Pular para o conteúdo principal

EUA e China: assim caminham os impérios

No melhor estilo China, o espetáculo de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim foi um primor de criatividade e excelência artística. No pior estilo China, o mesmo espetáculo mostrou seu lado fajuto de imitação e seleção ariana. Os fogos de artifício que pareciam pegadas no ar eram imagens pré-gravadas; as 56 crianças que representavam as 56 etnias que habitam no país na verdade eram todas de uma etnia apenas – ou seja, a democracia racial chinesa era fajuta até na ficção do espetáculo.

Mas nada se compara ao uso de uma cantora falsa naquela abertura. E não estou falando de Sarah Brightman, por favor. Mas, convenhamos, seria bem pior se ela cantasse balançando no trapézio como nos seus shows. Mas voltemos ao espetáculo made in China. A voz que cantou a música “Ode à Pátria” durante a cerimônia de abertura não era de Lin Miaoke (à direita na foto), de nove anos. A garotinha estava apenas dublando. “Queríamos passar uma imagem perfeita e pensamos no que seria melhor para a nação”, disse o diretor musical Chen Qijang.

A voz original pertence a Yang Peiyi (à esquerda), uma menina gordinha, de sete anos e com os dentes fora do lugar, e claro que ninguém se importou com a frustração da criança. “Era uma questão de interesse nacional. A criança tinha de ser expressiva”, justificou Chen. Vemos, assim, que a frase de Samuel Johnson é de aplicação universal: “O nacionalismo é o último refúgio dos canalhas”. Na adaptação de Millôr, é o primeiro.

Mas, calma aí. Andam acusando a China de converter o mundo numa Grande Calçada da 25 de Março quando muito brasileiro não se segura quando vê uma promoção de dvds a 1 real no camelódromo mais próximo, não resiste a um Stand Center (se você não conhece, o Stand Center é uma espécie de Zona Franca da China no coração da Avenida Paulista).

Reclama-se da falsidade dos brinquedos chineses, mas poucos alimentos são mais fajutos do que um BigBob ou Big Mac com Coca-Cola, e resistir quem há de?

Os espetáculos chineses são fajutos? O que dizer, então, da falsidade dos reality shows americanos? E o que são as cópias brasileiras de musicais de Andrew Lloyd Webber, o papa do american brega? E a dupla Milli Vanilli, que teve que devolver os prêmios que recebeu porque eram dublês de cantores? E a fajutice ridícula de rappers e roqueiros que denunciam o consumismo e o preconceito vestidos com bermudão de marca e mostrando a indefectível cueca de marca?

O Ocidente civilizado e democrático denuncia a política chinesa de direitos humanos? Mas, e a terra sem lei de Guantánamo? E as expulsões de estrangeiros na Europa? E o assassinato de crianças dentro de carros por policiais cariocas? Como no Oriente, no Ocidente costuma-se usar a defesa do bem coletivo para casos de 'segurança nacional'. Quando você ouvir falar em assuntos de segurança nacional pode apostar que sangue, inocente ou não, já está sendo derramado.

A China suprime sites de oposição ao governo e também reprime a violência pornográfica de games? Mas o que são os políticos ocidentais que desviam verbas destinadas à escolas e tramam projetos auto-beneficiários senão cruéis atores de ladroagem pornográfica.

Critica-se o uso demagógico do confucionismo na China. E o que é o uso demagógico do marxismo pelos partidos de esquerda no Ocidente? E o abuso demagógico e marketeiro do cristianismo pelo carismatismo católico e pelos políticos neopentecostais?

A China resolveu deixar de ser colônia e agora quer ser império. Os impérios são assim: escravocratas, exploradores e ufanistas. Assim como a China moderna remove florestas e montanhas para fazer avançar seu projeto econômico-industrial, assim foram Roma na antigüidade, Portugal e Espanha na América, Holanda e Inglaterra na África. E amanhã, a supremacia chinesa vai fazer a gente sentir falta do tempo em que estávamos à sombra de Tio Sam? Qual será o menos pior? O império repressor do dragão chinês ou o império do lobo fundamentalista norte-americano que finge ser um cordeiro liberal?

Aguardem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta