Pular para o conteúdo principal

saramago: a ética e a estética

José Saramago foi um artífice da palavra dos últimos 30 anos. Se as convicções de um homem espalham-se como pegadas pela sua obra, é possível enxergar o homem José nas letras de Saramago: seu comunismo retórico, seu ateísmo ortodoxo, seu humanismo ferrenho.

Saramago polarizava os debates: para os cristãos, ele era demasiadamente ateu para ser gênio; para os ateus, ele era gênio inclusive porque não era cristão. Para os cristãos mais liberais, sua estética desculpava sua ética; para os ateus neoliberais, sua gramática não desculpava seu comunismo.

Há quem ache exagerado o foco dos crentes ao Saramago ateu em detrimento do Saramago escritor. Acontece que o autor português fazia questão de destacar nos livros seu anticlericalismo e, sobretudo, suas ideias anti-Deus. De Memorial do Convento a Evangelho segundo Jesus Cristo e chegando a Caim: no pensamento de Saramago, Deus é um obstáculo à liberdade humana e as igrejas são lideradas por gente inescrupulosa e frequentadas por gente cega. Por outro lado, em Ensaio sobre a Cegueira perpassa uma espiritualidade transformadora, ainda que seja uma espiritualidade humanista. Então, como não falar dessa faceta tão marcante do genial escritor?

Em suas concorridas entrevistas, desancava a Igreja Católica e se mostrava estupefato com as atitudes do “Deus do Velho Testamento”. Tinha mais reprimendas a Deus do que a Fidel Castro.

Podemos concordar ou não com as convicções de Saramago. Não podemos é ocultar ou omitir a ética do homem em nome da estética do escritor. Afinal, eles eram a mesma pessoa.

leia também:

Aqui, um conterrâneo de Saramago defende o escritor num breve debate comigo (na seção comentários da postagem José Saramago, sentimental e hormonauta)

E aqui, um conterrâneo de Saramago não toma o partido do escritor.

foto daqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta