de projeções criadas em computador, foi uma visão de surpreendente e rara beleza. Os dez divulgados meses de ensaios proporcionaram cenas de maravilhamento.


3) O gigante e o herói: no desfile burocrático dos atletas nacionais, a comitiva da China, última a entrar no estádio, trazia como porta-bandeiras o gigante Yao Ming e, ao seu lado, o menino Lin Hao, de apenas 9 anos (foto abaixo). Yao Ming, de 2, 26 m, joga basquete nos EUA e é filho do casal mais alto da China (o casamento de seus pais teve a “coordenação” e a benção do Partido Comunista do país). O pequeno Lin Hao tornou-se herói nacional durante o terremoto que abalou a província de Sinchuan ao ajudar no resgate de seus colegas soterrados cantando enquanto esperavam socorro, voltando ao local destroçado para resgatar outros dois amigos e andando com a irmã por 7 horas até encontrar a família. Enquanto o famoso jogador representava (in)voluntariamente as estratégias chinesas para entrar na arena esportivo- econômica mundial, o menino traduzia o heroísmo da vida comum.

Embora ouçamos os relatos das derrotas sociais da história chinesa (e que a China nomeia de ‘período da vergonha’), o espetáculo, evidentemente, saltava essas épocas e celebrava a invenção da pólvora, do papel, dos tipos móveis e da bússola. Afinal, foram 100 milhões de dólares genialmente usados para o show - um grãozinho perto dos 40 bilhões gastos para incrementar e maquiar a cidade.

Se operários foram mandados de volta ao campo para não poluir mais a cidade, se o comércio da falsificação é feito sem pudor nos shoppings, se há um uso do confucionismo para obediência irrestrita à política do partido, o espetáculo e os jogos irão, além de nos emocionar, camuflar as trevas sociais e oferecer por algumas semanas a doce ilusão da tolerância e da paz na terra e aos jogadores e torcedores de boa vontade.


E viva o espírito olímpico!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta