Pular para o conteúdo principal

cem palavras: se eu tivesse amor

Se tivéssemos amor, não precisaríamos da moral. Sendo esse amor autêntico, ele torna supérfluo todo imperativo categórico, regras de respeito mútuo.

André Comte-Sponville, Petit Traité des Grandes Vertus (Pequeno Tratado das Grandes Virtudes)

Ora, ora, se isso não se assemelha aos arrazoados de Paulo em I Coríntios 13 ou à resposta de Cristo a quem lhe indagava sobre qual o maior mandamento da Lei:

Ama ao Senhor Teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, com todo o entendimento. Este é o primeiro e maior de todos os mandamentos. O segundo é: Ama teu próximo como a ti mesmo.

Ver o contexto no livro de Mateus 22:34 a 40

Cristo não estava inventando uma nova lei, mas somente resumindo e reforçando o que já tinha sido revelado: o que Ele disse está em Deuteronômio 6:5 e Levítico 19:18.

Se a gente sai a dizer que o cristianismo é amor e a suprema Lei de Cristo é o amor, há quem insista em nos contrapor mostrando os lados mais desprezíveis da religião. Mas se é um filósofo que fala sobre o mesmo assunto, abrem-se os ouvidos e quem lê pensa ter encontrado a fonte da sabedoria.


Comentários

Essa consideração foi feita pelo pastor Alberto R. Timm na Igreja Central de Campinas-SP, no final do século 20, mas relativamente a um outro tópico importante: o estilo de vida. Sobre a alimentação saudável, vegetariana, o pastor Timm comentou: "Nós, os adventistas do sétimo dia nos orgulhamos dos nossos escritos, de toda a revelação a nós deixada por Deus através da Inspiração do Espírito Santo, especialmente no que se refere à alimentação. Porém, é notável perceber que, na maior parte das vezes, esperamos que personalidades como Xuxa e Angélica proclamem que não passam fome comendo soja e abolindo a carne, para adotarmos medidas de temperança, quando o contrário é que devia ser visto". Quando ouvi esse sermão, senti-me esbofeteada, como se a luz bruxuleante do saber em meu cérebro adormecido tivesse que ser chacoalhada para acender.
joêzer disse…
vivi,
já passou da hora dos cristãos começarem a falar antes das "pedras" falarem por eles.
por outro lado, os adventistas têm uma mensagem especial, mas têm pouca visibilidade social. assim, é preciso que as "pedras" visíveis da mídia falem para chamar atenção para uma mensagem que de outro modo não alcançaria maior repercussão.
abs
Você tem razão, Joêzer. Durante um longo período de anos, esqueci-me que "as pedras falarão". Elas falaram, e, lembro-me agora, depois desse episódio foram feitas várias matérias de peso, em emissoras de peso, sobre a longevidade com qualidade que os adventistas de Loma Linda parecem ter, adotando medidas simples de alimentação e etc... VocÊ tem razão.
Estou à base de remédios para gripe, funcionando apenas em meia-fase. Então, parei de escrever. Abs

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta