Pular para o conteúdo principal

a tradição do novo e a novidade do velho

Há duas semanas assisti a uma apresentação do cantor adventista Leonardo Gonçalves no sábado à tarde. Muita gente veio assisti-lo também. Seus poemas e canções são fartamente conhecidos. Sua voz com melismas e agudos, também. O que, talvez, algumas pessoas ainda não conheciam era o modelo bastante espiritual de sua apresentação daquele dia. Quem foi assistir a um show acabou participando de um culto.

O repertório alternava as canções com a leitura e comentários de trechos bíblicos. Aliás, a Bíblia esteve o tempo todo aberta em uma estante a frente do cantor. Antes da última música, ele falou/pregou à congregação, fez um apelo e terminou com uma oração cantada, o que inibiu completamente qualquer manifestação de histeria de fã. Sua capacidade de atração jovem é notável, porém, mais notável ainda foi sua postura de mensageiro da Palavra. Algumas palavras de um cantor às vezes têm mais repercussão na mente de um jovem do que o sermão inteiro de um pastor. É grande a responsabilidade dos cantores que professam levar o evangelho por meio da música.

Há uma semana assisti a uma entrevista do pastor adventista Alejandro Bullón no sábado à tarde. Muita gente veio assisti-lo também. Seus livros e sermões são fartamente conhecidos. Sua voz emocionada e com sotaque “portunhol”, também. O que, talvez, muita gente ainda não conhecia era o quanto este pastor já aposentado está envolvido com a modernização dos métodos evangelísticos. Quem achava que ele só pregava e escrevia acabou sabendo que ele produz filmes e está se formando como roteirista.

O repertório dos filmes está centrado no cristianismo bíblico. São histórias para captar a atenção de homens e mulheres para o sentido de Deus em suas vidas. Na entrevista, o pastor Bullón preocupava-se com o número de pessoas que só conhecem a mensagem cristã por meio de filmes e livros que distorcem a Bíblia. Suas produções filmadas ou escritas pretendem contar histórias comuns ou extraordinárias segundo uma visão bíblica mais correta.

O jovem cantor apresentou-se apoiado na velha e feliz história de salvação. A tradição bíblica na musicalidade da juventude. O velho pregador apresentou-se com uma mente jovem, plugada em transmitir a velha e feliz história da rendenção. A novidade dos métodos na maturidade dos anos.

Um músico cristão usou o talento são para falar da sã doutrina. Um pregador mostrou que o peso da idade envelhece o corpo, mas a mente a serviço de Deus segue renovada e lúcida.

Comentários

UNASPNews disse…
Mestre Joêzer,

Que texto! Para além do formato a surpresa da análise.

Você capta o real sem melindrar a realidade.

Pingo.

Abraço

Jael Eneas
Rafael disse…
Análise e criatividade em sintonia!
joêzer disse…
my master Jael, que bom saber!

valeu, rafael.
Simone disse…
Belo texto, não só pelas palavras, mas também pelo fato de refletir a realidade, pois conheço o Léo e s a sua constante preocupação em manter a espiritualidade e o clima de adoração a Deus em suas apresentações.
Daniella disse…
Simplesmente perfeito, e louvado seja Deus por isso.
Fico muito feliz em receber notícia como esta, de uma persona adventista que é quase que adorada pelos jovens em geral, mas que demonstra tal firmeza de princípio.
Que Deus continue tornando o LG um adorador e que seu exemplo possa ser copiado por todos esses bonecos de prateleira e animadores de auditório que querem soar como adoradores, mas nada mais são que marionetes em um picadeiro a qual insistem em chamar de igreja.

Novamente, que Deus abençoe o LG!


Evanildo Ferreira de Carvalho

Postagens mais visitadas deste blog

paula fernandes e os espíritos compositores

A cantora Paula Fernandes disse em um recente programa de TV que seu processo de composição é, segundo suas palavras, “altamente intuitivo, pra não dizer mediúnico”. Foi a senha para o desapontamento de alguns admiradores da cantora. 
Embora suas músicas falem de um amor casto e monogâmico, muitos fãs evangélicos já estão providenciando o tradicional "vou jogar fora no lixo" dos CDs de Paula Fernandes. Parece que a apologia do amor fiel só é bem-vinda quando dita por um conselheiro cristão.
Paula foi ao programa Show Business, de João Dória Jr., e se declarou espírita.  Falou ainda que não tem preconceito religioso, “mesmo porque Deus é um só”. Em seguida, ela disse que não compõe sozinha, que às vezes, nas letras de suas canções, ela lê “palavras que não sabe o significado”.
O que a cantora quis dizer com "palavras que não sei o significado"? Fiz uma breve varredura nas suas letras e, verificando que o nível léxico dos versos não é de nenhum poeta parnasiano, con…

um grito no escuro, três preconceitos claros

Que impressão você tem das igrejas cristãs? Sua impressão procede de estudos de casos, envolvimento pessoal ou se baseia em ideias preconcebidas e/ou inflexíveis sobre determinadas igrejas?
Em 1980, Michael e Lindy Chamberlain acampavam com a família numa região turística na Austrália. Numa noite, a mãe viu seu bebê de nove semanas ser levado por um dingo para fora da barraca. Muitas pessoas saíram para procurar o bebê, mas ninguém o encontrou.
Após um primeiro período de compaixão da comunidade pelo sofrimento do casal Chamberlain, vários boatos maliciosos começaram a circular nas ruas e na mídia. A mãe, então, foi acusada de matar a própria filha – ou numa explosão de depressão pós-parto ou num suposto ritual religioso adventista. A cobertura jornalística sensacionalista e o preconceito religioso se misturaram a motivações políticas locais e, num julgamento sem provas conclusivas que tomou proporções inéditas no país, Lindy Chamberlain foi condenada à prisão perpétua.
Em 15 de setem…

avatar e a espiritualização da natureza

O filme mais caro da história. A segunda maior bilheteria de todos os tempos. Marco tecnológico. De todos os ângulos, Avatar é um superlativo.

Mas o que tanto atraiu a atenção das pessoas?

A história? Duvido. Vejamos num resumo: um soldado semi-inválido e cansado de combates acaba indo para um mundo distante e lá ele descobre a harmonia de um povo em contato com a natureza, se apaixona por uma nativa e enfrenta preconceitos e tensão bélica. Isso faz de Avatar uma versão em 3-D de Dança com Lobos, como estão dizendo.

Para o crítico Renato Silveira, Avatar é “a vanguarda da tecnologia oposta ao lugar-comum de um modelo narrativo típico de filmes de fantasia”. Assim, todo mundo sabe de antemão que o herói ficará encantado com uma nova cultura pura, encontrará um amor puro, uma forma de vida pura em contraste com a ganância dos terráqueos e com o vilão que ele mesmo terá que enfrentar. O enredo é, digamos, puro lugar-comum.

O que não é comum é a inovação tecnológica desenvolvida para esse…