Pular para o conteúdo principal

revoluções por minuto e por música

No século XIX, durante os movimentos e conflitos que visavam à unificação dos pequenos Estados italianos sobre uma bandeira única do reino da Itália, os partidários da união grafavam “Viva Verdi” nos muros. O que parecia só uma homenagem ao compositor Giuseppe Verdi, era um acróstico revolucionário que queria dizer “Viva Vittorio Emanuele Re Di Italia”.

Os músicos que usavam sua arte para protestar contra regimes de opressão, se não escapassem para outro país, raramente escapavam da morte, como o músico e ativista político chileno Victor Jara, que teve as mãos esmagadas por coronhadas e foi executado em 16 de setembro de 1973 no antigo Estádio do Chile (hoje Estádio Victor Jara) pela ditadura do general Pinochet.

A também chilena Violeta Parra, dos versos líricos de “Gracias a la vida”, escreveu versos duros como os de “La carta”: Os famintos pedem pão; chumbo lhes dá a polícia.

Quando impedido de protestar de forma direta, o jeito é metaforizar para provocar o governo autoritário e animar os opositores. A canção “Apesar de Você”, de Chico Buarque, cumpriu esse papel de denunciar um Estado que dizia que era pecado criticar o governo e torturava os revoltosos sem piedade:

Hoje você é quem manda, falou ta falado não tem discussão, não
A minha gente hoje anda falando de lado e olhando pro chão, viu (...) 
Você que inventou esse estado, inventou de inventar toda escuridão
Você que inventou o pecado, esqueceu-se de inventar o perdão
(...)
Apesar de você, amanhã há de ser outro dia
Inda pago pra ver o jardim florescer qual você não queria
Você vai se amargar vendo o dia raiar sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
E esse dia vai vir antes do que você pensa

A canção já tocava nas rádios quando Chico foi “convocado” às pressas para depor no Departamento de Ordem e Política Social (DOPS). O compositor disse que a música não era contra o governo. A canção era sobre uma “mulher muito má” e, apesar do que ela tinha feito, o sujeito seria feliz um dia. Acreditaram nessa história e o compositor foi solto. Mas logo o erro foi percebido e o disco foi recolhido das lojas e a música proibida de tocar nas rádios e nos shows.

Não sei se no Egito de hoje, os músicos estão produzindo artilharia musical contra o governo. Talvez haja pessoas cantando coisas semelhantes a “vamos embora que esperar não é saber, quem sabe faz a hora não espera acontecer”. Mas quando o governo egípcio corta o serviço de internet para impedir a manifestação da  oposição nacional, o povo bem que podia cantar algo como “Pai, afasta de mim esse ‘cale-se’”.

Leia também:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta