Pular para o conteúdo principal

a Paixão segundo mel gibson

Desde seu lançamento, em 2004, A Paixão de Cristo, é um dos filmes que mais tem emocionado o público cristão e dividido a plateia. Teria o diretor, o católico Mel Gibson, exagerado nas cenas de violência impostas a Jesus ou o realismo sanguinolento do filme contribui para comover a sensibilidade moderna? A estilização promovida pelo jogo de iluminação e enquadramento está a serviço do antissemitismo ou está contando uma velha e tocante história com a linguagem de hoje?

As cenas filmadas que desfiguram o corpo de Jesus são brutais e incômodas. A plateia atual, espremida entre a violência crua dos telejornais e a barbárie dos filmes de ação, se mostra cada vez menos sensível à brutalidade, o que gera um aumento de violência nas encenações cinematográficas, que por sua vez dessensibiliza ainda mais as plateias, o que leva os cineastas a aumentar o teor de crueldade nos filmes. Não é um círculo. É uma progressão escalar.

Se os filmes clássicos sobre a vida de Jesus ofereciam um retrato respeitoso e distanciado da Paixão, a hiperviolência é o método empregado por Mel Gibson para suscetibilizar o público de hoje. Porém, pode-se questionar a validade ética de uma pregação violenta para uma plateia acostumada a violência.

Para alguns, o antissemitismo do filme estaria nas cenas da multidão de judeus que grita e assume a autoria da morte de Cristo. Mas o filme também dá importância a outros judeus, como os discípulos, Simão Cirineu, Maria Madalena e a mãe de Jesus, Maria. Devido à leitura católica de Mel Gibson, Maria recebe tratamento diferenciado.

Foram as convicções católicas de Gibson que o levaram até o livro "A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo", publicado em 1833 por Clemens Brentano a partir de visões da mística alemã Anna Catharina Emmerich. Republicado em 2009 pela Editora Paulus com o título "A Paixão de Jesus Cristo", o livro traz os relatos que "descrevem ainda mais pormenorizadamente os sofrimentos e os passos do Salvador na dolorosa paixão". Anna Emmerich (1774-1824), cujo processo de canonização está envolto em polêmicas, caiu enferma aos 16 anos e, desde então, teria passado a relatar visões e revelações da vida de Jesus.

O próprio Mel Gibson acrescenta detalhes pessoais ao seu relato da Paixão: a representação de demônios interpretados por crianças, encenando a humanidade que não se portava como filhos de Deus, mas como filhos de Satanás; o diabo com feições andróginas; o corvo que arranca os olhos do ladrão que zomba de Cristo na cruz; os instrumentos de tortura que arrepiam as plateias. Vale lembrar que não se pode jamais entregar uma história real ao espectador. Mesmo um documentário será somente a visão (editada) de seus realizadores. A Paixão de Cristo é uma representação de um fato, nunca o fato em si, e os acréscimos de Mel Gibson são uma forma simbólica de falar a linguagem do público.

O aparato técnico do filme é de grande qualidade, como a iluminação expressionista, de cores sombrias e fortes contrastes. A fotografia é do craque Caleb Deschanel, cujos enquadramentos inspiram-se nos quadros do renascentista Caravaggio. A trilha sonora de John Debney, com percussão étnica apurada e vocais emocionantes, aumenta a sensação de opressão e solenidade.
Enfim, o propósito do diretor era certamente fortalecer a fé dos cristãos, sendo a hiperviolência e os detalhes não-bíblicos os meios questionáveis da Paixão segundo Mel Gibson.

Atualização:
Um blog não tem tempo nem espaço para aprofundar questões. Se puder fazer as perguntas certas e mostrar outras leituras já está ótimo. Quem vai fundo na discussão das controvérsias sobre o filme acima são os autores de Paixão de Cristo: Mel Gibson e a Filosofia (org. William Irwin).

Comentários

Rdriigo disse…
boa avaliação do filme
joêzer disse…
valeu, meu caro.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta