Pular para o conteúdo principal

Se é Phelps, é bom

Jim Phelps coordena uma tropa de elite escolhida por suas diversas habilidades em tecnologia, lutas e disfarces. Essa equipe secreta forma o núcleo de ação de Missão Impossível, série exibida nos EUA entre 1966 e 1973 e uma lucrativa franquia com Tom Cruise nos últimos doze anos. A função dos agentes era infiltrar-se em nações que ofereciam perigo à ‘segurança nacional’ e em organizações criminosas que pretendiam dominar o mundo. Assim como Pinky e Cérebro, todos os inimigos-alvo viam seus planos serem frustrados. No caso da série, Jim Phelps e seus agentes sempre triunfavam.


Michael Phelps saiu da piscina para entrar na história. Após quatro anos de vida monástica e treinos cientificamente estudados, o nadador tornou-se o maior atleta olímpico de todos os tempos. Superando os geniais compatriotas Mark Spitz e Carl Lewis (deste eu me recordo nas Olimpíadas de Los Angeles-84), Phelps assombrou as platéias na última semana ao ganhar todas as oito medalhas de ouro que disputou em Pequim. E o que parecia uma real missão impossível virou um feito espetacular.

Essa trajetória única corre o risco de virar mais um filme baseado em fato real – ainda mais se contarmos com a infância desacreditada do atleta contraposta ao seu destino glorioso. Ou, como uma autêntica celebridade moderna, tornar-se ele mesmo um astro das telas, como Michael Jordan e Shaquille O’Neal (ou o campeão mundial Chuck Norris). Se lembrarmos que nas Olimpíadas de 1924 e 1928 o também nadador Johnny Weissmuller ganhou cinco medalhas de ouro, bateu os recordes das provas que disputou e depois se transformou no Tarzan dos cinemas nos anos 30, ninguém pode dizer que Michael Phelps não deixará a marca de seus infindáveis braços na Calçada da Fama hollywoodiana.


David Phelps não está em cartaz no cinema nem nas raias olímpicas. A qualidade desse Phelps é outra: sua voz (há também um homônimo americano escultor). David Phelps é um cantor gospel muito admirado no meio cristão. Particularmente, eu aprecio o período em que ele era o primeiro tenor do quarteto Gaither Vocal Band, em que cantava com impressionante vitalidade os agudos das belas canções do casal Bill e Gloria Gaither.

Ao lançar-se como solista, David Phelps alcançou um público no mínimo menos conservador do que aquele do centro-sul americano, haja vista o estilo mais pop que apresenta (noves fora o upgrade na aparência). Embora se possa notar diferenças no caráter de sua interpretação ao longo dos anos, quando as canções e o gestual eram mais comedidos (diferença bem visível entre os dvds I Do Believe/1997 – com o quarteto - e Legacy of Love/2006 – solo), sua voz permanece cativante e suas performances de “The end of the beginning”, “These are they”, “More than ever”, “Let Freedom Ring” e da já clássica “No more night”, são inesquecíveis.
Plagiando aquela propaganda, se é Phelps, é bom.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta