Pular para o conteúdo principal

para entender o gospel no Brasil

O gospel pode ser considerado um dos fenômenos culturais mais significativos do início do século XXI. Nos últimos anos, o gospel deixou de caracterizar um estilo musical de origem norte-americana para agora constituir as novas atitudes e posturas evangélicas. Mais do que música, o gospel passou a ser um modo de produção. O cantor gospel, que alguns chamam de levita ou adorador, tem se tornado não apenas o intérprete musical da mensagem evangélica, mas também passou a ser considerado um multiplicador financeiro de objetos, acessórios, roupas, eventos.
A canção gospel brasileira é multivariada: gêneros populares nacionais e estilos musicais globalizados dividem espaço nas rádios, gravadoras e lojas. Excetuando-se as canções de "Louvor & Adoração", o estilo consolidado no Brasil pelo Ministério Diante do Trono, o repertório gospel está em intensa interação com aqueles estilos de maior sucesso no repertório pop das mídias. Esse é o tema que procurei aprofundar na minha pesquisa de mestrado.
No primeiro capítulo, demonstro como as características da pós-modernidade podem explicar as novas demandas de consumo e expectativas religiosas dos evangélicos no final do século 20. No capítulo seguinte, focalizei as atividades de mercado e o crescimento midiático das denominações neopentecostais (Igreja Universal, Internacional da Graça de Deus, Renascer, Sara Nossa Terra, Bola de Neve e outras).
A seguir, faço uma análise da carreira da cantora e pastora Aline Barros, estudando detalhadamente suas canções, sua performance cênica e vocal, seu direcionamento para o repertório de Louvor e Adoração, e também a publicidade comercial que a cerca. No último capítulo, pesquisei estilos musicais que já foram marginalizados, inclusive pela mídia secular, e recentemente foram adotados em produções musicais do gospel no Brasil, como o axé, o funk e o hip hop.
Uma pesquisa honesta não pode se iniciar com o pesquisador querendo provar de antemão o que já está consolidado em seu pensamento. Isto é, não se pode começar a pesquisar já com o resultado final na cabeça, pelo menos não nas ciências humanas. Se alguém assim fizer, tenderá a torcer e distorcer aquilo que os autores que ele pesquisou de fato queriam dizer. Isso caracteriza uma infração grave de "nome feio": o erro epistemológico.
Digo isso para espanar qualquer mancha de preconceito, no sentido mesmo de pensamento pré-concebido, que alguém possa querer grudar a minha dissertação. Ao contrário, evangélicos renovados poderão entender as evidências de mercantilização da religião e da música religiosa tanto quanto os cristãos tradicionais poderão compreender o caráter historicamente dinâmico da música do cristianismo.
O título da dissertação: "O gospel é pop: música e religião na cultura pós-moderna".
O download do trabalho pode ser feito a partir do site de pós-graduação em música da UNESP:
Algumas pessoas se adiantaram a esse meu anúncio aqui no blog e se interessaram pela pesquisa. Agradeço o interesse dos pesquisadores Célio, Andria Rodrigues e Jairo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta