Pular para o conteúdo principal

ventos de liberdade nos países árabes

Tunísia, Egito, e agora Argélia, Iêmen, Líbia, Bahrein. Os governos ditatoriais estão caindo como um dominó. Os habitantes desses países estão aprendendo que, se gritar "pega ladrão", não fica um, meu irmão. Ladrões de liberdades civis, geralmente também acusados de rapinar o tesouro público, as dinastias familiares e políticas vêm enfrentando o protesto popular.
Estamos vivendo um "1989 árabe"? Sim, ao que tudo indica. Assim como o ano de 1989 foi o estopim da derrubada dos governos comunistas no Leste europeu, 2011 começa com a derrocada dos governos autoritários dos países do Norte da África e do Oriente Médio.
Não se sabe quantos países vão aderir a esses movimentos. Mas a história ensina que esse processo funciona como um rastilho de pólvora que, uma vez aceso em algum lugar, segue disparando o desejo de liberdade e incendiando a queda de governos antidemocráticos.
Sabe-se, porém, que as mudanças não são operadas pacificamente. As transições para a democracia são lentas e costumam ser acompanhadas de avanços e reveses, mas também não costumam voltar atrás.
Duas características nos movimentos que derrubaram os governos da Tunísia e do Egito chamam a atenção: são rebeliões com forte participação popular e não são motivadas por fundamentalismo religioso.
Isso nos leva a outros dois argumentos: 1) as classes populares naquelas regiões não são controladas automaticamente pelo radicalismo político; 2) rebeliões sem motivação especificamente religiosa podem abrir espaço para um processo democrático laico.
Não estou excluindo as motivações religiosas desses movimentos de oposição no Oriente Médio. No entanto, os protestos têm sido motivados pela rejeição a sistemas autoritários, a dinastias autocoroadas, a regimes opressores. Além disso, há uma grande participação de jovens com acesso às conquistas sociais e tecnológicas da modernidade (veja o uso das redes sociais para convocar manisfestações) e de pessoas bem instruídas.
Esses países não virarão Estados laicos da noite para o dia. Talvez nem se tornem democracias consolidadas. Mas não se pode negar que estamos vendo acontecimentos surpreendentes.
Sociedades política e economicamente mais abertas também são sociedades mais abertas à diversidade religiosa. Ventos de liberdade política trazem consigo uma abertura à liberdade religiosa. Depois que o Leste europeu tornou-se democrático e passou a experimentar o conhecimento e o reavivamento do cristianismo, quem pode dizer que os países islâmicos não facilitarão a entrada e a permanência de grupos cristãos?

Comentários

Anônimo disse…
bom dia Joezer, aqui é Marcelo la da igreja do Juveve. Gostaria de falar contigo. meu msn é marcelocharles2005@hotmail.com
acho que vc deve ser lembrar de mim superficialmente, pois ano passado eu era diretor de audio no juveve. Fico no aguardo do seu contato.
abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta