03 junho, 2009

a música brasileira de luto

Entre os passageiros do voo AF 477 da Air France que tragicamente desapareceu sobre o Atlântico estava o maestro Silvio Barbato. Ele foi responsável pela trilha sonora do filme Villa-Lobos - Uma Vida de Paixão e, nos últimos anos, vinha dedicando-se mais à composição que à regência. Estreou duas óperas: O Cientista, inspirada na vida de Oswaldo Cruz, e Chagas, baseada na vida de Carlos Chagas.

Conhecido pelo temperamento forte, já tinha joãogilbertianamente enfrentado um público que ensaiava uma vaia por causa de um concerto que demorava a começar. Fora do palco, era um flamenguista que apreciava o surf e a culinária.

A revista Concerto informa que Silvio Barbato estudou composição e regência com Claudio Santoro, cujas sinfonias mereceram edições de análise crítica de Barbato. "Formou-se depois no Conservatório Giuseppe Verdi, em Milão, onde recebeu o Diploma de Alta Composição na classe de Azio Corghi. Ainda na Itália freqüentou a classe de Franco Ferrara, colaborando com o maestro Romano Gandolfi no Teatro Alla Scala. Em Chicago, realizou seu PhD em Ópera Italiana sob a orientação de Philip Gossett.

"Silvio Barbato, que completou 50 anos em maio passado, foi diretor musical e regente titular da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, em Brasília, e regente titular da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro".

Uma lágrima pelo maestro.

Nenhum comentário: