Pular para o conteúdo principal

racismo para crianças

"Em nós, até a cor é um defeito. Um imperdoável mal de nascença, o estigma de um crime". Luiz Gama (1830-1882), advogado e jornalista.

Sabemos que a abolição da escravatura, em 1888, não aboliu o preconceito de cor nem promoveu a figura do negro tão violentamente atacada em sua dignidade humana. Os ex-escravos passaram a ser tratados como um empecilho ao progresso social e biológico.

Na Europa, o sociólogo e psicólogo francês Gustave Le Bon defendia "a superioridade racial e correlacionava as raças humanas com as espécies animais, baseando-se em critérios anatômicos como a cor da pele e o formato do crânio", segundo o livro Raça Pura - Uma história da eugenia no Brasil e no mundo, de Pietra Diwan (Editora Contexto).

Entre os figurões da sociedade brasileira que abraçaram o pensamento eugênico estava o escritor Monteiro Lobato, cujas cartas mostram admiração pelo médico Renato Kehl, principal divulgador das teorias de Le Bon no Brasil. Se racismo e “purificação” das raças era um pensamento típico do começo do século XX, então Monteiro Lobato empenhou-se bastante em propagar esse pensamento. 

Em 1926, quando escreveu o livro O Choque das raças ou o presidente negro, Lobato queria vê-lo publicado nos Estados Unidos, onde ocupava o cargo de adido cultural no consulado brasileiro de Nova York. Em carta ao amigo Godofredo Rangel, Lobato comenta: "Um romance americano, isto é, editável nos Estados Unidos (...). Meio à Wells, com visão do futuro. O clou será o choque da raça negra com a branca, quando a primeira, cujo índice de proliferação é maior, alcançar a raça branca e batê-la nas urnas, elegendo um presidente negro! Acontecem coisas tremendas, mas vence por fim a inteligência do branco. Consegue por meio de raios N. inventados pelo professor Brown, esterilizar os negros sem que estes se dêem pela coisa" [a “inteligência” do branco insere uma substância em produtos para alisamento de cabelos crespos].

Estou relembrando esse contexto para falar de Monteiro Lobato e dos livros infantis A caçada da onça, de 1924, e Caçadas de Pedrinho, de 1933. O MEC recomendou a contextualização e a orientação quanto a sua utilização em sala de aula, visto o forte teor racista contido nesses livros. Há quem veja na atitude do MEC uma censura à literatura, à livre interpretação, à livre expressão. Dizem que, agindo assim, logo estaremos podando trechos colonialistas, misóginos ou machistas de livros de Machado de Assis, José de Alencar ou Rudyard Kipling. Nem mesmo a Bíblia escaparia da sanha “politicamente correta” do Ministério de Educação e Cultura!

Quanto exagero! A liberdade de usar esse ou aquele livro não está sendo cerceada. O que está acontecendo é uma orientação à contextualização de obras quando estas são utilizadas com fins pedagógicos. No caso, os livros de Monteiro Lobato são lidos por e para crianças. Elas já estão preparadas para ler fortes termos racistas e proceder sozinhas a uma interpretação do contexto em que os livros foram escritos? Aliás, os livros de Monteiro Lobato podem mesmo ser utilizados como base para promover entre crianças a discussão do racismo?

Todo mundo conhece alguém racista. Mas ninguém diz que o Brasil é racista, né? Imagine que você é uma criança negra, uma das 4 ou 5 da sala numa multidão de brancos, e na hora da leitura em classe do livro de Lobato você ouve os trechos: “macaca de carvão”, “carne preta”, “urubu fedorento”. Se você acha que isso é normal e não é ofensivo, é porque não está conseguindo se colocar no lugar do outro. Imagine como era ser uma criança judia numa Alemanha antissemita. Imagine ser um índio e ser depreciado pela condição de índio.

Os contrários ao parecer técnico do MEC querem proibir uma possível nota acrescentada ao livro de Monteiro Lobato, como se isso fosse um desrespeito à obra do escritor. Curioso é que ninguém grita por causa de uma nota acrescentada sobre o respeito aos animais, no caso do livro de Lobato, a onça. Que mundo é esse em que as onças, que devem ser protegidas da extinção, merecem mais atenção e respeito do que as crianças?

Encerro com o depoimento de crianças de 6 anos no livro Do Silêncio do Lar ao Silêncio Escolar: racismo, discriminação e preconceito na educação infantil, de Eliane Cavalleiro (Editora Contexto):

“Só porque eu sou preta elas falam que não tomo banho. Ficam me xingando de preta cor de carvão. Ela me xingou de preta fedida. Eu contei à professora e ela não fez nada''

[Por que não querem brincar com ela]‘‘Porque sou preta. A gente estava brincando de mamãe. A Catarina branca falou: eu não vou ser tia dela (da própria criança que está narrando). A Camila, que é branca, não tem nojo de mim''. A pesquisadora pergunta: ‘‘E as outras crianças têm nojo de você?'' Responde a garota: "Têm".

Mais:
Não é sobre você que devemos falar, artigo da escritora Ana Maria Gonçalves (do qual extraí informações, citações e argumentos)

Comentários

Victor Meira disse…
Bom post, Joezer.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta