Pular para o conteúdo principal

a igreja que virou fã-clube

Sem muita resistência, o mundo gospel não escapou da correnteza avassaladora do fenômeno da celebridade na cultura moderna.

Assim, o marketing da indústria fonográfica gospel procura gerar uma identificação do público com o cantor de uma forma semelhante ao modo de construção de mecanismos de comunicabilidade da mídia secular: a divulgação do CD/DVD que ressalta o sucesso do artista, competições e eventos que premiam os "melhores do ano", a promoção de tarde de autógrafos ou de visitação aos bastidores, programas de TV e revistas evangélicas que mostram casamentos, aniversários e a própria casa dos cantores gospel, e assim por diante.


Para Neal Gabler, autor do livro Vida, o filme, o culto à celebridade está substituindo a religião organizada e a própria religião tem se adaptado aos novos tempos ao assimilar a cultura do consumo e empregar estratégias similares às da comunicação midiática secular.


Mesmo que os artistas gospel autointitulem-se “levitas” ou “ministros”, vemos que o relacionamento entre “ministros” e “fiéis” por vezes segue o padrão de tratamento mútuo entre “ídolos” e “fãs” seculares, como demonstrações de histeria durante os shows, oferta de wallpapers com fotos de cantores (sugerindo o download de posters dos “levitas”), criação de sites não-oficiais e comunidades nas redes sociais altamente devotas dos artistas.


Assim, embora os jovens conversos ao cristianismo abandonem os ídolos da música secular, uma considerável parte dos novos fiéis parece apenas ter trocado de ídolos – os seculares pelos cristãos – tal é o nível de interesse e devoção com que buscam relacionar-se com os cantores do gospel contemporâneo.


Nem todo cantor gospel demonstra interesse no padrão de tratamento “ídolo-fã”. Alguns deles não alimentam esse comportamento. Outros, acreditam que é apenas uma forma de carinho por parte do admirador de sua música. Mesmo assim, há espectadores que se comportam como fãs, embora isso também dependa do incentivo do artista.

Alguns dizem que o estilo de música é o gatilho que dispara a reação histérica dos fãs. Ocorre que, no século XIX, o pianista e compositor erudito Franz Liszt incendiava a platéia com suas performances fenomenais. Ele cansou de receber flores, cartas e, veja só, peças íntimas de madames apaixonadas. Mais antigamente ainda, os fãs das óperas de Haendel endeusavam a diva Francesca Cuzzoni com mimos exorbitantes.

Não é todo artista que vibra com o fanatismo. Os Beatles pararam de fazer shows ao vivo no auge da carreira porque já não suportavam os gritos histéricos que sufocavam a música.

Não digo que o público cristão seja um insensato adorador de cantores - embora em alguns casos possa ser. Ou que os fiéis assumam os cantores como seus "ídolos". Não deixa de ser uma relação de admiração e carinho também. Uma relação, aliás, que não dá espaço para qualquer crítica ao artista de sua preferência.

No entanto, alguns artistas gospel já se reportam aos fiéis com expressões como “agradeço a presença dos meus fãs” ou “um beijo para todos os meus fãs”. Tempos estranhos para o cristianismo: ninguém consegue imaginar Pedro e Paulo agradecendo de coração à presença de “fãs gentios”. Hoje se consegue assimilar um cantor cristão mandando um beijo no coração dos seus fãs gentis.

Comentários

Marcelo Silva disse…
Pois é, triste realidade. Admiração e fanatismo tem andando juntas ultimamente em nosso meio.

E o pior: levitas que incentivam!
GETULIO disse…
quanta verdade...
eu presenciei isso quanduh o LEO e o COMMUNION vieram aki em TERESINA para um congresso...nunca vi tanta histeria...tuduh tem limite..bater palmas...ovacionar...mas tava uma coisa de louco...ninguem mal escutava o q eles cantavam...
isso eu sei q acontece em todos os lugares e cm alguns cantores...mas precisa ser mudado pois estamos sendo contaminados...daki a pouco os adventistas vao ter seus fas clubes ...se ja naum têm..
mas depende da reciprocidade dos cantores ...pelo no meu ver o LEO nem da a minima pra isso...ele procura se manter equilibrado...
ainda mais q nos dias de hj as gravadoras gospel tao remando pra esse lado...e atraindo as seculares cm a SONY e a SOM LIVRE...
agora tá nas maos dos cristãos e dos cantores adotarem a postura correta...POIS DEUS PROCURA OS VERDADEIROS ADORADORES... E NAO FÃS..PENSEM NISSO...!!!
robélyo disse…
Na verdade, bater palmas é apenas pra mostrar que gostamos do que acabamos de presenciar. Isso é fato!
Como não gosto de música brasileira, muito menos a gospel que é um lixo, apenas uma cantora aqui do Brasil eu ouço e gosto tanto do seu estilo e música pois ela é única: é a Samadello. O resto, nem perco meu tempo!
joêzer disse…
Marcelo,
como você bem percebeu, "levitas" tb incentivam o fã.

Getúlio,
tb vi (em São Luis) o Leonardo Gonçalves interromper a música que estava cantando por causa dos gritos e começar a cantar a capella o hino "bem junto a Cristo". dali pra frente o público se comportou diferente.

Robelyo,
talvez com um pouco mais de curiosidade vc possa descobrir a boa música brasileira, inclusive aquela a que chamamos cristã.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…