Pular para o conteúdo principal

um mês de música

No sábado à noite, dia 29, assisti a Camerata Antiqua de Curitiba tocando obras sacras de Mozart e durante quase uma hora acreditei que a música sacra erudita é um modelo insuperável. Numa apresentação irretocável, coro, orquestra de câmara e instrumentistas convidados atestaram a beleza (alegre e reverente?) da Missa Breve KV 258, composta por um Mozart de vinte anos. O Brasil imperial tinha um epígono mozartiano: o padre José Maurício Nunes Garcia, de quem a Camerata apresentou uma pequena antífona sacra composta - olha aí, ô Amadeus -, no vigor de sua adolescência, aos 16 anos.

Se, assim como eu, você é um só professor-de-marré-de-si e não foi ao concerto da Sinfônica de Israel – ingressos a R$ 400 e tantos; se você, como este web-escriba, acha que o show de Aline Barros não vale o preço que estão cobrando – R$ 600 reais o camarote para 10 pessoas; se você é daqueles que acreditam que “boa romaria faz quem em sua casa fica em paz”, então tenho o programa quase ideal para você: o imperdível site www.medici.tv.

Até 30 de setembro, estarão disponíveis e inteiramente gratuitas as apresentações do Verbier Festival. Indico especialmente os concertos do pianista Evgeny Kissin com o violinista Joshua Bell, as apresentações da fantástica pianista Martha Argerich, Kurt Masur regendo obras de Mendelssohn (atenção para o concerto para piano e orquestra nº 1 com a incrível e jovem pianista Yuja Wang). E claro que não é só isso!

O quase ideal fica por conta da qualidade de sua internet, pois o site disponibiliza os concertos no formato streaming e pode ser que haja alguns problemas de interrupção na transmissão. Então, que a força da banda larga esteja com você!

Como aperitivo, audioveja o scherzo do Quinteto op. 57 de Shostakovich, com Martha Argerich (piano), Mischa Maisky (cello), Joshua Bell e Henning Kraggerud (violinos), Yuri Bashmet (viola) interpretado no Verbier Festival de 2008:


Comentários

André disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
claudinei disse…
Em Curitiba, o grupo Positivo de educação e computadores anda investindo seu rico dinheirinho no Teatro Positivo, onde os concertos são para a elite curitibana.
o teatro Guaíra oferece preços mais populares, mas em compensação, não é a sinfônica de Israel.
com esses preços, meu e-mule não pára quieto.rsrs
joêzer disse…
claudinei,
o programa conservadoríssimo da sinfônica de israel, com trechos da ópera 'carmen', não valeria nem 40 nem 400 reais.
mas a plateia que foi estava pagando caro para não ser importunada por novidades de repertório ou de interpretação.
Anônimo disse…
[url=http://kaufencialisgenerikade.com/]cialis generika[/url] kaufen cialis
[url=http://acquistocialisgenericoit.com/]cialis generico[/url] cialis generico
[url=http://comprarcialisgenericoes.com/]cialis 20 mg[/url] comprar cialis madrid
[url=http://achatcialisgeneriquefr.com/]cialis acheter[/url] cialis

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta