Pular para o conteúdo principal

cem palavras: 4 possibilidades

A seção "Cem Palavras" volta hoje. Escolhi um texto de Ed Renê Kivitz. Tenho cá minhas restrições quanto à "imanência" como única possibilidade de encontro com o divino, principalmente devido ao extremismo que provém da compreensão de um Deus imanente-dentro-da-gente. Sou atraído pelo ponto de tensão entre transcendência e imanência na relação homem-divindade. Mas para refletir a partir de um texto como esse não é preciso concordar com todas as suas vírgulas. Continue lendo:

"Acabo de ler O espírito do ateísmo, onde André Comte-Sponville propõe uma espiritualidade para ateus, isto é, uma metafísica sem Deus, e demonstra uma sobriedade ausente entre os recentes “religiofóbicos”, como Richard Dawkins, Michel Onfray e Christopher Hitchens. Ao final de sua argumentação, conta que na adolescência, após ler o Eclesiastes, escreveu no caderno de notas: “Das duas uma. Ou Deus existe, e então nada tem importância. Ou Deus não existe, e então nada tem importância”. Na vida adulta conclui: “Não filosofei em vão. Repensando aquela fórmula da minha adolescência eu antes diria o contrário: “Ou Deus existe, e então tudo é importante; ou Deus não existe, e então tudo é importante”. Comento as possibilidades.


"Deus não existe, então nada é importante. Isso é niilismo. Um mundo sem Deus é vazio de valores superiores, ou como disse Nietzsche, “faltam os fins, não há mais resposta para a questão: para que?”. Pensamento concorde com Dostoiévski: “Se Deus não existe e a alma é mortal, tudo é permitido”. Deus é a base absoluta do juízo moral, a única plataforma verdadeira de responsabilidade infinita. Os céticos aos poucos se tornam cínicos. E logo se tornam loucos. Não é possível ao homem sobreviver no vazio.

"Deus existe, então nada é importante. Isso é fanatismo. Separar Deus de sua criação e jogar todas as fichas na transcendência, numa espiritualidade abstrata, implica abandonar a única possibilidade de encontro com o divino, a saber, a imanência, com que se pode interagir dada a transparência. A tentativa de experimentar Deus além da imanência é ilusória. Dar as costas ao mundo de Deus é desprezar o Deus do mundo. Não peço que os tires do mundo… Apenas os fanáticos se sentem bem na “espiritosfera”. E lá também enlouquecem.

"Deus não existe, então tudo é importante. Isso é materialismo. É dar valor último ao que é penúltimo. Chesterton tinha razão, quando deixamos de acreditar em Deus, acabamos crendo em qualquer bobagem. O que é esse “tudo” sem Deus, senão deus? Ainda não entendi (falha minha, é claro), a lógica que afirma que a descrença em Deus resulta em melhor humanidade. Se Deus não existe, tudo é efêmero. Então tudo é temporariamente importante. O que é temporariamente importante, não é importante em si, mas em sua função no tempo. Toda importância é relativa. Toda importância relativa é uma desimportância. Esta terceira possibilidade não me faz sentido. Entre esta e a primeira, fico com a aquela.

"Deus existe, então tudo é importante. Isso não sei o que é. Mas é a fé que me mobiliza".

Comentários

DDP disse…
Pr. Ed Rene possui pérolas do pensamento batista que valem a pena serem conhecidas. Ouvi recentemente duas séries de palestras: "O lado B dos milagres de Jesus" e "O Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo", que estão disponíveis no site da IBAB.
Valem cada minuto, obviamente com um filtro adventista aqui e acolá.
Abraço.
joêzer disse…
DDP,
valeu a recomendação sobre o pr. ed renê kivitz. e filtro protege sempre.
vivianrock disse…
Para uma mente como a minha, que não é nenhum "meu refúgio" (e estou parafraseando você, Mr. Mendonça), até que eu entendi bem direitinho o seu ponto de vista em "cem palavras: 4 possibilidades". Capenguei um pouco até descobrir o que quer dizer "imanência", mas como Aurélios existem, tudo ficou claro e límpido como os mananciais de Manre (se é que isso é fato empiricamente comprovado...kkk!). Textos como o seu me dizem que preciso exercitar minha mente com leituras exigentes, e é isso que pretendo fazer, para poder ler algo escrito por Joêzer Mendonça sem precisar de Aurélios pra me ajudar... Abraço mano, e que venha o "meu refúgio"!
joêzer disse…
vivi,
"o refúgio" está amadurecendo, a música. quanto ao aurélio, não posso facilitar pra turma que se dá ao trabalho de ler este blog!
Loren disse…
interessante o texto. valew por postar joêzer! nada a acrescentar

eis o q restou no fim da leitura

:)
daniellavirmes disse…
Olá Joêzer! Valeu pelos comentários.... Depois, com tempo, vou passar aqui no teu blog pra ler os posts e comentar mais! Até qualquer hora!
joêzer disse…
daniella,
a casa é nossa! entre sem bater.
Jael Eneas disse…
"Deus existe, então tudo é importante".

Uno-me você, mestre Joêzer: "também não sei o que é".

Só sei que entre o niilismo, fanatismo e o materialismo, o importante é o cristianismo, fruto da experiência da fé, vivida e vívida.

Parece apenas um acento a diferenciar duas palavras. Porém, "viver a fé" baseada na experiência vivida, cortejada, experimentada no calo do joelho, além de tornar a vida diferente, a faz importante.

O "viver por fé" sublinha o fato de que "tudo é importante, porque Deus existe". O acento da vida está em uma "fé vívida". Trata-se da proparoxítona da fé.

Um cristianismo vivido e vívido dá significado a vida e sentido a "esperança", como caminhada cristã.

Abraço

Feliz Sábado

Jael Eneas
joêzer disse…
my master Jael Enéas,
que palavras inspiradoras.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta