Pular para o conteúdo principal

o medo de napoleão diante do pênalti

1998. O Stade de France nunca esteve tão lotado. Desde a queda da Bastilha não se via tanta gente nas ruas. Nunca antes na história das revoluções uma seleção francesa chegara a uma final de Copa do Mundo. Por isso, até o mais empedernido existencialista e o mais cético descontrucionista acreditavam que o time francês triunfaria napoleonicamente sobre a seleção brasileira. Yes, oui can!

Os apólogos do patrimônio lingüístico francês achavam que a vitória estava prenunciada na simples escalação. Um time com nomes tão sans-culotte como dunga, bebeto, cafu e junior baiano jamais poderia vencer uma seleção de nomes tão plenos de finesse et elegance como Laurent Blanc, Marcel Desailly, Fabian Barthez e, claro, Zinedine Zidane.

Começa o jogo e, logo no primeiro escanteio, Zidane pula e dá com a cabeça na cabeça schwarzeneggeriana de Dunga. A bola escapole para os pés de Ronaldo, que dispara fulminante em direção ao gol francês e marca. Brasil 1 x 0 França.

A França pressiona. Allons enfant. Novo escanteio. A bola atravessa a grande área brasileira e passa direto por cima de Zidane, que estava abaixado ajeitando o meião. Cafu tira a bola da área. A pelota procura os pés de Ronaldinho outra vez. E, mais leve que um dito espirituoso de Voltaire, ele desembesta pelo campo e dribla o meio-campo, o lateral, o zagueiro, o Asterix, o Obelix e chuta: Brasil 2 x 0.

Segundo tempo. A torcida francesa continua a cantar "A Marselhesa". Filósofos do mundo inteiro presentes no estádio estão admirados com a persistência dos franceses. Até agora, apesar da derrota, ninguém se atirou no Sena, ninguém desligou a TV e foi ler Sartre. Os primeiros 45 foram dolorosos, mas já passaram e não adianta ficar em busca do primeiro tempo perdido.

O juiz apita. Pênalti contra a França. As câmeras mostram Zidane desferindo uma cabeçada no peito de Junior Baiano. Zidane é expulso, Ronaldo cobra o pênalti, a França perde, as guilhotinas começam a ser afiadas.

Depois daquele jogo, Zidane abandonou os campos, passou a beber, engordou e só se vê sua triste e rotunda figura em jogos beneficentes.

“Zidane, acorda, acorda”. “Oui, d’accord, d’accord”. “Você está batendo a cabeça na poltrona da frente”. “Eu estava sonhando. Terrible. Terrible”. Na hora em que ônibus chega ao estádio, Zidane lembra que estão em 2006 e vão jogar de novo contra o Brasil em uma Copa do Mundo. Ele levanta, passa a mão na barriga lisa e sorri.

Mais:
Outra fábula menor sobre pênaltis e sonhos, ambos perdidos por Edmundo


Comentários

rafael disse…
óTIMA!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…