Pular para o conteúdo principal

o Oscar é uma piada ruim

O que esperar de um show em que as pessoas vão ao teatro Kodak para escolher o melhor filme? Que seja mais do que um trocadilho ruim.

É curioso como americano consegue fazer filmes divertidos a partir de um fiapo de história (e histórias repetidas) mas não consegue tornar a cerimônia do Oscar interessante. Talvez aí esteja o problema: ou é uma cerimônia ou é divertido. As duas coisas juntas são tão inconciliáveis como "suaves prestações", "paz no Rio", "Corinthians campeão da Libertadores", etc.

Ruim: as piadinhas dos apresentadores são fracas. Pior: você tem que ser brasileiro e assistir as piadinhas do Oscar na voz marcante da tradução simultânea da TNT. Muito pior: você ainda tem que ouvir os comentários pertinentes de José Wilker (Globo) e Rubens Ewald Filho (TNT). Pelo menos ainda não tem os comentários do craque Neto.

Nesse ano, o Brasil concorreu com o documentário Lixo Extraordinário. Com esse título, eu não sabia se era só um filme nacional ou o conjunto da obra do cinema tupiniquim.

E os troféus do Oscar foram justos? Merecimento e justiça é o que menos existe ali. Se até Roberto Begnini (A vida é bela) já ganhou como melhor ator em 1999 é porque não dá pra levar o Oscar a sério (o equivalente é José Sarney ganhar o Nobel de Literatura).

Houve injustiças irreparáveis, como a ausência de José Serra na lista de indicados a melhor ator junto com a bolinha de papel na lista de efeitos visuais. Fora que o programa eleitoral do PT deveria ganhar com folga o Oscar de melhor maquiagem.

Ainda não vi O discurso do rei, que ganhou o Oscar de melhor filme. Mas vi o belíssimo Toy Story 3 e duvido que Hollywood tenha feito coisa melhor no ano passado.

O outro favorito a melhor filme era aquele sobre o garoto do Facebook, A rede social, um retrato sem photoshop de uma geração que criou um programa para ajuntar pessoas no mundo virtual e ao mesmo tempo segue carente de relacionamentos reais. Mas os eleitores do Oscar "não curtiram" isso.

Pelas resenhas de críticos e blogueiros, O discurso do rei logo será esquecido, enquanto A rede social pode virar um marco. Se isso se confirmar, o segundo ainda estará em ótima companhia, como frisou Steven Spielberg ao anunciar o vencedor:

- As vinhas da ira (1940), retrato da depressão americana, não ganhou.
- Juventude Transviada (1955), que sinalizava para as mudanças entre os jovens, não ganhou.
- Todos os homens do presidente (que não pôs panos quentes no caso Watergate) e Rede de intrigas (que satirizava a guerra pelos índices de audiência na tv) perderam em 1977 para Rocky, o lutador.
- Apocalypse Now e seu imenso painel da loucura de qualquer guerra, não ganhou.
- Os Eleitos (1983), sobre os efeitos da corrida espacial, não ganhou.
- A ternura de ET e a denúncia das ditaduras Desaparecido perderam em 1983.
- No ano de Show de Truman e O resgate do soldado Ryan, ganhou Shakespeare apaixonado.

Nenhum desses grandes filmes perdeu para filmes ruins. Mas hoje parece piada, não? E como toda piada de Oscar...
  


 

Comentários

Angelo Repetto disse…
E o Oscar de melhor artigo sobre o Oscar vai para... Joêzer Mendonça.
joêzer disse…
ôpa, valeu. tomara que não toquem a musiquinha na hora em que eu estiver fazendo meu discurso de agradecimento.
marcio goncalves disse…
eu não indico, hehehe.
Como vc pode dizer que o Oscar não curtiu se foi nomeado um tanto de vezes? Claro que o Oscar curtiu!
Eu ainda levo o Oscar a sério, pelo menos bem mais do que outros prêmios por aí (Grammy & Cia.), embora sempre tenha achado as escolhas do Golden Globe mais acertadas.
O programa foi fraco pelo apresentador fraco (apresentadora foi ok) e pelas expecativas exageradas; o tema foi bem interessante (passado dos filmes e do Oscar), e a apresentadora foi ok. Mas quem já viu Billy Crystal sabe que a apresentação pode fazer a diferença, sim.
E o que vc quer de alguem que acaba de ganhar o maior premio da sua área? Agradecimentos normalmente nao muito interessantes, a nao ser um ou outro "f" word.
O Oscar todo ano chama a atenção para filmes que passariam batidos se não fosse o Oscar, e só por isso vale a pena. Nunca teria assistido, apenas nos anos recentes, filmes como Milk, The Wrestler, The Blind Side, Revolutionary Road e até mesmo The King's Speech, alem de muitos outros. Em geral, filmes indicados ao Oscar tem qualidade... nem importa direito quem leva o prêmio máximo, como o Oscar mesmo disse ontem na apresentação de melhor filme: "O filme a ser anunciado agora entrará numa lista junto com blablabla; e os outros entrarão numa outra lista com Citizen Cane, blablabla (outros filmaços que não levaram)... and that's what i'm talking about!
joêzer disse…
- a academia não curtiu o suficiente para não fazer dele o filme vencedor.
- a indústria leva muito a sério o Oscar. o Oscar é superestimado. inclusive pela crítica que não gosta muito dele, você está certo.
- ano passado foi mais ou menos com o alec baldwin e o steve martin. stand-up americano é fraquinho no oscar.
- não sei onde vc leu que critiquei o discurso de quem ganhou um oscar. se eu ganhasse um prêmio desses eu ficaria bem feliz tb.
- o Oscar como banca (chique) de feira de filmes já tá ótimo.
- por fim, esse é um texto de humor, man. aguarde meu artigo científico a respeito do Oscar. rsrs
abraços
Prof. Kelly disse…
Todo ano, a mesma coisa. Prometo que não vou assistir e lá estou eu assistindo pra no final me arrepender, de novo! Mas, no dia seguinte o que não falta é assunto!! Eu gostei muito do 'Discurso do Rei', mas não sei se escolheria como melhor esse ao invés de 'Cisne Negro' e 'A Origem' ou 'A Rede Social', que foram geniais!! De qualquer forma, no próximo ano será a mesma coisa: assistiremos e reclamaremos!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta