Pular para o conteúdo principal

o chute de Platão: o clássico dos clássicos


O escritor José Roberto Torero "descobriu" fragmentos de um jornal grego e transcreveu inventando o relato de uma partida de futebol disputada em 29 de abril de 312 a.C., desde sempre, a mais clássica de todos os tempos:

O clássico dos clássicos

A final do campeonato deste ano entre os times do Liceu e da Academia foi confusa. Mal começou a partida e os acadêmicos atacaram: Sócrates tocou a esfera para Platão, e este rapidamente devolveu para Pitágoras, que a devolveu para Sócrates, com que o objeto desenhou um belo triângulo escaleno. Então, Sócrates dominou a esfera, girou seu corpo e disparou um petardo contra o arco adversário.

O goleiro do Liceu, Aristóteles, apenas pôde assistir à trajetória do bólido, que bateu na haste superior - à qual os escravos chamam de travessão - e caiu sobre a linha. O problema é que a esfera caiu numa poça d'água, ficando metade para dentro e metade para fora. Imediatamente os jogadores formaram uma roda em torno da esfera e teve início uma emocionante discussão:

"Não poderemos contar esse ponto", disse o arqueiro Aristóteles. "Só meia esfera está adiante da linha e, logicamente, uma metade não pode ser uma totalidade."

Platão rebateu: "Com o devido respeito, brilhante, Aristóteles, não há fração que não contenha parte do todo. Sendo assim, o todo, ao menos em parte, está adiante da linha. Isso nos leva a admitir, ao menos conceitualmente, a existência desse ponto."

"São sábios os argumentos de Platão", secundou Epicuro, lateral esquerdo do Liceu, "mas a parte não contém o espírito do todo, tanto que, se cortarmos o dedo de um homem, ele cairá ao chão, deixando de cumprir suas funções naturais. Daí, concluo que a alma está no todo, mas não na parte, com o que não podemos validar o gol."

"Pobre é a discussão que fica sem o pensamento de Epicuro", disse Zenon, túnica 10 da Academia, "porém a animação, no reino inanimado, não se dá por ligação de veias, mas por prolongamento da essência. Logo, se partimos ao meio uma pedra, uma gota d'água ou a esfera em questão, as duas partes terão idênticas qualidades, o que nos leva a considerar esse ponto como legítimo."

E assim a discussão arrastou-se por uma hora. Nas arquibancadas, os acadêmicos e liceístas vibravam a cada argumento.

Contudo, Beócio, o tosco zagueiro da Academia, irritado com aquela demora, deu um tremendo chute na bola, mandando-a definitivamente para dentro do arco adversário. Como a esfera ainda estava em jogo, o juiz Demócrito não teve outra alternativa a não ser validar o tento.

Aristóteles, irado com a atitude antifilosófica de Beócio, não quis mais argumentar e deu-lhe um soco. Depois, Platão chutou Aristóteles, Epicuro mordeu Sócrates, Zenon esmurrou Pitágoras e logo começou uma gigantesca luta, com todos os atletas agredindo-se mutuamente.

Definitivamente, o futebol não é o esporte da razão.

Do livro de crônicas sobre futebol (Os cabeças-de-bagre também merecem o paraíso), de José Roberto Torero, que reproduzo aqui nesses tempos de amor e ódio ao futebol e no futebol.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta