Pular para o conteúdo principal

volta ao mundo em cinco notas - II

A gente bem que tenta levar o mundo à sério, mas convenhamos, com esses personagens que surgem no diário do planeta essa é uma tarefa cada vez mais difícil:



Olhos estrelados como ovos fritos, testa crispada, rosto ameaçador e uma ordem de intenções nada gastronômicas ao colega de senado Pedro Simon ("engula o que disse"). Sem dúvida, as caras e bocas colloridas estão de volta no melhor (ou pior) estilo "afasta de mim esse cale-se". Repare na expressão do homem: depois da invenção do Olhar 43, o ex-presidente e atual senador Fernando Collor inventou o Olhar 666.



A Olimpíada de Pequim e o Mundial de Atletismo de Berlim não são uma rima. Nem a solução. Os dois eventos provam que raios caem no mesmo lugar, sim. Usain Bolt bateu o recorde mundial dos 100 metros rasos por duas vezes e a saltadora brasileira Fabiana Murer perdeu e culpou a vara também duas vezes. Mera coincidência não explica, puxa vida!

Michael Schumacher adiou seu retorno às pistas da Fórmula 1 alegando "dores no pescoço". Talvez para evitar uma desculpa tão plebeia como essa para um rei do esporte, Ronaldo Fenômeno deve implantar um pescoço de Mike Tyson. Ele tá certo. A gente nunca sabe o que os blogs podem dizer se ele sair no começo de uma partida de novo.

Falando no assunto, Ronaldo, enquanto se prepara para nos surpreender de novo com seus gols, aproveitou uma cirurgia na mão para fazer também uma lipoaspiração para diminuir a redondeza de sua cintura. Porém, quem o viu encarando sem medo as pipocas e os picolés no Pacaembu no último domingo está achando que o Fenômeno logo logo vai recuperar o tempo e o peso perdidos.

Quem ou o quê poderia convencer o senador José Sarney a renunciar ao cargo de presidente do Senado? Bill Clinton, o homem que convenceu até o ensandecido ditador coreano a libertar duas americanas? Obrigá-lo a ouvir o CD gospel "As Preferidas do Bispo Macedo"? Deixá-lo sozinho e no escuro com a edição do recém-censurado jornal O Estado de S. Paulo, do qual inexplicavelmente parece ter medo?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e a Reforma da música - parte 1

Andreas Karlstadt acaba de publicar em Wittenberg um panfleto com 53 tópicos condenando a liturgia católica, rejeitando seu formato, seu idioma e sua música inacessível ao canto congregacional. Isso foi manchete em março de 1522. Naquele ano, Martinho Lutero, após seu exílio no castelo de Wartburg, voltava para Wittenberg, onde em 31 de outubro de 1517 ele publicara suas 95 Teses. Isso continua sendo manchete há 499 anos. Esperava-se que o Dr. Lutero, o reformador protestante, apoiasse Karlstadt. Mas ao chegar na cidade, Lutero profere uma série de oito sermões com o intuito de corrigir a reforma litúrgica radical de Karlstadt. A reforma luterana deveria ser mais cautelosa e mais conservadora devido 1) à necessidade de reformar o ensino bíblico antes de modificar o ritual e 2) ao apreço de Lutero pelo canto tradicional polifônico. As proposições reformadoras de Lutero cuidaram de preservar o aparato cerimonial da missa católica, cuja música, linguagem e ornamentações possuíam alto valor …

uma imagem que vale mil canções: história da música dos adventistas

A história da música adventista no Brasil passa obrigatoriamente pelos músicos nessa foto, tirada num encontro de músicos no Rio de Janeiro: 1ª fila, da esq. para direita: Mário Jorge Lima, Williams Costa Junior, Jader Santos 2ª fila: Evaldo Vicente, Valdecir Lima, Lineu Soares, Flávio Santos 3ª fila, à direita: Alexandre Reichert Filho
[Não conheço o trabalho de Wilson Almeida e Horly de Oliveira, na 3ª fila, da esquerda para direita. Por isso, vou mencionar somente os demais músicos].
No final dos anos 1970 e início dos anos 80, tendo como epicentro o Instituto Adventista de Ensino (hoje, UNASP-SP), eles viabilizaram uma mudança de paradigma sacro-musical que impactou a estrutura musical e poética tradicional e mobilizou um novo modelo de prática musical para as igrejas adventistas no Brasil.

Trata-se de uma foto carregada de capital simbólico, visto que reúne uma geração espetacular de letristas, maestros, instrumentistas, compositores e arranjadores que deram novos rumos à música…

quando a teologia canta