Pular para o conteúdo principal

a Paixão segundo mel gibson

Desde seu lançamento, em 2004, A Paixão de Cristo, é um dos filmes que mais tem emocionado o público cristão e dividido a plateia. Teria o diretor, o católico Mel Gibson, exagerado nas cenas de violência impostas a Jesus ou o realismo sanguinolento do filme contribui para comover a sensibilidade moderna? A estilização promovida pelo jogo de iluminação e enquadramento está a serviço do antissemitismo ou está contando uma velha e tocante história com a linguagem de hoje?

As cenas filmadas que desfiguram o corpo de Jesus são brutais e incômodas. A plateia atual, espremida entre a violência crua dos telejornais e a barbárie dos filmes de ação, se mostra cada vez menos sensível à brutalidade, o que gera um aumento de violência nas encenações cinematográficas, que por sua vez dessensibiliza ainda mais as plateias, o que leva os cineastas a aumentar o teor de crueldade nos filmes. Não é um círculo. É uma progressão escalar.

Se os filmes clássicos sobre a vida de Jesus ofereciam um retrato respeitoso e distanciado da Paixão, a hiperviolência é o método empregado por Mel Gibson para suscetibilizar o público de hoje. Porém, pode-se questionar a validade ética de uma pregação violenta para uma plateia acostumada a violência.

Para alguns, o antissemitismo do filme estaria nas cenas da multidão de judeus que grita e assume a autoria da morte de Cristo. Mas o filme também dá importância a outros judeus, como os discípulos, Simão Cirineu, Maria Madalena e a mãe de Jesus, Maria. Devido à leitura católica de Mel Gibson, Maria recebe tratamento diferenciado.

Foram as convicções católicas de Gibson que o levaram até o livro "A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo", publicado em 1833 por Clemens Brentano a partir de visões da mística alemã Anna Catharina Emmerich. Republicado em 2009 pela Editora Paulus com o título "A Paixão de Jesus Cristo", o livro traz os relatos que "descrevem ainda mais pormenorizadamente os sofrimentos e os passos do Salvador na dolorosa paixão". Anna Emmerich (1774-1824), cujo processo de canonização está envolto em polêmicas, caiu enferma aos 16 anos e, desde então, teria passado a relatar visões e revelações da vida de Jesus.

O próprio Mel Gibson acrescenta detalhes pessoais ao seu relato da Paixão: a representação de demônios interpretados por crianças, encenando a humanidade que não se portava como filhos de Deus, mas como filhos de Satanás; o diabo com feições andróginas; o corvo que arranca os olhos do ladrão que zomba de Cristo na cruz; os instrumentos de tortura que arrepiam as plateias. Vale lembrar que não se pode jamais entregar uma história real ao espectador. Mesmo um documentário será somente a visão (editada) de seus realizadores. A Paixão de Cristo é uma representação de um fato, nunca o fato em si, e os acréscimos de Mel Gibson são uma forma simbólica de falar a linguagem do público.

O aparato técnico do filme é de grande qualidade, como a iluminação expressionista, de cores sombrias e fortes contrastes. A fotografia é do craque Caleb Deschanel, cujos enquadramentos inspiram-se nos quadros do renascentista Caravaggio. A trilha sonora de John Debney, com percussão étnica apurada e vocais emocionantes, aumenta a sensação de opressão e solenidade.
Enfim, o propósito do diretor era certamente fortalecer a fé dos cristãos, sendo a hiperviolência e os detalhes não-bíblicos os meios questionáveis da Paixão segundo Mel Gibson.

Atualização:
Um blog não tem tempo nem espaço para aprofundar questões. Se puder fazer as perguntas certas e mostrar outras leituras já está ótimo. Quem vai fundo na discussão das controvérsias sobre o filme acima são os autores de Paixão de Cristo: Mel Gibson e a Filosofia (org. William Irwin).

Comentários

Rdriigo disse…
boa avaliação do filme
joêzer disse…
valeu, meu caro.

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…