Pular para o conteúdo principal

mozart inédito

Mozart: o cometa mais fulgurante que atravessou o universo da música: foi visto e ouvido por pouco tempo, atribuíram-lhe sinais divinos de astro celeste (e também lhe apontaram sinais diabólicos) e, volta e meia, retorna musicalmente para encantar as novas gerações. Um cometa, sem dúvida.
Recentemente, a Fundanção Mozarteum de Salzburgo divulgou duas peças para piano, até então inéditas, que descobriram ser de autoria de Mozart. Compostas quando o geniozinho tinha só oito anos. Claro, elas não acrescentam nada de novo ao que já é fartamente conhecido. Como disse o crítico musical João Luiz Sampaio, "o que [as peças] fazem é apenas se somar a um quadro fascinante no qual o compositor segue desafiando nossa compreensão do gênio musical".
Embora sua carreira de moleque genial seja posta em dúvida - era ele mesmo que compunha aquelas peças na infância ou o autor era na verdade o seu pai músico, Leopold? -, a liberdade de criação de Mozart o isola de seus contemporâneos. Sim, todo músico classicista bebeu na fonte sinfônica de Haydn. Ok, há elementos que o ligam ao futuro Beethoven. Porém, a faceirice de suas sonatas, a vivacidade de seus concertos, a proeza técnica exigida e magnitude musical de suas óperas (sendo Don Giovanni o Everest das óperas), o colocam noutro patamar da época em que viveu.
Mozart não foi socialmente ejetado dos círculos palacianos por suas estrepolias de menino-sem-infância. Sua música contribuiu para isso. O crítico Johann F. Reichardt disse, quando Mozart tinha 25 anos, que a música instrumental de jovem Wolfgang Amadeus era "extremamente antinatural", pois era "alegre e, de repente, triste e, de repente, alegre novamente".
Muitos dizem que o Mozart tardio é bem melhor - suas últimas sinfonias e concertos. Concordo. Mas o que podíamos esperar? O garoto amadureceu; e sua música junto com ele. O que um guri pode dizer musicalmente aos 17 anos? Beethoven fez nove sinfonias e nem todas são obras-primas indiscutíveis. O que dizer de quem fez quarenta e uma? E começando na infância? Certamente o melhor de Mozart foi composto nos dez-doze últimos anos de sua curta e prodigiosa vida.
Mozart teve uma infância típica de toda criança-prodígio. Com seu pai e sua irmã Nannerl circulava pelos salões da corte europeia feito um brinquedinho circense. Do que você leu até aqui, qualquer semelhança com Michael Jackson é mera coincidência? Foi controverso quando cresceu e afirmou sua arte individual, assombrando e maravilhando as plateias, granjeando admiração e ódio. Às vezes, admiração e ódio vinham na mesma moeda, como bem retrata o ótimo Amadeus - filme que é mais um retrato da visão de amor/repulsa de Salieri em relação à Mozart que uma biografia tradicional do musico. O filme é sobre a reação à genialidade musical e não uma fonte fidedigna de fatos e boatos.
E já estou desviando do assunto. Audioveja o link abaixo. Trata-se de obras precoces do músico de quem o próprio Joseph Haydn escreveu: "... lhe digo diante de Deus e como homem honesto: seu filho é o maior compositor que conheço. Ele tem gosto e a maior ciência da composição" (carta ao pai de Mozart, 1785).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta