Pular para o conteúdo principal

bestsellers e religião

Olhando a lista dos livros mais vendidos a cada ano, nota-se o interesse do respeitável público leitor pelo tema da espiritualidade, seja em forma de ficção ou não, seja com conteúdos de magia ou de religião institucional.

O interesse mundial está registrado nessa lista dos livros mais vendidos nos últimos 60 anos (em milhões de cópias):

1 - A Bíblia                                              5.000 a 6.000
2 – Citações do presidente Mao Tsé-Tung (ou O pequeno livro vermelho) - 900  
3 – O Corão (ou Alcorão) -                                                      800
4 – Xinhua Zidian (“novo dicionário de caracteres da China”) - 400
5 – O Livro dos Mórmons, de Joseph Smith -                           120
6 – Harry Potter e a Pedra Filosofal, de J. K. Rowling -         107
7 – E Não Sobrou Nenhum, de Agatha Christie -                      100
8 – O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien -                           100
9 – Harry Potter e o Enigma do Príncipe -                               65
10 – O Código Da Vinci, de Dan Brown -                                  65
11 – Harry Potter e a Câmara Secreta -                                   60
12 – O Apanhador no Campo de Centeio, de J. D. Salinger -    60
13 – Harry Potter e o Cálice de Fogo -                                     55
14 – Harry Potter e a Ordem do Fênix -                                   55
15 – Harry Potter e o Prisioneiro de Askaban -                        55
16 – Ben-Hur, de Lew Wallace -                                                 50
17 – Heidi – Johanna Spyri -                                                       50
18 – O Alquimista, de Paulo Coelho -                                         50
19 – Meu Filho, Meu Tesouro, de Benjamin Spock -                  50                                            
20 – O Pequeno Príncipe, de Antoine Saint-Exupéry -                50

Essa lista apresenta três livros fundamentais de denominações religiosas (a Bíblia, o Corão e o Livro dos Mórmons), uma história com personagens cristãos (Ben-Hur), dois com subtexto e referências religiosas (O Código Da Vinci e O Senhor dos Anéis), 7 têm tramas que misturam magia e espiritualismo (O Alquimista e mais 6 livros da série Harry Potter). Alguns livros não são religiosos, embora seus leitores os tenham tratados como bíblias: O Apanhador no Campo de Centeio foi o guia espiritual da geração beatnik dos anos 50/60, e O Pequeno Livro Vermelho foi o livro reverenciado por comunistas do mundo inteiro.

Livros da lista sem conteúdos de espiritualidade ou religião: O pequeno príncipe (embora seja um livro de mensagens quase religiosas), Heidi e o livro de Agatha Christie (E não sobrou nenhum – publicado antes como O caso dos dez negrinhos).

Embora muitas vezes mal-interpretada e desobedecida exatamente pelos seus leitores, a Bíblia segue no topo da lista. Talvez seja o livro mais comprado e o menos lido regularmente. O mais divulgado e o menos explicado corretamente. O mais anunciado nas prédicas e o menos seguido nas práticas.

Mas porque o livro mais vendido dos últimos 60 anos não está nas colunas da crítica dos jornais e revistas? É a pergunta pertinente de Stephen Kanitz (leia aqui). Talvez porque a Bíblia venha sendo silenciada pela grande imprensa, como diz Kanitz. Eu acrescentaria que nossos contemporâneos humanistas fingem que ela não tenha mais nada a dizer de relevante.


Escritores e editores cristãos devem seguir atentos ao interesse das pessoas, que estão sedentas de orientações, guias, soluções e respostas aos seus dilemas espirituais, a suas necessidades mais profundas da alma. E que busquem sempre explicar corretamente e publicar diligentemente a sã doutrina do livro mais vendido de todos os tempos.


fonte da lista dos livros

Comentários

Lenner disse…
mto bom .. senhor joezer sempre buscando fontes e informaçoes valiosas

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta