Pular para o conteúdo principal

a igreja que virou fã-clube

Sem muita resistência, o mundo gospel não escapou da correnteza avassaladora do fenômeno da celebridade na cultura moderna.

Assim, o marketing da indústria fonográfica gospel procura gerar uma identificação do público com o cantor de uma forma semelhante ao modo de construção de mecanismos de comunicabilidade da mídia secular: a divulgação do CD/DVD que ressalta o sucesso do artista, competições e eventos que premiam os "melhores do ano", a promoção de tarde de autógrafos ou de visitação aos bastidores, programas de TV e revistas evangélicas que mostram casamentos, aniversários e a própria casa dos cantores gospel, e assim por diante.


Para Neal Gabler, autor do livro Vida, o filme, o culto à celebridade está substituindo a religião organizada e a própria religião tem se adaptado aos novos tempos ao assimilar a cultura do consumo e empregar estratégias similares às da comunicação midiática secular.


Mesmo que os artistas gospel autointitulem-se “levitas” ou “ministros”, vemos que o relacionamento entre “ministros” e “fiéis” por vezes segue o padrão de tratamento mútuo entre “ídolos” e “fãs” seculares, como demonstrações de histeria durante os shows, oferta de wallpapers com fotos de cantores (sugerindo o download de posters dos “levitas”), criação de sites não-oficiais e comunidades nas redes sociais altamente devotas dos artistas.


Assim, embora os jovens conversos ao cristianismo abandonem os ídolos da música secular, uma considerável parte dos novos fiéis parece apenas ter trocado de ídolos – os seculares pelos cristãos – tal é o nível de interesse e devoção com que buscam relacionar-se com os cantores do gospel contemporâneo.


Nem todo cantor gospel demonstra interesse no padrão de tratamento “ídolo-fã”. Alguns deles não alimentam esse comportamento. Outros, acreditam que é apenas uma forma de carinho por parte do admirador de sua música. Mesmo assim, há espectadores que se comportam como fãs, embora isso também dependa do incentivo do artista.

Alguns dizem que o estilo de música é o gatilho que dispara a reação histérica dos fãs. Ocorre que, no século XIX, o pianista e compositor erudito Franz Liszt incendiava a platéia com suas performances fenomenais. Ele cansou de receber flores, cartas e, veja só, peças íntimas de madames apaixonadas. Mais antigamente ainda, os fãs das óperas de Haendel endeusavam a diva Francesca Cuzzoni com mimos exorbitantes.

Não é todo artista que vibra com o fanatismo. Os Beatles pararam de fazer shows ao vivo no auge da carreira porque já não suportavam os gritos histéricos que sufocavam a música.

Não digo que o público cristão seja um insensato adorador de cantores - embora em alguns casos possa ser. Ou que os fiéis assumam os cantores como seus "ídolos". Não deixa de ser uma relação de admiração e carinho também. Uma relação, aliás, que não dá espaço para qualquer crítica ao artista de sua preferência.

No entanto, alguns artistas gospel já se reportam aos fiéis com expressões como “agradeço a presença dos meus fãs” ou “um beijo para todos os meus fãs”. Tempos estranhos para o cristianismo: ninguém consegue imaginar Pedro e Paulo agradecendo de coração à presença de “fãs gentios”. Hoje se consegue assimilar um cantor cristão mandando um beijo no coração dos seus fãs gentis.

Comentários

Marcelo Silva disse…
Pois é, triste realidade. Admiração e fanatismo tem andando juntas ultimamente em nosso meio.

E o pior: levitas que incentivam!
GETULIO disse…
quanta verdade...
eu presenciei isso quanduh o LEO e o COMMUNION vieram aki em TERESINA para um congresso...nunca vi tanta histeria...tuduh tem limite..bater palmas...ovacionar...mas tava uma coisa de louco...ninguem mal escutava o q eles cantavam...
isso eu sei q acontece em todos os lugares e cm alguns cantores...mas precisa ser mudado pois estamos sendo contaminados...daki a pouco os adventistas vao ter seus fas clubes ...se ja naum têm..
mas depende da reciprocidade dos cantores ...pelo no meu ver o LEO nem da a minima pra isso...ele procura se manter equilibrado...
ainda mais q nos dias de hj as gravadoras gospel tao remando pra esse lado...e atraindo as seculares cm a SONY e a SOM LIVRE...
agora tá nas maos dos cristãos e dos cantores adotarem a postura correta...POIS DEUS PROCURA OS VERDADEIROS ADORADORES... E NAO FÃS..PENSEM NISSO...!!!
robélyo disse…
Na verdade, bater palmas é apenas pra mostrar que gostamos do que acabamos de presenciar. Isso é fato!
Como não gosto de música brasileira, muito menos a gospel que é um lixo, apenas uma cantora aqui do Brasil eu ouço e gosto tanto do seu estilo e música pois ela é única: é a Samadello. O resto, nem perco meu tempo!
joêzer disse…
Marcelo,
como você bem percebeu, "levitas" tb incentivam o fã.

Getúlio,
tb vi (em São Luis) o Leonardo Gonçalves interromper a música que estava cantando por causa dos gritos e começar a cantar a capella o hino "bem junto a Cristo". dali pra frente o público se comportou diferente.

Robelyo,
talvez com um pouco mais de curiosidade vc possa descobrir a boa música brasileira, inclusive aquela a que chamamos cristã.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta