Pular para o conteúdo principal

entre os muros da escola

A maioria dos filmes sobre a questão escolar sempre amarra as pontas no final da história. A diretora vilã é humilhada, os alunos incorrigíveis se tornam grandes amantes de literatura e música, o professor que supera todos os desafios ou é transferido ou demitido ou tem sua vida pessoal abalada… Ponha no mesmo pacote: Ao mestre com carinho, Sociedade dos poetas mortos, Conrack, Mr. Holland - adorável professor, Escritores da liberdade etc. Estes filmes têm suas qualidades e defeitos em graus variados mas todos incorrem na romantização da vida escolar.

Entre os Muros da Escola reabre a discussão em outro patamar: sem lágrimas, sem musiquinha para emocionar, sem sonhos realizados no final. Afinal, o diretor não é o Augusto Cury.
Pode parecer pessimista ou até niilista. Mas o filme não nos entretém com uma historinha idealizada da relação professor-aluno, não nos tenta convencer da existência de um professor que tudo espera e suporta, não nos dá respostas prontas, não força nossa adesão sentimental, não nos diz olha como é lindo um professor que se entrega de coração à licenciatura.

François Bégaudeau (professor e autor do livro que inspirou o filme) interpreta um professor humano, com suas dúvidas, falhas e acertos na sala de aula. Aliás, o filme é quase inteiramente filmado numa sala de aula, com alunos reais e professores reais que dão nuances à relação professor-aluno raramente vistas no cinema.

A história aponta para a falência de um sistema educacional que não entende a multiculturalidade atual e as novas demandas de afirmação social da juventude. Numa visão macro, aquela sala de aula representa uma França (e uma Europa) repentinamente multiétnica, tendo que exercer seus ditos valores humanistas/cristãos de fraternidade e igualdade, mas às voltas com a intolerância e a xenofobia. De outro lado, Entre os Muros também funciona como um microcosmo de uma sociedade que deu corda ao adolescente e não sabe como fazê-lo se interessar pelo saber escolar e pelas formas clássicas de cultura.

Um filme com jeitão de documentário como esse pode parecer desanimador para muita gente. Isso mostra uma sociedade tão acostumada ao entretenimento que passar a desejar o tratamento meloso de um tema espinhoso e a preferir uma sessão imediatista de catarse a um filme como Entre os Muros, que se propõe a narrar uma história sem velhos artifícios de conquista do espectador.

Sociedade dos poetas… ou Escritores da Liberdade são filmes inspiradores mas, como um bom produto americano, centralizam-se na luta de um indivíduo persistente contra um sistema cruel. Enquanto o também francês Quando Tudo Começa (1999) mostrava com realismo o cotidiano de um professor, Entre os Muros da Escola flagra o convívio diário das relações professor-aluno, aluno-aluno, professor-professor, pais-escola, retratando sessões de confronto e compreensão, preconceito e companheirismo, alargando o campo de visão no entendimento das estratégias educacionais e das perspectivas do estudante adolescente. Nisso reside a força desse grande filme.

Comentários

Prof. Kelly disse…
Ótimo filme... real até o último minuto!! Ser professor é isso, "é ser abençoado com um fardo" (frase do Escritores da Liberdade)!
joêzer disse…
kelly,
o paradoxo da profissão foi bem lembrado por você.
Lux disse…
Ai, o post me emocionou, heheheh
mas isso é porque estou às vésperas de me licenciar :-)
joêzer disse…
lux,
bem-vinda ao clube!
Anônimo disse…
gosto dos seus comentários sobre filmes. esse em especial é perfeito...
shalom
edson
joêzer disse…
caro edson,
esse filme merece.
e obrigado.
Victor Meira disse…
Filmão, Joêzer. É pé no chão, e a linguagem que se aproxima à de um documentário dá veracidade ao argumento do filme.

Boa leitura a tua.
Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta