Pular para o conteúdo principal

Você não tem esportiva?

Todo esporte tem seu encanto. Até o golfe. Mas o futebol fascina tanto porque é imprevisível. No futebol, um time chamado “pequeno” pode bater o chamado “grande”, um time ganhando por dois gols pode levar uma virada inesquecível, o craque pode negar fogo na hora H e o anônimo reserva adversário pode virar o herói do título. Ok, tudo isso acontece nos outros esportes coletivos também. Mas o futebol ainda tem duas singularidades. A primeira é ser um esporte com o maior número de falastrões por metro de grama: Romário, Túlio Maravilha, Vampeta, Luxemburgo, Leão, Maradona... Olha o Renato Gaúcho, técnico do Fluminense.

Quando eliminou o Boca Juniors na semi-final da Libertadores, ele cravou: “Boca Juniors, muito prazer, Fluminense!”. Perguntado porque seu time ia mal no Campeonato Brasileiro, ele respondeu: “Os outros times estão a 5.000 km da próxima Libertadores; eu estou a 5 metros!”. E assim, a dois passos do paraíso, Renato e seus tricolores conheceram, muito prazer, a LDU, perderam e já estão na rabeira do Brasileirão.

Mas o que se queria do técnico Renato? Que ele cantasse a mesma velha toada de “é, respeitamos o adversário mas vamos lutar pelos três pontos”, ou falasse academicamente coisas como “todos os times são dignos do triunfo e a hipotética supremacia de um dos lados não se dará sem renhido combate e demonstrações explícitas de unidade de pensamento na diversidade da técnica”.

Tem ainda as respostas dos jogadores. Só a baixa escolaridade e o nervosismo diante dos microfones não explicam a questão. Ou explicam?

Anos 60 - O radialista elogia o fôlego de Garrincha: “Puxa, como você corre! Parece que tem uns dez pulmões!”. E Garrincha: “Que nada! Tenho só um como todo mundo”.

Anos 70 - Valdomiro, salvo engano, respondendo ao repórter na chegada do Internacional no aeroporto de Belém do Pará: “É bom estar aqui na cidade onde Jesus nasceu”.

Anos 90 - Jardel, inquirido sobre a dureza do Gre-Nal da semana: “Clássico é clássico e vice-versa!”.

A última? No dia 31 de julho, após jogar bem e marcar um gol em sua estréia no Sport (vitória sobre o Ipatinga), Ciro, 18 anos, responde ofegante no fim do jogo: “A gente tem que ser ‘pessimista’ se quiser vencer!”. O companheiro de clube, Carlinhos Bala, não deixou por menos ao comentar os gritos eufóricos da torcida naquela noite: “Agora é assim, é essa idolatria. Mas tem que ter a ‘cabeça’ no chão pra não se perder!”

Jogadores também são seres humanos, ora, pois. E quem manda jornalista fazer sempre a mesma pergunta. Na hora de driblar a resposta-padrão, o jogador, que não é nenhuma máquina de elaboração de respostas, se arrisca na gramática e na sintática e, qual um Dadá Maravilha, o pioneiro, pode dizer de uma partida: “Se eles tem a problemática, eu tenho a solucionática”.

Nos esportes coletivos, o lema é conhecido: “Um por todos e todos por um”. Mas nem essa união toda supera o maior mérito e singularidade do futebol: o empate. Salvo em rodadas decisivas (oitavas, quartas, semi, finais), há uma chance de o jogo terminar sem vencedores. O dualismo vitória/derrota, dependendo das circunstâncias da torneio, é vencido pela singeleza do empate. A mentalidade de acirrada competição norte-americana nunca vai engolir o futebol como ele é. Por isso, o basquete tem quantas prorrogações forem necessárias para que haja um vencedor e um perdedor. Deve ser muito complicado entender que na vida podem coexistir dois vencedores ou dois derrotados.

Por último, vejamos a Fórmula 1, aquele esporte com as máquinas conduzindo o homem que pensa dirigir as máquinas. O cinema prevê a rebelião e o domínio das máquinas sobre o planeta, mas os delírios de conquista do computador HAL-9000 e dos Transformers são fichinha perto do que já acontece com os seres abduzidos pelo MSN e pelo celular. As máquinas plantam, colhem, dão de comer e botam pra dormir. Parecem infalíveis.

Contudo, quem achava que só o seu HD falhava nos momentos em que mais precisava dele, pôde suspirar aliviado quando viu o carro de Felipe Massa parando devagarinho a três voltas da vitória no GP da Hungria. Na hora foi duro, mas sempre é bom saber que as máquinas também são seres humanos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta