Pular para o conteúdo principal

vivendo a música e a vida

O terror do escritor é a folha em branco. O terror do intérprete musical é a folha cheia de pontos pretos. Pianistas, violinistas, trompetistas, cantores, enfim, estudantes e concertistas em geral, todos procuram a melhor maneira de interpretar a música, de transformar em som aquele punhado de linhas e pontos pretos. E tudo começa bem antes de entrar no palco:

1) Escutar
Estamos tão ocupados em aprender a tocar que não paramos para escutar o que tocamos. É bom ouvir os grandes mestres tocando. Mas é melhor ainda escutar a si mesmo. Não para vangloriar-se, mas para sondar sua própria interpretação, perceber falhas, autocriticar os defeitos. Daniel Barenboim:  A arte de executar uma peça  musical é a arte de tocar e escutar ao mesmo tempo.

2) Ler
Partituras musicais fazem suas exigências particulares para entrar no palco. Mas há muito músico que passa por cima do que está escrito e enche de pedal romântico as peças renascentistas ou ponteios brasileiros,  acelera onde é lento, faz rubato onde se pede a tempo. O intérprete tem liberdade, claro. Às  vezes é preciso colocar uns óculos escuros em Bach para dar um passeio com ele fora do museu. Mas eu fico com Maria João Pires definindo interpretação: Aperceber-se da alma do compositor e mais tarde contá-la aos outros, como contaria a história de alguém.

3) Expressar
Os professores costumam exigir certos sentimentos de meninos e meninas de 10 a 13 anos quando estão tocando um melancólico noturno de Chopin ou uma delicada sonata de Beethoven. Não adianta. Como expressar através da música algo que ainda não se viveu? Por favor, ninguém precisa sair por aí derramando sentimentalismo, mas muita gente bem grandinha está a tocar, mas não consegue nos tocar. Parece que  estão tocando a Apassionatta numa máquina de datilografia (ok, geração Y, num teclado de computador). João Marcos Coelho: O segredo da interpretação é fazê-la com o frescor do primeiro encontro e com a intensidade do último.

4) Viver
Perguntaram a Arthur Rubinstein numa palestra na Julliard School quantas horas por dia é preciso praticar o instrumento: Pratiquem, no máximo, de duas a três horas por dia. No restante do tempo, vão viver a vida. Ou vocês não vão ter nada do que interpretar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta