Pular para o conteúdo principal

eu e você, eu sem você

Por que tem gente que só consegue dizer "eu te amo" se for através da letra de um poema alheio? Qual é a dificuldade de dizer que você sem ela é pouco menos que nada? Acreditem, meninas: toda dificuldade é pouca. Séculos de reticências na hora da declaração criaram uma injustificável incapacidade masculina de dizer "eu te amo". A língua trava, o rapaz esquece essas três palavrinhas mágicas e o momento perfeito se vai.

Ó varões renitentes, até quando evitareis os olhos de quem vos ama?

Então, não tenha medo de parecer brega - ok, não a ponto de mandar flores para o escritório dela (as amigas dela vão fingir que a-m-a-r-a-m) ou de contratar um fatídico carro-som com aquela voz de locutora de aeroporto lendo um cartão romântico de 1,99.

Pensando bem, tenha muito medo de parecer brega. Melhor conhecer o gosto pessoal da amada. Consulte uma amiga dela. Ah, sim. Uma amiga que também goste de você. E, importante, uma amiga que gostaria que ela gostasse de você. Caso contrário, você corre o risco do cartão de 1,99.

Cuide para não soar como o Jack na proa do Titanic. Bem, talvez ela esteja esperando por um rei do mundo na proa do barco da vida! Credo. Pensando bem, melhor não.

Se não sair nada do tipo "eu e você", experimente falar em "eu sem você". Enquanto você ainda não a conquistou/convenceu/converteu, então é melhor dizer o que você é sem ela por perto.

Você começa citando um trecho de canção conhecida, só pra dizer que você é um cabra de cultura. Depois, é por sua conta e risco.

eu sem você não sou mais ninguém
eu sem você sou um peixe na terra, um menino sem casa,

um moleque sem rua
eu sem você sou a chuva na praia, a fruta caída,

a ave abatida, a flora desnuda

eu sem você: um Da Vinci sem tinta,
um Beethoven sem pam-pam-pam-pam
eu sem você sou Jobim sem Vinicius,
o amor sem feitiço, o frio sem a lã


eu sem você: um gol sem abraço,
um Pelé sem golaço, o pão sem o queijoeu sem você? um violão sem cantinho,
la madre sin niño, a face sem beijo
Agora diga eu te amo ou algo do ramo e vá ser feliz, homem de Deus.

Comentários

Daniel Freitas disse…
Pode deixar Mestre Joêzer, vou 'compunhar' um semelhante a esse, hoje mesmo, para minha amada!! hehe...abss
Gi Felix disse…
Bom saber baby!! huahauahu
Bicos da Morena que te ama.


Parabéns pelo texto Joêser ;D
joêzer disse…
quero deixar claro que o baby amado pela morena nos comentários acima é o Daniel Freitas, meu herr direktor.
feliz fim de semana dos namorados
Thiago Ferreira disse…
Comigo não tem essa não! Eu falo TE AMO!! e pronto! rsrsr..
=p ótimo texto Joeser, mais um Otimo texto!
joêzer disse…
bravo, thiago.
se uma Lya Luft da vida te conhecesse, ela diria com toda a pompa das gotas de sabedoria que um rapaz apaixonado não tem medo de ser feliz!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta