Pular para o conteúdo principal

o Oscar é uma piada ruim

O que esperar de um show em que as pessoas vão ao teatro Kodak para escolher o melhor filme? Que seja mais do que um trocadilho ruim.

É curioso como americano consegue fazer filmes divertidos a partir de um fiapo de história (e histórias repetidas) mas não consegue tornar a cerimônia do Oscar interessante. Talvez aí esteja o problema: ou é uma cerimônia ou é divertido. As duas coisas juntas são tão inconciliáveis como "suaves prestações", "paz no Rio", "Corinthians campeão da Libertadores", etc.

Ruim: as piadinhas dos apresentadores são fracas. Pior: você tem que ser brasileiro e assistir as piadinhas do Oscar na voz marcante da tradução simultânea da TNT. Muito pior: você ainda tem que ouvir os comentários pertinentes de José Wilker (Globo) e Rubens Ewald Filho (TNT). Pelo menos ainda não tem os comentários do craque Neto.

Nesse ano, o Brasil concorreu com o documentário Lixo Extraordinário. Com esse título, eu não sabia se era só um filme nacional ou o conjunto da obra do cinema tupiniquim.

E os troféus do Oscar foram justos? Merecimento e justiça é o que menos existe ali. Se até Roberto Begnini (A vida é bela) já ganhou como melhor ator em 1999 é porque não dá pra levar o Oscar a sério (o equivalente é José Sarney ganhar o Nobel de Literatura).

Houve injustiças irreparáveis, como a ausência de José Serra na lista de indicados a melhor ator junto com a bolinha de papel na lista de efeitos visuais. Fora que o programa eleitoral do PT deveria ganhar com folga o Oscar de melhor maquiagem.

Ainda não vi O discurso do rei, que ganhou o Oscar de melhor filme. Mas vi o belíssimo Toy Story 3 e duvido que Hollywood tenha feito coisa melhor no ano passado.

O outro favorito a melhor filme era aquele sobre o garoto do Facebook, A rede social, um retrato sem photoshop de uma geração que criou um programa para ajuntar pessoas no mundo virtual e ao mesmo tempo segue carente de relacionamentos reais. Mas os eleitores do Oscar "não curtiram" isso.

Pelas resenhas de críticos e blogueiros, O discurso do rei logo será esquecido, enquanto A rede social pode virar um marco. Se isso se confirmar, o segundo ainda estará em ótima companhia, como frisou Steven Spielberg ao anunciar o vencedor:

- As vinhas da ira (1940), retrato da depressão americana, não ganhou.
- Juventude Transviada (1955), que sinalizava para as mudanças entre os jovens, não ganhou.
- Todos os homens do presidente (que não pôs panos quentes no caso Watergate) e Rede de intrigas (que satirizava a guerra pelos índices de audiência na tv) perderam em 1977 para Rocky, o lutador.
- Apocalypse Now e seu imenso painel da loucura de qualquer guerra, não ganhou.
- Os Eleitos (1983), sobre os efeitos da corrida espacial, não ganhou.
- A ternura de ET e a denúncia das ditaduras Desaparecido perderam em 1983.
- No ano de Show de Truman e O resgate do soldado Ryan, ganhou Shakespeare apaixonado.

Nenhum desses grandes filmes perdeu para filmes ruins. Mas hoje parece piada, não? E como toda piada de Oscar...
  


 

Comentários

Angelo Repetto disse…
E o Oscar de melhor artigo sobre o Oscar vai para... Joêzer Mendonça.
joêzer disse…
ôpa, valeu. tomara que não toquem a musiquinha na hora em que eu estiver fazendo meu discurso de agradecimento.
marcio goncalves disse…
eu não indico, hehehe.
Como vc pode dizer que o Oscar não curtiu se foi nomeado um tanto de vezes? Claro que o Oscar curtiu!
Eu ainda levo o Oscar a sério, pelo menos bem mais do que outros prêmios por aí (Grammy & Cia.), embora sempre tenha achado as escolhas do Golden Globe mais acertadas.
O programa foi fraco pelo apresentador fraco (apresentadora foi ok) e pelas expecativas exageradas; o tema foi bem interessante (passado dos filmes e do Oscar), e a apresentadora foi ok. Mas quem já viu Billy Crystal sabe que a apresentação pode fazer a diferença, sim.
E o que vc quer de alguem que acaba de ganhar o maior premio da sua área? Agradecimentos normalmente nao muito interessantes, a nao ser um ou outro "f" word.
O Oscar todo ano chama a atenção para filmes que passariam batidos se não fosse o Oscar, e só por isso vale a pena. Nunca teria assistido, apenas nos anos recentes, filmes como Milk, The Wrestler, The Blind Side, Revolutionary Road e até mesmo The King's Speech, alem de muitos outros. Em geral, filmes indicados ao Oscar tem qualidade... nem importa direito quem leva o prêmio máximo, como o Oscar mesmo disse ontem na apresentação de melhor filme: "O filme a ser anunciado agora entrará numa lista junto com blablabla; e os outros entrarão numa outra lista com Citizen Cane, blablabla (outros filmaços que não levaram)... and that's what i'm talking about!
joêzer disse…
- a academia não curtiu o suficiente para não fazer dele o filme vencedor.
- a indústria leva muito a sério o Oscar. o Oscar é superestimado. inclusive pela crítica que não gosta muito dele, você está certo.
- ano passado foi mais ou menos com o alec baldwin e o steve martin. stand-up americano é fraquinho no oscar.
- não sei onde vc leu que critiquei o discurso de quem ganhou um oscar. se eu ganhasse um prêmio desses eu ficaria bem feliz tb.
- o Oscar como banca (chique) de feira de filmes já tá ótimo.
- por fim, esse é um texto de humor, man. aguarde meu artigo científico a respeito do Oscar. rsrs
abraços
Prof. Kelly disse…
Todo ano, a mesma coisa. Prometo que não vou assistir e lá estou eu assistindo pra no final me arrepender, de novo! Mas, no dia seguinte o que não falta é assunto!! Eu gostei muito do 'Discurso do Rei', mas não sei se escolheria como melhor esse ao invés de 'Cisne Negro' e 'A Origem' ou 'A Rede Social', que foram geniais!! De qualquer forma, no próximo ano será a mesma coisa: assistiremos e reclamaremos!

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…