Pular para o conteúdo principal

o medo de napoleão diante do pênalti

1998. O Stade de France nunca esteve tão lotado. Desde a queda da Bastilha não se via tanta gente nas ruas. Nunca antes na história das revoluções uma seleção francesa chegara a uma final de Copa do Mundo. Por isso, até o mais empedernido existencialista e o mais cético descontrucionista acreditavam que o time francês triunfaria napoleonicamente sobre a seleção brasileira. Yes, oui can!

Os apólogos do patrimônio lingüístico francês achavam que a vitória estava prenunciada na simples escalação. Um time com nomes tão sans-culotte como dunga, bebeto, cafu e junior baiano jamais poderia vencer uma seleção de nomes tão plenos de finesse et elegance como Laurent Blanc, Marcel Desailly, Fabian Barthez e, claro, Zinedine Zidane.

Começa o jogo e, logo no primeiro escanteio, Zidane pula e dá com a cabeça na cabeça schwarzeneggeriana de Dunga. A bola escapole para os pés de Ronaldo, que dispara fulminante em direção ao gol francês e marca. Brasil 1 x 0 França.

A França pressiona. Allons enfant. Novo escanteio. A bola atravessa a grande área brasileira e passa direto por cima de Zidane, que estava abaixado ajeitando o meião. Cafu tira a bola da área. A pelota procura os pés de Ronaldinho outra vez. E, mais leve que um dito espirituoso de Voltaire, ele desembesta pelo campo e dribla o meio-campo, o lateral, o zagueiro, o Asterix, o Obelix e chuta: Brasil 2 x 0.

Segundo tempo. A torcida francesa continua a cantar "A Marselhesa". Filósofos do mundo inteiro presentes no estádio estão admirados com a persistência dos franceses. Até agora, apesar da derrota, ninguém se atirou no Sena, ninguém desligou a TV e foi ler Sartre. Os primeiros 45 foram dolorosos, mas já passaram e não adianta ficar em busca do primeiro tempo perdido.

O juiz apita. Pênalti contra a França. As câmeras mostram Zidane desferindo uma cabeçada no peito de Junior Baiano. Zidane é expulso, Ronaldo cobra o pênalti, a França perde, as guilhotinas começam a ser afiadas.

Depois daquele jogo, Zidane abandonou os campos, passou a beber, engordou e só se vê sua triste e rotunda figura em jogos beneficentes.

“Zidane, acorda, acorda”. “Oui, d’accord, d’accord”. “Você está batendo a cabeça na poltrona da frente”. “Eu estava sonhando. Terrible. Terrible”. Na hora em que ônibus chega ao estádio, Zidane lembra que estão em 2006 e vão jogar de novo contra o Brasil em uma Copa do Mundo. Ele levanta, passa a mão na barriga lisa e sorri.

Mais:
Outra fábula menor sobre pênaltis e sonhos, ambos perdidos por Edmundo


Comentários

rafael disse…
óTIMA!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta