Pular para o conteúdo principal

O cinema, eu e o outro

Logo após o ataque terrorista do 11/9/2001, circulou um e-mail em que visualizava-se o que parecia ser um rosto na formação de nuvens de poeira e fumaça que saía das Torres Gêmeas. O autor anônimo não tinha dúvidas: era "o rosto do diabo".

Quem divulgou o e-mail certamente nunca viu o dono do rosto. Então, isso só tinha um objetivo: demonizar os autores do ataque terrorista. É claro que o atentado de 11/9 foi um ato terrível e nada celestial. Mas não há notícia de imagens que mostrem uma ‘face do mal’ no cogumelo atômico produzido pelas bombas americanas sobre o Japão, ou nas nuvens de napalm sobre o Vietnã, ou nos destroços causados por terremotos e tsunamis.

Hollywood passou décadas representando o “outro”, o estrangeiro, com todos os estereótipos possíveis. O latino sujo e barulhento, o italiano passional e teatral, o francês esnobe e arrogante, o russo espião e conspirador. Mas o pior tratamento foi relegado aos árabes. Apesar de toda a riqueza cultural e diversidade étnica do Oriente Médio, o árabe no filme de ação é o sujeito que mata sem piedade, não tem bons modos, fala uma língua ininteligível e é um fanático religioso e bruto.

Essa caricatura de árabe era o vilão preferencial dos filmes dos anos 1980. Águia de Aço I (1985) e II (1988) retratam os árabes como sádicos e perversos e os americanos como heróis que aniquilam os vilões. Em Comando Delta (1986), Chuck Norris e sua turma partem para libertar americanos e europeus sequestrados por palestinos; Pelotão da Vingança (1987) opõe os “maus” árabes contra os “bons” israelenses e americanos.

Uma marca de alguns desses filmes é expressar temores populistas em relação ao Outro malvado. Sim, o Outro é sempre o vilão. E pior: este Outro não tem rosto, não tem voz, como em Amanhecer Sangrento, Supercomando e Invasion USA. Em Ases Indomáveis (1986), o inimigo não é tão importante quanto o desfile de motos, óculos escuros e baladas românticas. Em Rocky IV (1986) Sylvester Stallone encarna o espírito belicoso da Era Reagan, chegando a trajar calções com a estampa da bandeira norte-americana e enfrentar no ringue um brutamontes soviético. No filme, Stallone ri, chora e sofre ao passo que seu oponente tem gestos mecânicos e não expressa emoções.

Há também filmes que fazem uma crítica ao papel americano de xerife do mundo. Apesar de certo sentimentalismo (com uso meloso da câmera lenta e do Adágio para Cordas, de Samuel Barber), Platoon (1986) mostra as neuroses de um pelotão no Vietnã; Nascido para Matar (1987) desconstrói os mecanismos que estruturam a guerra (preparação, informação e combate); Missing – O Desaparecido (1982) e Salvador (1986) contestam o intervencionismo americano na América Latina.

Para conhecer o outro, é preciso adentrar na sua cultura, saber de seus anseios e necessidades. Portanto, se você quer mais do que diversão cinematográfica e espetaculosa, se você não se importa com o idioma de origem mas com a qualidade do filme, me permita as sugestões:

Paradise Now (foto acima, 2005) – filme palestino sobre dois amigos de infância recrutados para um ataque suicida em Tel-Aviv. Os personagens são humanizados e têm dúvidas, inseguranças e outras vontades.


Munique (2005) - a retaliação infinita entre israelenses e palestinos aponta para o resultado catastrófico da intolerância (a cena final com as Torres Gêmeas ao fundo).


Filhos do Paraíso (1997) – cativante história de duas crianças iranianas às voltas com a perda de um par de sapatos.

Lemon Tree (foto ao lado, 2008) - uma viúva palestina vai à justiça contra o primeiro-ministro israelense (seu novo vizinho) que, por motivos de segurança, pretende derrubar sua plantação de limões.

Lawrence da Arábia (1962) – não se assuste com a idade do filme. Este grande épico não é falado em língua árabe, mas foi um dos primeiros a dar voz e vez aos homens da região. Como em Cruzada (2005), os árabes são seres com inteligência e dignidade.

Alguém pode dizer que os filmes que critiquei são apenas entretenimento passageiro. Ora, isso eles são mesmo. São só diversão de mentirinha. Porém, quando uma mentira é repetida constantemente, ela pouco a pouco passa a ser aceita como verdade. Por isso, é preciso que sejamos apresentados a outros olhares. Porque, ver o outro como um de nós, dotado de sentimentos, temores e esperanças, ajuda a perceber que todos os seres humanos somos muito parecidos, muito mais próximos do que imagina nossa vã ideologia.

Comentários

sergio maia disse…
é bom lembrar que nos filmes Platoon e Nascido paara matar, os vietnamitas não tem rosto e nem falam também. mas a história é mais centrada nos conflitos internos dos pelotões americnaos. não é assim?
joêzer disse…
sergio,
você está certo. mas em Platoon há crítica contra a violência gratuita de soldados americanos em relação à população civil. O inimigo é mostrado ora como vítima ora como algoz, assim como a juventude lançada na guerra.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…