Pular para o conteúdo principal

O cinema, eu e o outro

Logo após o ataque terrorista do 11/9/2001, circulou um e-mail em que visualizava-se o que parecia ser um rosto na formação de nuvens de poeira e fumaça que saía das Torres Gêmeas. O autor anônimo não tinha dúvidas: era "o rosto do diabo".

Quem divulgou o e-mail certamente nunca viu o dono do rosto. Então, isso só tinha um objetivo: demonizar os autores do ataque terrorista. É claro que o atentado de 11/9 foi um ato terrível e nada celestial. Mas não há notícia de imagens que mostrem uma ‘face do mal’ no cogumelo atômico produzido pelas bombas americanas sobre o Japão, ou nas nuvens de napalm sobre o Vietnã, ou nos destroços causados por terremotos e tsunamis.

Hollywood passou décadas representando o “outro”, o estrangeiro, com todos os estereótipos possíveis. O latino sujo e barulhento, o italiano passional e teatral, o francês esnobe e arrogante, o russo espião e conspirador. Mas o pior tratamento foi relegado aos árabes. Apesar de toda a riqueza cultural e diversidade étnica do Oriente Médio, o árabe no filme de ação é o sujeito que mata sem piedade, não tem bons modos, fala uma língua ininteligível e é um fanático religioso e bruto.

Essa caricatura de árabe era o vilão preferencial dos filmes dos anos 1980. Águia de Aço I (1985) e II (1988) retratam os árabes como sádicos e perversos e os americanos como heróis que aniquilam os vilões. Em Comando Delta (1986), Chuck Norris e sua turma partem para libertar americanos e europeus sequestrados por palestinos; Pelotão da Vingança (1987) opõe os “maus” árabes contra os “bons” israelenses e americanos.

Uma marca de alguns desses filmes é expressar temores populistas em relação ao Outro malvado. Sim, o Outro é sempre o vilão. E pior: este Outro não tem rosto, não tem voz, como em Amanhecer Sangrento, Supercomando e Invasion USA. Em Ases Indomáveis (1986), o inimigo não é tão importante quanto o desfile de motos, óculos escuros e baladas românticas. Em Rocky IV (1986) Sylvester Stallone encarna o espírito belicoso da Era Reagan, chegando a trajar calções com a estampa da bandeira norte-americana e enfrentar no ringue um brutamontes soviético. No filme, Stallone ri, chora e sofre ao passo que seu oponente tem gestos mecânicos e não expressa emoções.

Há também filmes que fazem uma crítica ao papel americano de xerife do mundo. Apesar de certo sentimentalismo (com uso meloso da câmera lenta e do Adágio para Cordas, de Samuel Barber), Platoon (1986) mostra as neuroses de um pelotão no Vietnã; Nascido para Matar (1987) desconstrói os mecanismos que estruturam a guerra (preparação, informação e combate); Missing – O Desaparecido (1982) e Salvador (1986) contestam o intervencionismo americano na América Latina.

Para conhecer o outro, é preciso adentrar na sua cultura, saber de seus anseios e necessidades. Portanto, se você quer mais do que diversão cinematográfica e espetaculosa, se você não se importa com o idioma de origem mas com a qualidade do filme, me permita as sugestões:

Paradise Now (foto acima, 2005) – filme palestino sobre dois amigos de infância recrutados para um ataque suicida em Tel-Aviv. Os personagens são humanizados e têm dúvidas, inseguranças e outras vontades.


Munique (2005) - a retaliação infinita entre israelenses e palestinos aponta para o resultado catastrófico da intolerância (a cena final com as Torres Gêmeas ao fundo).


Filhos do Paraíso (1997) – cativante história de duas crianças iranianas às voltas com a perda de um par de sapatos.

Lemon Tree (foto ao lado, 2008) - uma viúva palestina vai à justiça contra o primeiro-ministro israelense (seu novo vizinho) que, por motivos de segurança, pretende derrubar sua plantação de limões.

Lawrence da Arábia (1962) – não se assuste com a idade do filme. Este grande épico não é falado em língua árabe, mas foi um dos primeiros a dar voz e vez aos homens da região. Como em Cruzada (2005), os árabes são seres com inteligência e dignidade.

Alguém pode dizer que os filmes que critiquei são apenas entretenimento passageiro. Ora, isso eles são mesmo. São só diversão de mentirinha. Porém, quando uma mentira é repetida constantemente, ela pouco a pouco passa a ser aceita como verdade. Por isso, é preciso que sejamos apresentados a outros olhares. Porque, ver o outro como um de nós, dotado de sentimentos, temores e esperanças, ajuda a perceber que todos os seres humanos somos muito parecidos, muito mais próximos do que imagina nossa vã ideologia.

Comentários

sergio maia disse…
é bom lembrar que nos filmes Platoon e Nascido paara matar, os vietnamitas não tem rosto e nem falam também. mas a história é mais centrada nos conflitos internos dos pelotões americnaos. não é assim?
joêzer disse…
sergio,
você está certo. mas em Platoon há crítica contra a violência gratuita de soldados americanos em relação à população civil. O inimigo é mostrado ora como vítima ora como algoz, assim como a juventude lançada na guerra.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta