Pular para o conteúdo principal

EUA e China: assim caminham os impérios

No melhor estilo China, o espetáculo de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim foi um primor de criatividade e excelência artística. No pior estilo China, o mesmo espetáculo mostrou seu lado fajuto de imitação e seleção ariana. Os fogos de artifício que pareciam pegadas no ar eram imagens pré-gravadas; as 56 crianças que representavam as 56 etnias que habitam no país na verdade eram todas de uma etnia apenas – ou seja, a democracia racial chinesa era fajuta até na ficção do espetáculo.

Mas nada se compara ao uso de uma cantora falsa naquela abertura. E não estou falando de Sarah Brightman, por favor. Mas, convenhamos, seria bem pior se ela cantasse balançando no trapézio como nos seus shows. Mas voltemos ao espetáculo made in China. A voz que cantou a música “Ode à Pátria” durante a cerimônia de abertura não era de Lin Miaoke (à direita na foto), de nove anos. A garotinha estava apenas dublando. “Queríamos passar uma imagem perfeita e pensamos no que seria melhor para a nação”, disse o diretor musical Chen Qijang.

A voz original pertence a Yang Peiyi (à esquerda), uma menina gordinha, de sete anos e com os dentes fora do lugar, e claro que ninguém se importou com a frustração da criança. “Era uma questão de interesse nacional. A criança tinha de ser expressiva”, justificou Chen. Vemos, assim, que a frase de Samuel Johnson é de aplicação universal: “O nacionalismo é o último refúgio dos canalhas”. Na adaptação de Millôr, é o primeiro.

Mas, calma aí. Andam acusando a China de converter o mundo numa Grande Calçada da 25 de Março quando muito brasileiro não se segura quando vê uma promoção de dvds a 1 real no camelódromo mais próximo, não resiste a um Stand Center (se você não conhece, o Stand Center é uma espécie de Zona Franca da China no coração da Avenida Paulista).

Reclama-se da falsidade dos brinquedos chineses, mas poucos alimentos são mais fajutos do que um BigBob ou Big Mac com Coca-Cola, e resistir quem há de?

Os espetáculos chineses são fajutos? O que dizer, então, da falsidade dos reality shows americanos? E o que são as cópias brasileiras de musicais de Andrew Lloyd Webber, o papa do american brega? E a dupla Milli Vanilli, que teve que devolver os prêmios que recebeu porque eram dublês de cantores? E a fajutice ridícula de rappers e roqueiros que denunciam o consumismo e o preconceito vestidos com bermudão de marca e mostrando a indefectível cueca de marca?

O Ocidente civilizado e democrático denuncia a política chinesa de direitos humanos? Mas, e a terra sem lei de Guantánamo? E as expulsões de estrangeiros na Europa? E o assassinato de crianças dentro de carros por policiais cariocas? Como no Oriente, no Ocidente costuma-se usar a defesa do bem coletivo para casos de 'segurança nacional'. Quando você ouvir falar em assuntos de segurança nacional pode apostar que sangue, inocente ou não, já está sendo derramado.

A China suprime sites de oposição ao governo e também reprime a violência pornográfica de games? Mas o que são os políticos ocidentais que desviam verbas destinadas à escolas e tramam projetos auto-beneficiários senão cruéis atores de ladroagem pornográfica.

Critica-se o uso demagógico do confucionismo na China. E o que é o uso demagógico do marxismo pelos partidos de esquerda no Ocidente? E o abuso demagógico e marketeiro do cristianismo pelo carismatismo católico e pelos políticos neopentecostais?

A China resolveu deixar de ser colônia e agora quer ser império. Os impérios são assim: escravocratas, exploradores e ufanistas. Assim como a China moderna remove florestas e montanhas para fazer avançar seu projeto econômico-industrial, assim foram Roma na antigüidade, Portugal e Espanha na América, Holanda e Inglaterra na África. E amanhã, a supremacia chinesa vai fazer a gente sentir falta do tempo em que estávamos à sombra de Tio Sam? Qual será o menos pior? O império repressor do dragão chinês ou o império do lobo fundamentalista norte-americano que finge ser um cordeiro liberal?

Aguardem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…