Pular para o conteúdo principal

o poeta, a criação e a cruz

Te Vejo Poeta

Te vejo Poeta quando nasce o dia
E no fim do dia, quando a noite vem
Te vejo Poeta na flor escondida
No vento que instiga mais um temporal
Te vejo Poeta no andar das pessoas
Nessas coisas boas que a vida me dá
Te vejo Poeta na velha amizade
Na imensa saudade que trago de lá
Contudo um poema, Tua obra de arte
Destaca-se à parte numa cruz vulgar
Custando o suplício do Teu Filho amado
Mais alta expressão do ato de amar

Certa vez, a crítica teatral Barbara Heliodora disse que as únicas imagens que não podiam ser criticadas eram as imagens reais da natureza. “Ninguém vê um pôr-do-sol e diz: ah, este pôr-do-sol está muito acadêmico”. De fato, para criticar a natureza é preciso níveis absurdos de rabujice. E quando falo natureza me refiro ao que o ser humano ainda não conseguiu destruir: a formação das nuvens, a alvorada, uma colina, uma árvore.

"Os céus proclamam a glória da criação", cantava Davi, o rei-poeta, quando, maravilhado, ficava a pensar nas obras das mãos criadoras de Deus. Os autores dessa pequena-grande canção, João Alexandre e Guilherme Kerr Neto, deviam estar com a mente repleta de lembranças bonitas do contato rotineiro com a natureza. A pontualidade da maré, o incansável surgir do sol no horizonte, a majestade de uma grande árvore; tudo é tão cotidiano que é fácil perder a capacidade de nos maravilharmos com a natureza.

Os compositores estão aí para nos lembrar que o Criador é muito mais do que um arquiteto. É um Poeta. Um Poeta que espelha Seu amor no Filho e espalha Seu dom nos seres criados.

Te vejo Poeta quando nasce o dia
E no fim do dia, quando a noite vem
Te vejo Poeta na flor escondida
No vento que instiga mais um temporal

A letra da música fala de alguém que é capaz de perceber o Poeta revelado nas obras, como um pintor cuja autoria é identificada nas cores e traços de um quadro. Esse eu-lírico vê a poesia tanto na aurora quanto no entardecer. Isso a canção deixa claro: Deus não está no dia, na noite, no vento, na flor. Antes, é a natureza que manifesta as digitais de um Criador.

Já se disse que o primeiro a rimar flor com amor foi um gênio; o segundo, um plagiador sem criatividade. Os autores de Te Vejo Poeta escapam da rima desgastada. Assim, a última sílaba de um verso nem sempre vai encontrar uma rima no fim do verso seguinte; a rima às vezes está no centro do próximo verso:
Te vejo Poeta na flor escondida /no vento que instiga mais um temporal Te vejo Poeta no andar das pessoas / nessas coisas boas que a vida me dá Te vejo Poeta na velha amizade/ Na imensa saudade que trago de lá

A canção anuncia que há algo mais pra se olhar no andar das pessoas além do balanço de quem vem e que passa a caminho do mar. É o caminhar das pessoas tão diferentes na aparência mas tão semelhantes em seus anseios de felicidade, de sentido na vida.

Numa época de relações passageiras, líquidas, que escoam pelos desvãos do tempo e da egolatria, o companheirismo de uma longa amizade está se ausentando dos relacionamentos humanos. É que grandes amizades raramente se constroem nos escaninhos do orkut. O rodízio de carros é seguido do rodízio de amigos. Os compositores da canção celebram a velha amizade ao mesmo tempo em que já sentem saudade dos amigos distantes.

A música fala da perfeição da natureza e também do homem, “a coroa da glória da Criação". No fim da canção, vemos um outro quadro, sem raios luminosos, sem noites enluaradas, sem flor, mas pintado com as cores dramáticas do sangue. Para além da tragédia do Crucificado, os autores vêem beleza na rudeza da cruz, conhecedores e beneficiários que são do plano de redenção.

Contudo um poema, Tua obra de arte
Destaca-se à parte numa cruz vulgar
Custando o suplício do Teu Filho amado
Mais alta expressão do ato de amar

Aquele Homem de dores desfigurado pela tortura é parte de um poema, de um quadro tão terrível, e ao mesmo tempo tão misterioso, que não pode ser contado entre os feitos artísticos já enunciados pela canção. É uma obra que destaca-se à parte porque não é de criação, mas de redenção. Essa obra é de arte não por causa dos painéis renascentistas e quadros barrocos inspirados pelas cenas da cruz vulgar, mas porque é a mais alta expressão do ato de amar, e “ninguém tem maior amor do que esse: o de dar a própria vida em favor de seus amigos”.

A arte, assim, está na motivação, concepção e execução do plano. Um plano que faz do Criador o Redentor que experimenta a amizade e a inimizade, a infância e a morte, e troca inexplicavelmente de lugar com a criatura. O Grande Poeta escreveu algo trágico demais, mas poemas não falam somente da árvore, mas também do machado que a corta. A Criação dá testemunho da arte do Poeta; a Cruz revela a Sua missão.

Comentários

J.M., vc conhece essa canção-poema?

"Num sonho eu vi alguém
Como se visse um mendigo
De afeto e compreensão
E súplice, pediu-me
Que eu abrisse a ânfora
De unguento e afeição...

E ao peregrino afadigado, eu disse:
"contigo, partirei meu pobre pão
e hei de parti-lo como se partisse
um pedaço do próprio coração"

Então desalterei-lhe a sede ardente
Cobri o corpo nu, mas de repente
Ao despedir-Se, vi Seu rosto em luz!
Vi que era diferente
Seu cabelo, seu porte...
Estremeci em reconhecê-lo!
Não era pobre algum!
Era... Jesus!"

Que o Deus-homem, que habitou entre nós, nos inspire a todos a enxergar poesia em cada ato de Sua mão. E que o louvor flua de nossos lábios ao contemplar Suas obras!
joêzer disse…
Não conheço. Me parece das antigas.
Anna Lídia Leal disse…
Gosto muito de suas análises que fazem um link do literário com o bíblico. Indiquei essa análise do "Te Vejo Poeta" no meu blog. http://linkliterario.blogspot.com/2010/12/maior-poeta-da-historia.html

Abraços
joêzer disse…
obrigado, anna.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta