Pular para o conteúdo principal

cem palavras: a TVerdade

Um veterano âncora de telejornal foi demitido devido aos baixos índices de audiência. Em sua despedida, ele faz ao vivo uma enfática denúncia dos podres do programa. Uma executiva da TV percebe o potencial de entretenimento disso e o apresentador volta com um programa reformulado onde dispara petardos furiosos contra a falta de escrúpulos das mídias e dos espectadores. Um sucesso espetacular, que não durará muito tempo. Esse o roteiro do filme Rede de Intrigas (1976). Uma das falas fuzilantes do autoproclamado "profeta da tv" é essa:
O apresentador entra em cena ao vivo e, após saudar o público presente, começa:

"Ai de nós. Porque 62 milhões de americanos me assistem agora. Porque menos de 3% de todos vocês lêem livros. Porque menos de 15% de vocês lêem jornais. E a única verdade que conhecem é a que passa pela televisão. Agora mesmo há uma geração inteira que nunca conheceu nada que não tenha saído da televisão. A TV é o evangelho. A revelação final.

A televisão pode fazer ou destruir presidentes, papas, ministros. É a força mais incrível nesse mundo ímpio, e ai de nós se ela cair em mãos erradas. [...] Por isso, ai de nós porque esta companhia agora está nas mãos da CCA, a Corporação de Comunicação da América. E quando a 12ª maior companhia do mundo controla a mais incrível força de propaganda em todo esse mundo ímpio, quem sabe o que será vendido como verdade nesta rede.

Então, prestem atenção! Televisão não é verdade. Televisão é um maldito parque de diversões. Televisão é carnaval, é circo, contadores de história, dançarinas, cantores, malabaristas, domadores de leão e jogadores de futebol. Nosso negócio é matar o tédio. Então, se querem a verdade, procurem Deus. Procurem seus gurus. Procurem a si mesmos! Porque esse é o único lugar onde encontrarão a verdade. Mas ouça, nunca ouvirão nenhuma verdade de nós. Vamos dizer o que quiserem ouvir. Mentimos como loucos. Diremos que Kojak sempre pega o assassino e que ninguém tem câncer na casa de Archie Bunker. E não importa se o herói está enrolado, se acalme. Olhe no relógio. No final do programa, ele vai vencer! Diremos qualquer porcaria que queiram ouvir! Lidamos com ilusões. Nada disso é verdade. Mas vocês sentam aí, dia após dia, noite após noite. Todas as idades, raças, credos.

Somos tudo que vocês conhecem. Estão começando a acreditar nas ilusões que apresentamos aqui. Começam a achar que a TV é real e suas vidas são irreais. Fazem tudo o que a TV manda fazer. Vestem-se como na TV, comem como na TV, criam seus filhos como na TV, até pensam como a TV. Isso é loucura em massa, seus maníacos!

Em nome de Deus, vocês são de verdade! Nós somos a ilusão! Então desliguem as TVs. Desliguem agora mesmo. Desliguem e deixem desligadas. Desliguem no meio desta frase. Desliguem! "


Comentários

gislaine Ortiz disse…
Verdade nua e crua!
Léo Fontes disse…
O trágico é que uma verdade dessa dita na TV pode se interpretada como marketing, e acharem que em alguns dias começará uma nova série ou um programa "inovador".
joêzer disse…
sem dúvida, Leó.
o Faustão começou a carreira de apresentador debochando da própria tv e do programa que fazia.
Paulinho disse…
Quanta gente não enxerga isto por mais que esfreguem na cara e admitem que é verdade, mas no fim de tudo não estão nem ai, e continuam com a vidas normatizadas pela ilusão televisiva.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…