Pular para o conteúdo principal

a tradição do novo e a novidade do velho

Há duas semanas assisti a uma apresentação do cantor adventista Leonardo Gonçalves no sábado à tarde. Muita gente veio assisti-lo também. Seus poemas e canções são fartamente conhecidos. Sua voz com melismas e agudos, também. O que, talvez, algumas pessoas ainda não conheciam era o modelo bastante espiritual de sua apresentação daquele dia. Quem foi assistir a um show acabou participando de um culto.

O repertório alternava as canções com a leitura e comentários de trechos bíblicos. Aliás, a Bíblia esteve o tempo todo aberta em uma estante a frente do cantor. Antes da última música, ele falou/pregou à congregação, fez um apelo e terminou com uma oração cantada, o que inibiu completamente qualquer manifestação de histeria de fã. Sua capacidade de atração jovem é notável, porém, mais notável ainda foi sua postura de mensageiro da Palavra. Algumas palavras de um cantor às vezes têm mais repercussão na mente de um jovem do que o sermão inteiro de um pastor. É grande a responsabilidade dos cantores que professam levar o evangelho por meio da música.

Há uma semana assisti a uma entrevista do pastor adventista Alejandro Bullón no sábado à tarde. Muita gente veio assisti-lo também. Seus livros e sermões são fartamente conhecidos. Sua voz emocionada e com sotaque “portunhol”, também. O que, talvez, muita gente ainda não conhecia era o quanto este pastor já aposentado está envolvido com a modernização dos métodos evangelísticos. Quem achava que ele só pregava e escrevia acabou sabendo que ele produz filmes e está se formando como roteirista.

O repertório dos filmes está centrado no cristianismo bíblico. São histórias para captar a atenção de homens e mulheres para o sentido de Deus em suas vidas. Na entrevista, o pastor Bullón preocupava-se com o número de pessoas que só conhecem a mensagem cristã por meio de filmes e livros que distorcem a Bíblia. Suas produções filmadas ou escritas pretendem contar histórias comuns ou extraordinárias segundo uma visão bíblica mais correta.

O jovem cantor apresentou-se apoiado na velha e feliz história de salvação. A tradição bíblica na musicalidade da juventude. O velho pregador apresentou-se com uma mente jovem, plugada em transmitir a velha e feliz história da rendenção. A novidade dos métodos na maturidade dos anos.

Um músico cristão usou o talento são para falar da sã doutrina. Um pregador mostrou que o peso da idade envelhece o corpo, mas a mente a serviço de Deus segue renovada e lúcida.

Comentários

UNASPNews disse…
Mestre Joêzer,

Que texto! Para além do formato a surpresa da análise.

Você capta o real sem melindrar a realidade.

Pingo.

Abraço

Jael Eneas
Rafael disse…
Análise e criatividade em sintonia!
joêzer disse…
my master Jael, que bom saber!

valeu, rafael.
Simone disse…
Belo texto, não só pelas palavras, mas também pelo fato de refletir a realidade, pois conheço o Léo e s a sua constante preocupação em manter a espiritualidade e o clima de adoração a Deus em suas apresentações.
Daniella disse…
Simplesmente perfeito, e louvado seja Deus por isso.
Fico muito feliz em receber notícia como esta, de uma persona adventista que é quase que adorada pelos jovens em geral, mas que demonstra tal firmeza de princípio.
Que Deus continue tornando o LG um adorador e que seu exemplo possa ser copiado por todos esses bonecos de prateleira e animadores de auditório que querem soar como adoradores, mas nada mais são que marionetes em um picadeiro a qual insistem em chamar de igreja.

Novamente, que Deus abençoe o LG!


Evanildo Ferreira de Carvalho

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta