Pular para o conteúdo principal

maurice jarre: compositor do épico étnico

Maurice Jarre (1924-2009) talvez não tenha sido em vida o melhor compositor francês de música para cinema. Michel Legrand e George Delerue foram mais inventivos, mas Maurice Jarre certamente compôs temas mais inesquecíveis. Ajuda também o fato de que Jarre trabalhou muito em filmes ingleses e americanos, em épicos de ação e romance, o que deixa seu legado musical bem mais notório do que as intimistas produções de seus compatriotas músicos.

Ainda na França, nos anos 50, Maurice Jarre se dedicou a estudar a música considerada étnica, ou seja, aquela que, por não ser europeia nem norte-americana, as academias relegam para o limbo das matérias opcionais. Esses estudos devem ter auxiliado o músico francês durante a elaboração das partituras dos filmes em que trabalhou. Principalmente naqueles em que foi parceiro do cineasta David Lean.

Sua trilha mais famosa é a que gerou mais controvérsia. Por Doutor Jivago (1965), o último épico romântico em que adultos formam o par central, Jarre foi criticado por ter diluído temas do folclore russo e criar uma trilha sonora mais “francesa” do que “russa”. Para piorar as coisas, Ray Conniff, um dos magos do kitsch romântico-exótico (o outro era Paul Mauriat), gravou um arranjo do "Tema de Lara" e chegou ao Top Ten das paradas americanas. O que alguns críticos não quiseram perceber é que, assim como o genial David Lean transformou o romance de Boris Pasternak em uma espécie de ...E o Vento Levou na neve, a música de Jarre usou temas russos para fazer temas desbragadamente românticos.

A trilha de Lawrence da Arábia (1962), pela qual ganhou seu primeiro Oscar, é magnífica. A música tem um sabor ocidental demais? Ora, o filme é sobre um aventureiro inglês na Arábia, não é um manifesto muçulmano contra os ataques em Gaza. Há uma lenda roliudiana que conta que Steven Spielberg, ainda universitário, teria se decidido pela carreira de cineasta depois que assistiu a esse absolutamente grandioso filme de David Lean. O terceiro Oscar veio por mais uma trilha étnica; no caso, outra parceria com Lean, Passagem para a Índia (1984).

Maurice Jarre parecia talhado para épicos em “terras distantes”, pois ainda aceitaria fazer a música para outro ótimo filme, O Homem que Queria Ser Rei (1975). Embora este fosse menos ação e mais humor sardônico; para quem conhece, basta dizer que a dupla de aventureiros é feita por Sean Connery e Michael Caine. Nos anos 80, suas trilhas se tornaram mais discretas, mas não menos precisas, como em A Testemunha (1985) e Sociedade dos Poetas Mortos (1989). Aos 65 anos, ainda encarou um ectoplasma apaixonado e fez a trilha de Ghost (1990). Bem, pelo menos não é dele aquela chatíssima canção (uôôôô, mááái looove...) que apavorava rádios, restaurantes e recepções de casamento.
Neste link, uma seleção de trechos de trilhas de Maurice Jarre. Abaixo, o próprio compositor regendo o tema de abertura de Lawrence da Arábia:

Comentários

caro Joêzer,
ainda bem que você citou o Michel Legrand... em minha leiguice quanto aos grandes compositores de trilhas sonoras, mesmo assim me arrisco em dizer que Legrand se tornou lendário ao fazer 'Yentl'. Não sei se você conhece, mas, EMO, é o ápice e onde um dia sonho em chegar em termos de criatividade e musicalidade (salvo alguns eruditos; temos que ter metas, não é? ;)).
Não conheço o George... quais as trilhas dele (estou com preguiça de googliar)?
forte abraço
shalom
joêzer disse…
do michel legrand um dia ainda escrevo um post sobre a beleza que é a trilha de "os guarda-chuvas do amor".
da parceria do delerue com françois truffaut (e que eu conheço), tem a obra-prima que é a música de Jules et Jim, e as belas trilhas de A Noite Americana e O Último Metrô.
A música composta para Hiroshima Mon Amour foi feita naquela época das experiências de Pierre Schaffer e Pierre Boulez. E no filme ficou ótimo.
Sei que ele ganhou o Oscar por um filme que nunca vi (Um Pequeno Romance).
Ele fez para Platoon mas eu só lembro da música do Samuel Barber, o adágio para cordas.

abraço
sergio maia disse…
cara, não sei vc. Mas eu tokei muito em casamento o Tema de Lara. Eu tinha a redução par piano da Hal Leonard.hehe
joêzer disse…
eu também toquei essa música. eu não tinha a partitura e ficava ouvindo o richard clayderman (sim, confesso) e tirando de ouvidão.
quando mais tarde peguei a partitura, vi que fazia umas digitações que só complicavam o que na partitura era simples.

abraços, sergito

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta