Pular para o conteúdo principal

o que fazemos com o Cristo vivo?

O que teria acontecido com o corpo de Cristo, sepultado há dois mil anos? Foi sequestrado pelos seus seguidores? Foi escondido pelos romanos? Ou Cristo de fato ressuscitou?

Uma simples resposta positiva a uma das duas primeiras questões mudaria completamente o sentido do cristianismo. O apóstolo Paulo já adiantava as consequências: "Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa fé". No entanto, se sim, Cristo ressuscitou dentre os mortos, então essa verdade não apenas corrobora o cristianismo bíblico como também altera o sentido da existência humana.

Desse modo, a ressurreição de Jesus não seria um mito fundador da religião cristão. Ao contrário, seria uma verdade lógica. Seria um fato. A crença nesse fato mobilizou as primeiras comunidades cristãs que procuravam viver de acordo com os ensinamentos de Cristo. Três desses ensinos moviam seus corações: eles ajudavam-se mutuamente em tudo (o"amai-vos uns aos outros"), eles disseminavam a boa nova do evangelho em todos os lugares (o "ide e pregai"), seus mártires enfrentavam a morte com a inabalável certeza de que um dia ressuscitariam e viveriam com o seu Senhor (o"virei outra vez").

O amor, a missão e a esperança configuraram a crença da igreja primitiva. Tudo isso, porém, estava baseado num fato histórico e não numa lenda edificante. Se a ressurreição é real, então ela deve ser tratada como um fato extraordinário, único. Acreditar nesse fato condiciona todas as ações. Foi assim com os apóstolos, que de homens hesitantes passaram a homens confiantes, intrépidos. Neles cresceu a autoconfiança porque fundamentavam sua confiança no Alto.

O evangelho não pode basear-se somente na “cruz”, mas no “Cristo ressurreto”. Se Cristo de fato ressuscitou, e ressuscitou como fato histórico e não peça mitológica, a Bíblia tem de ser lida à luz desse evento, o que modifica amplamente o sentido da vida e a compreensão teleológica (o propósito, os fins) da história humana.

Assim, me parece que há três modos de agir quanto ao conhecimento da ressurreição:
1) Cristo não ressuscitou, então vã é nossa pregação e vã é nossa fé;
2) Cristo ressuscitou, mas nossa fé é displicente e descompromissada em relação a essa garantia bíblica extraordinária;
3) Cristo ressuscitou e nosso estilo de vida e nossa fé refletem o amor, a missão e a esperança que procedem desse fato.

Então, o que fazemos hoje com o Cristo vivo?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta