Pular para o conteúdo principal

Lições olímpicas


Terminadas as escaramuças esportivas, é hora de fechar a conta, passar a régua e descobrir se algum saldo nos resta no anticlímax do encerramento das festividades olímpicas. Aí vão algumas conclusões apressadas desse web-escriba cujo sono, sempre mais intenso que o brio patriótico, se não permitiu que assistisse as raras conquistas douradas também evitou a contemplação dos tantos fiascos.

Medalha de ouro em bronze: o amigo que mumificou-se frente à TV durantes as madrugadas ainda com problemas para ajustar o fuso horário: 8 horas de sono. A amiga que estragou a franja descabelando-se pelo Brasil: 3 horas de salão. Ver a máquina brasileira de chegar em terceiro lugar: não tem preço. Noves fora as brincadeiras, ficamos na frente da Argentina e da Suíça no quadro de medalhas. E atrás de Jamaica, Romênia e Etiópia. Ficar em 23º lugar no ranking olímpico não é nenhuma vergonha. Ruim é ser o 70º no ranking de Desenvolvimento Humano.
A questão é que esses três últimos países investem no que tem de melhor, não importa se é em velocidade ou ginástica. Todas as suas medalhas são em uma ou duas modalidades. O Brasil, que caiu na conversa de Duque Estrada de que é um gigante pela própria natureza, investe um pouco em tudo e acaba chorando o quase e o nada. Agora é fazer pressão para que o Comitê Olímpico admita novos esportes, como: corrida contra o salário, tiro a esmo, revezamento de banqueiro preso, saque de merenda escolar e o tradicional cancelamento de celular.

Medalha de ouro não cai do ‘cielo’: o ouro-medalhista César Cielo venceu Michael Phelps na única prova que o americano não disputou. Ufa! Mesmo sem o apoio dos Correios, que não quis investir em um atleta que fosse treinar fora do Brasil, valeu ter ido morar nos Estados Unidos, onde foi o melhor nadador universitário. Treinos duríssimos, vida monástica, determinação e grande talento é o conjunto de forças fizeram o campeão. O investimento no esporte ainda é pífio aqui na Terra de Vera Cruz. Séculos de rapina dos cofres públicos, intolerância à punição e mais a horda de degradados que iniciou a exploração do terreno não poderiam fazer dos tupiniquins uma legião vencedora. Viramos uma monocultura futebolística que tardiamente percebeu que, nessa terra, em se patrocinando todo esporte dá. Não acho que a escola tenha que se tornar um centro de formação de atletas. Mal conseguimos formar o pacato cidadão, imagine uma fornada de Isinbayevas e Phelps.
E o apoio quase sempre chega depois. Lembremos de Joaquim Cruz, ouro nos 800 metros em Los Angeles-84, a quem quiseram dar uma casa pela sua performance de ouro: “Não, obrigado. Já tenho uma casa. Quando eu precisava, não me deram”.

As musas do Galvão: de vovó Olga à Dona Terezinha, Galvão Bueno deixava o atleta de lado e torcia pelos parentes do atleta. O homem que solicitava ao torcedor pensamento positivo e força mental via satélite para nossa delegação na China estava num frenesi contagiante. Também, passar duas semanas ouvindo os trocadilhos do Régis Roesing e as crônicas do Pedro Bial deixa qualquer um gritando “vovó Olga, vovó Olga” em vez de “Céééésar Cielo do Brasil”.

Dunga e os onze anões: a festa abriu-se como num conto de fadas. Cantores de mentirinha e promessas de ouro, muito ouro para a China. Mas o sonho de conquistar a medalha de ouro no futebol olímpico para o Brasil fica adiada outra vez. Em pesquisa realizada por estas plagas, 101% dos torcedores responderam afirmativamente a única alternativa do questionário: “Dunga não é técnico nem aqui nem na China”.

Emagrecer é preciso. Ganhar também: enquanto vimos a extraordinária Yelena Isinbayeva batendo recordes ao encolher a barriga para superar o sarrafo no dificílimo salto com vara, Ronaldinho Gaúcho correu contra a balança para estar em forma em Pequim, mas não levou o ouro no futebol masculino. Assim, perde-se uma chance de grande valor pedagógico para Ronaldo Fenômeno, que a essa altura já deve estar pensando se vale a pena tanto esforço para voltar a jogar.

O Brasil olímpico é uma mulher: como no Pan do Rio-2007 (leia meu comentário aqui), o Brasil olímpico foi das mulheres. Desde as inconsoláveis Jade Barbosa, a menina capaz e triste, e Fabiana Murer (Tutty Vasques, do Estadão, aposta que o mesmo ensandecido que empurrou o maratonista Vanderlei Cordeiro da Silva em Sydney-04 foi quem escondeu a vara de nossa saltadora); passando por Marta, Cristiane e Formiga do futebol, as meninas do vôlei, Natalia Falavigna, Keitlyn Quadros e Maurren Maggi. Mulheres que desafiam a gravidade, a distância, a maternidade, a tripla jornada de mulher, mãe e atleta de alto nível.

Medalha de choro olímpico: nosso primeiro choro foi o do ex-favorito João Derly, o judoca que trapaceou no amor e recebeu seu castigo no tatame pelas mãos do ex-amigo ferido e trapaceado (e que ambos negaram após os jornais portugueses publicarem o caso). Servirá o esporte para vingança em legítima defesa da honra? Mas, veja só que o campeoníssimo Michael Phelps e o sobrenatural Usain Bolt não choram. Até porque não perdem. Tudo bem que nem todos são como Daiane dos Santos, para quem a tênue fronteira entre o triunfo e o fracasso não vale uma crise de choro. Mas para a Globo, não é suficiente ver nossos atletas ganharem ou perderem uma disputa. Nessa hora, sai a precisão de repórteres como Sônia Bridi e Marcos Uchôa e entra a mistura de novela com jornalismo. É preciso mostrar a família enternecida, é preciso perguntar pelo passado do atleta, fazê-lo lembrar-se de que deixou os amados em terras distantes para lutar por um povo sofrido cujo único orgulho são seus locutores e atletas. Se não chorar, não vale ouro.

A quem chegou em Pequim e viu seus sonhos desmoronarem em quedas e tropeços, é lembrar que não existe nada como uma Olimpíada depois da outra. Aqui e agora, uma frase como essa não tem a menor serventia. Mas quem sabe num pódio daqui a quatro anos, ou em uma outra competição, veremos esse atleta naquele ato tão contraditoriamente belo: chorar de alegria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta