Pular para o conteúdo principal

todos os filmes do presidente

O filme “Lula, o filho do Brasil” não conseguiu vaga entre os nove filmes pré-selecionados ao Oscar 2011 de melhor filme em língua não-inglesa. Melhor assim. Imagine o protagonista sabendo que o filme ganhou o troféu: “Nunca antes na história do país...”

O júri brasileiro que enviou o filme do Lula para a pré-disputa deve ter escolhido esse filme com base numa equação com o seguinte resultado: a soma da competência cinematográfica do filme é inversamente proporcional à personalidade presidencial elevada ao cubo. Ou seja: o filme é uma droga, mas o personagem é genial.

O júri selecionou o filme sobre o Lula com um olho no carisma do presidente no exterior e outro no prêmio inédito. Mas nos últimos anos o Oscar preferiu eleger filmes com temáticas bem diversas daquelas xaroposas pero edificantes histórias. Exemplos são o formidável A Vida dos Outros (2006) e o comovente A Partida (2008). Essa torcida toda por um filme nacional no Oscar parece a torcida por uma medalha olímpica no futebol: oh, o único troféu que nos falta. Como consolo, sugiro filmes de presidentes para todos os gostos e maus gostos.

Invictus 
Um filme sobre Nelson Mandela, com Morgan Freeman e dirigido por Clint Eastwood não podia mesmo dar errado. Escrevi sobre esse filmaço aqui.

Frost/Nixon 
Richard Nixon, já ex-presidente, concorda em ser entrevistado por um jornalista sequioso por arrancar-lhe novas informações sobre sua participação no escândalo Watergate. Parece um tema chato? Mas o filme não é nenhum um pouco aborrecido. Das grandes atuações ao roteiro, um primor.

13 Dias que Abalaram o Mundo
Em 1962, o planeta prendeu a respiração quando duas siglas superpotentes, EUA e URSS, quase saíram no tapa nuclear. O ator que faz John Kennedy é ótimo.

Como um país que já elegeu um ator pra presidente (Ronald Reagan), um pra governador (Arnold Scharzenegger) e outro pra prefeito (Clint Eastwood), os Estados Unidos cuida de filmar bastante seus amados e odiados presidentes. Richard Nixon, tão criticado quanto George W. Bush, não aparece em Todos os homens do presidente (1976), mas sua sombra está lá. O diretor Oliver Stone conseguiu abrir os arquivos do FBI sobre o assassinato de Kennedy com o filme JFK (1991). Há filmes sobre Abraham Lincoln, Thomas Jefferson, Franklin Roosevelt, Woodrow Wilson, John Adams.

Se você prefere um presidente que faz justiça com as próprias mãos tem Independence Day (96) ou Força Aérea Um (98).

Mas você prefere uma comédia romântica nos corredores da Casa Branca?
Tem Dave – Presidente por um dia (E não é a biografia de Bill Clinton).

O filme do Lula não é assim ruim como gosta de dizer a revista Veja. O problema é o final do filme, quando a gente fica sabendo que ele vira presidente. Tem espectador que fica inconformado com esse final.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta